AUSTRÁLIA SUFOCA E ARDE COM ONDA DE CALOR RECORDE E HISTÓRICA

Posted by Thoth3126 on 18/01/2019

A Austrália vive atualmente a maior onda de calor de sua história. O mês passado foi não apenas o dezembro mais quente já registrado desde o início das medições, como teve também o dia de maior calor. E, em janeiro, os termômetros continuam quebrando marcas. “Já temos cinco dias seguidos com temperaturas acima dos 40 graus”, disse Blair Trewin, do Departamento de Meteorologia, em entrevista à emissora local ABC. Segundo ele, trata-se do mês de janeiro mais quente desde 1939.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Austrália sufoca com onda recorde de calor. País vive o mês de janeiro mais quente desde 1939, com asfalto derretido e noites com temperaturas acima de 36 graus Celsius.

Fonte:  https://p.dw.com/p/3BnOJ

Toda a vasta área continental da Austrália foi afetada pela onda de calor em algum momento, e vários locais registraram temperaturas recordes para os meses de dezembro e janeiro. Algumas marcas foram quebradas por margens grandes.

Em Wauchope, cerca de 370 quilômetros ao norte de Sydney, o diário local Argus relatou que o betume estava derretendo na rodovia principal. Operários da cidade espirraram água para resfriar a superfície e evitar que ela ficasse presa nos pneus de carros.

No leste australiano, os recordes de calor foram quebrados com temperaturas próximas dos 50 graus Celsius. E não foram quebrados apenas recordes sob o calor efetivo do sol. Em Noona, 800 quilômetros a oeste de Sydney, a temperatura mais baixa durante a noite foi de 35,9 graus Celsius – recorde de calor noturno no país.

“Já temos cinco dias seguidos com temperaturas acima dos 40 graus”, disse Blair Trewin, do Departamento de Meteorologia, em entrevista à emissora local ABC. Segundo ele, trata-se do mês de janeiro mais quente desde 1939.

Segundo meteorologistas, as temperaturas devem abrandar no fim de semana, mas aumentarão novamente na próxima semana. “Há algumas indicações de mais uma onda de calor extremo no final da próxima semana”, disse Trewin.

A vasta área continental da Austrália tem enfrentado condições extremas desde dezembro. As temperaturas atingiram altas recorde, e os serviços de emergência estão em alerta máximo para a ocorrência de incêndios florestais. A pequena cidade de Marble Bar, que se apresenta como a cidade mais quente do país, registrou no final de dezembro um pico de 49,3 graus Celsius.

“Tudo isso é por causa de um sistema de alta pressão [atmosférica] vindo do Mar da Tasmânia, que está se movendo lentamente e estabeleceu um padrão ao longo de vários anos”, explicou Nick Neynens, do Departamento de Meteorologia. “É uma situação muito estável, sem muita mudança.”

Altas temperaturas não são incomuns na Austrália durante seu verão árido – incêndios florestais ocorrem com frequência. Mas, recentemente, os períodos de calor têm sido mais quentes e mais intensos.

PV/rtr/dpa


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

PRI LA ARBO AEGLE MARMELOS

Aspekto kaj folioj

Aegle marmelos estas folifala, malgranda ĝis mezgranda arbo. Kultivataj ekzempleroj atingas altecon de pli ol 10 m. La krono estas mallarĝa.[1] [2] [3] [4]. La trunko disbranĉiĝas tuj super la grundo. La arboŝelo estas blua-griza. mola, kaj ĉe la junaj branĉoj neregule sulka.[1] Ĝi malfiksiĝas en maldikaj platoj[4]. Vunditaj branĉoj sekrecias travideblan sukon, kiu, simile al Gummi arabicum sekiĝas al longaj fadenoj.[4] Ekzistas du specoj de branĉoj: longaj branĉoj (longbranĉoj) kun internodoj de 3 ĝis 5 cm kaj mallongaj branĉoj, kiuj entute estas nur 1 ĝis 3 cm longaj kaj portas multajn foliojn.

La alternesidaj folioj havas ĉe la longbranĉo unu ĝis du dornoj.[1] La dornoj estas 1,5[2] ĝis 3[3] cm longaj. La folioj estas tre variaj, forte sunumitaj folioj povas havi ruĝecan koloron. La folitigo havas mallarĝajn aŭ larĝajn flugilforman randon.[1] La limbo estas nepare pinata kun tri, malofte kvin folietoj. La flankaj folietoj ne havas tigojn, dum la pinta folieto havas tigon. La folietoj longas 4 ĝis 12 cm kaj larĝas 2 ĝis 6 cm. La bazo estas rondeca ĝis kojnforma, la fino estas iom longigita, sed malpinta. La rando estas malforte denta aŭ noĉita.[3] La folioj estas glataj kun maldika nervaturo.[1]

Floro

La floroj staras unuope aŭ ĝis sepope en la foliakseloj kaj je la fino de la branĉoj. Kaliko kaj flortigo estas haraj.[2] La verde blankaj floroj havas diametron de 2 cm. La sepaloj estas kunkreskintaj al malprofunda kaliko kun 5 pintoj. La petaloj estas longece ovalaj kaj supre de la mezo plej larĝaj kaj vaste etendiĝintaj. Ili havas dikan teksturon kaj estas kovritaj de oleoglandoj. La longece ovala ovario konsistas el ok fruktfolioj kiuj kuniĝas al stiluso kiu fariĝas kapetfoma stigmo.[1] La floro havas 30 ĝis 50 stamenojn. [3] [1]

Frukto de marmeloso

Frukto kaj semoj

La pirformaj fruktoj havas grandecon de 5 ĝis 10 cm. Maturaj ili estas verdecaj ĝis flavaj. La mezokarpo formas 3 mm dikan lignecan tavolon. La sekigita frukto havas oranĝkoloran, sukan endokarpon.[2] La multnombraj 1 ĝis 8 mm grandaj semoj estas ĉirkaŭataj de lanecaj haroj kaj troviĝas en klara, glua fluidaĵo. Ĉiu semo havas embrion, sed neniu endospermon.[3] Kultivataj varioj povas havi multe pli grandajn fruktojn kaj malpli da semoj. Ili ankaŭ ne estas gluaj.[4]

Disvastigado

Aegle marmelos estas indiĝena ĉe la suda rando de Himalajo de Pakistano, Hindio kaj suden ĝis Bangladeŝo, Birmo kaj la Malaja Duoninsulo.[4] Ĝi kreskas en arbaroj kun musona klimato en alteco de 600[3] bis 1200[2] m. En Sudorientazio marmeloso estas ofte kultivata.

Utiligado

Tranĉitaj fruktoj de marmeloso

Post la forpreno de la malmola ŝelo la frukto estas freŝe manĝebla. Ĝia gusto similas al tiu de pomo, sed tre acida. El la suko estas farataj dolĉaĵoj, marmelado kaj ĉatnio. La junaj folioj estas uzataj kiel legomo kaj spicaĵo. El la floroj kaj la arboŝelo estas farata bonodora oleo. Fruktoj, folioj kaj arboŝelo estas uzataj en medicino.[4]

Religia Utiligado

En Hinduismo la arbo estas sankta al Ŝivao. Ĝiaj triopaj folioj similas al la tridento de Ŝivao. La kredantoj oferas la fruktojn al Ŝivao.

ĈU SAĜTELEFONO ESTAS VERE INTELIGENTA ?

Mi pensas ke jam ekzistas inteligentaj maŝinoj.
Modernaj saĝtelefonoj havas pli grandan komputan povon ol tiu komputilo, kiun Usonaj astronaŭtoj uzis iam dum sia vizitado de Luno.

Nuntempa saĝtelefono povas determini vian precizan lokon sur Tero, vian alton disde lanivelo de la maro, kaj vian direkton, se vi vin movas. Ĝi proponas itineron por vi por atingi vian celon. Ĝi povas proponi al vi vendejojn aŭ restoraciojn en via ĉirkaŭaĵo, ĝi povas eĉ proponi estontajn amikojn al vi, kies interesiĝoj kaj hobioj similas la viajn, kaj kiuj serĉas amikon similan al vi, kaj kiuj estas proksime de vi.

Ĝi povas traduki tekstojn el iu ajn lingvo en iun ajn lingvon, ĝi “komprenas” eĉ Esperanton. Nun jam ekzistas tia apleto, kiu komprenas vian anglan paroladon, ĝi transkodas parolon en tekston, poste ĝi tradukas la tekston en la francan, kaj fine ĝi diras la tekston france. Ĝi povas fari la samon elirante ankaŭ el franca parolo. Ĉu ĝi vere ne estas inteligenta?

Ĝi povas havi tian apleton, kiu pli bone ŝakludas ol vi.

Ĝi povas foti vizaĝon de nekonato, kaj poste povas determini la nomon, loĝlokon kaj aliajn personajn donitaĵojn de la nekonata persono. Oni jam havas similan apleton por determini specon de birdoj, hundoj, kreskaĵoj, papilioj aŭ fungoj.

Ĉu ĝi ne estas inteligenta?

TEKSTO VERKITA DE: Gabányi Zoltán

PROPOSTAS PARA UM NOVO BRASIL

O governo de Jair Bolsonaro tem uma agenda desafiadora pela frente e precisa aproveitar o período de “lua de mel” após as eleições. A Agência CNI de Notícias ouviu especialistas que indicam caminhos para recolocar o Brasil entre os países que mais crescem no mundo

Sem as reformas da Previdência e tributária, o país continuará perdendo competitividade. A nova configuração política, tanto no Executivo quanto no Legislativo, terá de costurar um acordo para promover mudanças. A primeira série especial de reportagens de 2019 da Agência CNI de Notícias se dedica à discussão de desafios urgentes e à necessidade de solucionar antigos dilemas do país para garantir ciclos sustentados de desenvolvimento.

Além das reformas necessárias, a série de seis videorreportagens traz a visão de empresários, economistas e especialistas sobre educação, infraestrutura, inovação, segurança jurídica e comércio exterior e mostra como cada um dos fatores impacta o cotidiano de todos os brasileiros. 

O especial tem como guia dois documentos elaborados pela CNI: a Agenda dos 100 Dias – Brasil 2019, que reúne 36 propostas prioritárias para os primeiros meses de governo, e o Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022, elaborado com a participação de líderes empresariais e que é, na realidade, uma agenda para o Brasil, pois visa à construção, nos próximos anos, de uma economia mais produtiva, inovadora e integrada ao mercado internacional.

“É preciso adotar ações para melhorar o ambiente de negócios, desburocratizar e garantir segurança jurídica à atividade econômica, tornar o governo mais eficiente na oferta de serviços públicos, viabilizar investimentos na infraestrutura, em parceria com o setor privado, promover o aumento da produtividade e ampliar a inserção internacional do país”, resume Robson Andrade. 

Reportagem 1: Reformas necessárias

Aos 57 anos, Marcelo Menezes trabalha na área de Panificação. “Não tenho vontade de me aposentar, sou muito jovem para isso. Tenho muito mais condições de produzir hoje do que no início da carreira”, acredita. Marcelo exemplifica a atual realidade do Brasil: as pessoas estão vivendo mais e melhor e, com isso, a reforma da Previdência se torna fundamental para a economia do país. “Se a pessoa se aposenta cedo, ela vai depender mais do sistema previdenciário, que não terá condições de se sustentar”, afirma o gerente-executivo de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

As reformas da Previdência e a tributária são consideradas fundamentlistas. “O novo governo precisa elencar a reforma tributária como item prioritário de pauta para que o Brasil possa não só voltar a crescer, mas também para que também se possa atacar um dos nossos principais problemas históricos, que é a desigualdade social”, destaca o advogado tributarista Kauê Machado. Assista:ais e urgentes por especia

Capítulo 2: Educação

Depois de um dia intenso de trabalho em alguma empresa, ou mesmo em casa, muitos pais começam outra jornada: ajudar os filhos nas lições da escola. Pode até parecer algo simples, mas não para centenas de milhares de brasileiros que por algum motivo deixaram de frequentar as salas de aula. Esse mesmo conhecimento que os pais precisam para apoiar os filhos nos estudos também faz falta no emprego pra muita gente. É que sem preparação adequada ou alguma formação, fica mais difícil evoluir no trabalho, principalmente quando se trata de uma promoção. 

É por isso que o ensino médio de qualidade pode fazer toda a diferença, principalmente se aliado à educação profissional. E é aí que entra o novo ensino médio proposto pelo SESI e pelo SENAI. A ideia é fazer com que o aluno não saia da escola apenas preparado para um possível vestibular, mas sim, para o mercado de trabalho. Até porque, no Brasil, apenas 18% dos jovens seguem o caminho da universidade.

Reportagem 3: Inovação

A estudante Bruna Gonçalves e outros amigos da turma de Técnico em Controle Ambiental do SENAI desenvolveram uma máquina inovadora de corte de vidros. O diferencial? Todos os itens que compõem o equipamento são reaproveitados, o que o torna muito mais barato que os convencionais. “Essa ideia de inovação mudou minha vida porque a partir de tudo que vejo penso se eu posso transformar aquilo em outro objeto que vai ter tanta utilidade quanto o anterior”, destaca Bruna.

Há várias formas de inovar. “Pode ser de processo, de marketing… todas as pessoas podem inovar”, diz a diretora de Inovação da CNI, Gianna Sagazio. A inovação promove melhorias, crescimento, produtividade. São necessários investimentos privados e do governo, estratégias e instrumentos para que o país possa se tornar mais competitivo. Assista:

Reportagem 4: Infraestrutura

A dona de casa Rafaela de Oliveira, 28 anos, mora em Ceilândia, cidade localizada a pouco mais de 25 quilômetros de Brasília. A falta de saneamento básico é um dos principais problemas de seu bairro. “A água da privada e do chuveiro vai para a fossa que temos aqui”, conta. Infelizmente, essa realidade não é exclusiva da Rafaela: metade da população brasileira não tem coleta de esgoto.

“Infraestrutura não é só esgoto. É rodovia, ferrovia, é o celular que funcione bem e a luz que chega à sua casa. Infraestrutura é o insumo básico para o desenvolvimento econômico e social, para o crescimento produtivo e também para a dignidade mínima da população brasileira”, afirma a especialista em Infraestrutura da CNI, Ilana Ferreira. Segundo o economista Cláudio Frishtak, o Brasil investe pouco e mal no setor. “Quem sofre é a população”, ressalta. Modificar esse cenário é um desafio para o novo governo.

Capítulo 5: Segurança Jurídica

“Quando a gente fala de burocracia no Brasil, a gente tá falando de um problema muito sério e que cria um gargalo imenso na viabilidade de instalação de indústrias no país”, diz a empresária Janine Soares. Para o constitucionalista Eduardo Mendonça, por aqui “há uma série de entraves burocráticos que não existem ou que são muito simplificados em outros países”.

Sem segurança jurídica, empresários não têm como como fazer grandes planejamentos. “São quase 6 milhões de normas produzidas desde 1988. Isso efetivamente gera uma insegurança jurídica, porque isso depõe contra a previsibilidade e a estabilidade normativa”, explica o superintendente jurídico da CNI, Cassio Borges. Por isso, o novo governo deve prezar pelo tema.

Reportagem 6: Comércio Exterior

Investir em comércio exterior é investir no Brasil. “A gente precisa desburocratizar, diminuir os impostos, pois isso reflete nos nossos produtos. A gente tá com a faca e o queijo na mão, o que falta é eficiência”, acredita o empresário Jeová Souza.

E comércio exterior não é apenas para grandes empresas. “Uma pequena empresa que participa do mercado internacional tem produtos de melhor qualidade, inova mais, diversifica seu mercado e consegue, portanto, em situações de crise, sobreviver tendo um cliente internacional”, explica a especialista em Comércio Exterior da CNI Sarah Saldanha.

SAIBA MAIS – Faça o download do documento Agenda dos 100 Dias – Brasil 2019 no Portal da Indústria. Acesse, também, o site do Mapa Estratégico da Indústria 2018-2022, que reúne documentos, reportagens especiais, entrevistas, vídeos e infográficos com as principais propostas da indústria para estimular o crescimento do Brasil.

Tags:
#educação #economia #inovação #infraestrutura #propostas #mapa estratégico da indústria #novo governo

Produção e reportagem: Natália Nascimento
Captação e edição de imagens: Sergio Alberto
Direção de arte: Hygor Morais e Rafael James
Coordenação e revisão final: Aerton Guimarães e Mariana Flores
Da Agência CNI de Notícias

FONTE: https://noticias.portaldaindustria.com.br/especiais/propostas-para-um-novo-brasil/?utm_source=email&utm_medium=newsletter&utm_campaign=16012019_042#

MP21 – MONDA PARLAMENTO POR LA 21-A JARCENTO KUN SOCIA JUSTECO, SENARMIĜO KAJ PACO.


En ĉi nunaj tempoj de tutmondiĝo, aro da problemoj pri la tuta planedo surtabliĝas. Al ili ni ankoraŭ ne trovis komunajn respondojn. Kaj la egoismo de iuj kaj la indiferenteco de multaj permesas, inter aliaj katastrofoj, al mizero kunvivi kun lukso, al militoj ĉesigi la vivon de milionoj da personoj, al la medio reagi per neantaŭvideblaj katastrofoj, al individuismo forigi nian respondecon kaj hipnotizi nin per falsaj konsum-paradizoj.

Nia planedo similas drivantan ŝipon sen direktilo. Same kiel ĉiu parto de ŝipo estas nemalhavebla por ĝi, kaj ĉiu socia dimensio fariĝas necesa por la bona funkciado de la mondo, ni bezonas tutmondan jur-politikan dimension, specon de tutmonda direktilo. Ni timas administri tutmondan politikon, ĉar la pasintaj ideologioj ankoraŭ zorgigas nin pro siaj sirenkantoj de elsaviĝo.

Ĉi tiu forumo kunigis, inter oktobro 2002 kaj aprilo 2003, reprezentantojn de multaj el la plej gravaj mondaj iniciatoj por monda demokratio, kaj ankaŭ multajn aliajn membrojn de asocioj kaj individuojn el la tuta mondo, ĝis preskaŭ 250 partoprenantojn.

La kvalite riĉaj kontribuoj plejparte pritraktis grandan gamon de aferoj pri la neceso kaj la strategio por monda demokratio, interalie valoroj kaj principoj; arkitekturo de demokratia administrado tutmonda; strukturo kaj organizo de la monda parlamento; evoluigo kaj efektivigo de la internacia juro; konstruado de strategioj por krei mondan parlamenton; kaj la sekvaj paŝoj kaj fazoj de la prepara procedo. Oni pretigas raporton de la 1-a fazo, kiu estos baldaŭ eldonita.

Ni invitas vin aliĝi al la forumo kaj subteni la organizan procedon en la nun komenciĝanta 2-a fazo (junio – septembro 2003). La forumo konsistas el ĝenerala listo, en la angla, franca kaj hispana lingvoj, kiu funkcias nur per maŝina tradukado. Estas aliaj listoj en aliaj lingvoj, kiuj poste povos fariĝi regionaj grupoj por monda demokratio. Jen la ĝenerala tagordo por ĉiuj listoj:

– 1/20 jun, a) Enkonduko de la novaj partoprenantoj, b) daŭrigo de la temo de aprilo: unuaj paŝoj por krei Mondan Parlamenton (MP), kaj c) interŝanĝo de propraj kaj lokaj aktivismaj spertoj.

– 20 jun/15 jul, Kion MP povus atingi kaj kial ĝi estas bezonata, laŭ viaj spertoj kaj interesoj, aŭ ankaŭ de la vidpunkto de via kulturo, propraj valoroj kaj tradicioj.

– 15 jul/15 sep, Kiuj debataj sistemoj estas taŭgaj kaj por interkonsento en la diskutlisto kaj por definitiva Monda Parlamento.

– 15 sep/15 okt, Etika kodo aŭ ĉarto. Ellaborado kaj konsento kiel eble plej larĝa de etika kodo aŭ ĉarto, pere de, se necese, la antaŭe konsentita debata sistemo.

La kvalito de la permaŝinaj tradukoj povas malfaciligi la legadon de mesaĝoj verkitaj en aliaj lingvoj. Ni esperas arigi unu aŭ pliajn tradukistojn post septembro. Alie, se vi volas partopreni iam nur en Esperanta listo, bonvolu skribi al ni pri ĉi tio.

Se vi volas partopreni bonvolu sciigi nin per sendado de mesaĝo al: germa@alliance21.orgrobineagle@worldcitizen.org

Ne hezitu ankaŭ resendi ĉi tiun mesaĝon al iuj ajn, aliuloj, grupoj kaj listoj kiuj vi opinios oportunaj.

Por pliaj informoj bonvolu viziti la ttt-on: http://www.alliance21.org/forums/info/world-parl

Ĝenerala ideo pri la homoj en ĉi tiu forumo estas ĉe http://www.alliance21.org/forums/d_read/world-parl/participants

(*) La Fondaĵo por la Progreso de Homaro (FPH) subtenis la 1-an fazon de la forumo. La financado de estonta agado ankaŭ dependos estonte de la subteno de aliaj fondaĵoj, institucioj kaj personoj.

DERRETIMENTO DA ANTÁRTIDA É “SEIS VEZES” MAIOR QUE HÁ 40 ANOS

Posted by Thoth3126 on 16/01/2019

A Antártida experimentou um aumento de seis vezes na perda anual de massa de gelo entre 1979 e 2017, de acordo com um estudo publicado na revista  Proceedings of National Academy of Sciences. Glaciologistas da Universidade da Califórnia, Irvine,do Laboratório de Propulsão a Jato (JPL) da NASA e da Universidade Utrecht, na Holanda, também descobriram que o derretimento acelerado fez com que o nível das águas dos oceanos subissem mais de meia polegada (1,27 centímetros) durante esse mesmo período.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Derretimento da Antártida é seis vezes maior do que há 40 anos, revela estudo. Pesquisa mostrou que, entre 2009 e 2017, continente perdeu cerca de 252 bilhões de toneladas de gelo por ano

Fontes: https://news.uci.edu/  –  https://oglobo.globo.com/

Irvine, Califórnia — A perda anual de gelo na Antártida já é seis vezes maior do que era há 40 anos e está se acelerando. É o que aponta um dos mais abrangentes estudos de mudanças climáticas produzidos no continente, elaborado pela NASA.

O estudo internacional utilizou fotos aéreas, dados de satélites e modelos climáticos da década de 1970 em todas as regiões da Antártida para obter o quadro mais completo dos impactos das mudanças climáticas até o momento. O derretimento do gelo local já elevou o nível do mar em cerca de 1,3 centímetros desde 1979.  Se mantida a tendência, o descongelamento do continente poderá ser responsável por um maior aumento nos níveis dos oceanos no futuro.

Pesquisadores da UCI e da NASA JPL recentemente conduziram uma avaliação de 40 anos de balanço de massa de gelo na Antártida, encontrando uma deterioração acelerada de sua cobertura de gelo. Joe MacGregor / NASA

A pesquisa mostrou que, entre 1979 e 1990, o continente perdeu, em média, cerca de 40 bilhões de toneladas de gelo por ano. Entre 2009 e 2017, a perda chegou a 252 bilhões de toneladas por ano. Isso fez com que o nível dos mares aumentasse cerca de 3,6 milímetros a cada década.

“Isso é apenas a ponta do iceberg, por assim dizer”, disse o principal autor Eric Rignot, Donald Bren Professor e presidente da ciência do sistema da Terra na UCI. “À medida que o manto de gelo da Antártida continua a derreter, esperamos que a Antártida nos próximos séculos espere uma elevação de vários metros no nível do mar.”

Para este estudo, Rignot e seus colaboradores conduziram o que ele chamou de a mais longa avaliação da massa de gelo antártico remanescente. Abrangendo quatro décadas, o projeto também foi geograficamente abrangente; a equipe de pesquisa examinou 18 regiões abrangendo 176 bacias, bem como ilhas vizinhas.

Contrariando os ”céticos”

A nova pesquisa fornece uma análise das mudanças na perda de gelo em diferentes locais da Antártida e ajuda a entender a confusão que levou alguns céticos da mudanças climáticas a acreditar que o gelo do continente estaria aumentando, diferentemente do apontado pela pesquisa. Alguns estudos anteriores sugeriram que a cobertura de gelo está aumentando no leste do continente com rapidez suficiente para cancelar as perdas da parte oeste mais visíveis, particularmente na extensão do gelo marinho.

A equipe foi capaz de discernir que entre 1979 e 1990, que a Antártida perdeu uma média de 40 gigatoneladas de massa de gelo por ano. (Um gigaton é  1 bilhão de toneladas.) De 2009 a 2017, cerca de 252 gigatoneladas por ano foram perdidas.

O ritmo de fusão aumentou dramaticamente ao longo do período de quatro décadas. De 1979 a 2001, foi uma média de 48 gigatoneladas por ano por década. A taxa saltou 280 por cento, para 134 gigatoneladas, entre 2001 e 2017.  Rignot disse que uma das principais conclusões do projeto é a contribuição da Antártida Oriental para o quadro de perda total de massa de gelo nas últimas décadas.

“O setor da Terra Wilkes na Antártida Oriental, em geral, sempre foi um participante importante na perda de massa, mesmo nos anos 80, como nossa pesquisa mostrou”, disse ele. “Esta região é provavelmente mais sensível ao clima [mudança] do que tem sido tradicionalmente assumido, e isso é importante saber, porque tem mais gelo do que a Antártida Ocidental e a Península Antártica juntos.”

Ele acrescentou que os setores que perdem mais massa de gelo são adjacentes à água quente do oceano. “À medida que o aquecimento do clima e o esgotamento do ozônio envia mais calor oceânico para esses setores, eles continuarão a contribuir para o aumento do nível do mar da Antártida nas próximas décadas”, disse Rignot, que também é cientista sênior do JPL (Jet Propulsion Laboratory) o Laboratório de Propulsão à Jato da NASA.

Os co-autores deste estudo são Jeremie Mouginot, pesquisador associado da UCI na ciência do sistema da Terra; Bernd Scheuchl, cientista de projeto associado da UCI na ciência do sistema terrestre; Mathieu Morlighem, professor associado de Ciência do Sistema Terrestre da UCI; e Michiel van den Broeke e Jan M. “Melchior” van Wessem, da Universidade de Utrecht, Holanda. 

O financiamento e o apoio foram fornecidos pelos programas de ciências e medidas criosféricas da NASA, o programa polar da Organização para Pesquisa Científica da Holanda e o Centro de Ciências do Sistema Terrestre da Holanda.

Links Relacionados


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle Mental. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”

Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

ANGKOR WAT, O MAIOR COMPLEXO DE TEMPLOS DO MUNDO, NO CAMBOJA

Posted by Thoth3126 on 15/01/2019

Tecnologia à Laser descobre uma cidade perdida nas selvas do Camboja, considerada como o maior complexo de templos do mundo

Nas profundezas da selva do Camboja encontram-se os restos de uma vasta cidade medieval que permaneceu escondida até o século XIX, Angkor Wat, foi construída por volta de 1150, continua sendo o maior complexo religioso do planeta, cobrindo uma área quatro vezes maior do que a Cidade do Vaticano.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Tecnologia à Laser descobre uma cidade perdida nas selvas do Camboja, o maior complexo de templos do mundo

Ben Lawrie – BBC Two – Fontehttp://www.bbc.co.uk/

Agora, técnicas modernas de arqueologia estão revelando os segredos dessa cidade misteriosa: uma rede intrincada de templos, largas avenidas e sofisticadas obras de engenharia. E, mais incrível ainda, os arqueólogos encontraram na região uma outra cidade, ainda mais antiga – uma verdadeira “Atlântida” construída em meio à plena selva do Camboja.

Em abril de 1858, um jovem explorador francês, Henri Mouhot, velejou de Londres para o sudeste da Ásia. Durante três anos de viagens, ele pesquisou e identificou exóticos insetos da floresta que ainda hoje carregam seu nome.

Situado no Camboja, Angkor Wat é um complexo de templos de dimensões extraordinárias. Construído no começo do século XII d.C., foi erguido como capital sagrada do império Khmer, onde ficava o centro político e religioso do império. Segundo a lenda, o local foi escolhido para agradar aos deuses e o rei deixou que um boi (animal sagrado para esse povo) escolhesse o lugar.

Mouhot morreu em Laos, em 1861, vítima de uma doença contraída na selva. Muito provavelmente, o nome do explorador teria caído no esquecimento. No entanto, um diário de viagem escrito por ele, narrando suas aventuras, foi publicado dois anos mais tarde.

O livro conquistou o público não apenas por conta de suas representações de aranhas e outros insetos. O diário de Mouhot também continha vívidas descrições de templos invadidos pela floresta, apresentando ao mundo, em todo o seu esplendor, a cidade medieval perdida de Angkor, no Camboja.

“Um desses templos, um rival do templo de Salomão, erguido por um Michelangelo da Antiguidade, mereceria lugar de honra ao lado das nossas mais belas construções. É mais grandioso do que qualquer obra deixada para nós pelos gregos ou romanos”, ele escreveu.

As descrições de Mouhot ajudaram a firmar, na cultura popular, a poderosa fantasia de exploradores às voltas com templos esquecidos.

Hoje, o Camboja é famoso por essas ruínas. A maior, Angkor Wat, construída por volta de 1150, continua sendo o maior complexo religioso do planeta, cobrindo uma área quatro vezes maior do que a Cidade do Vaticano.

A cidade medieval atrai dois milhões de turistas por ano e ocupa lugar de honra na bandeira do Camboja.

Atlântida da Selva

Em 1860, no entanto, Angkor Wat era conhecida apenas por monges e moradores da região. E eles não tinham a menor ideia de que esse grande templo havia sido cercado, um dia, por uma cidade com quase um milhão de habitantes.

Angkor é uma região do Camboja que serviu como sede do Império Khmer, que floresceu aproximadamente entre o século IX e o século XIII. A palavra “Angkor” é derivada do Sânscrito nagara, que significa “cidade”. O período Angkoriano começou em 802 d.C., quando o monarca Khmer Hindu Jayavarman II declarou-se como um “monarca universal” e um “deus-rei”, até 1431, quando invasores Ayutthayan (Tailandês) saquearam a capital Khmer, fazendo a sua população migrar para a zona sul de Phnom Penh.

Foi necessário quase um século de exaustivos estudos arqueológicos de campo para completar o mapa. Aos poucos, a cidade perdida de Angkor começou a ressurgir, rua após rua. Ainda assim, restavam várias lacunas em branco.

No ano passado, arqueólogos anunciaram uma série de novas descobertas sobre Angkor. E disseram ter encontrado uma cidade mais antiga ainda, escondida mais além, nas profundezas da floresta.

Uma equipe internacional, liderada pelo arqueólogo Damian Evans, da Universidade de Sydney, Austrália, tinha mapeado 370 km quadrados em torno de Angkor com uma precisão de detalhes absolutamente sem precedentes. Um feito impressionante, tendo em vista a densidade da floresta e a presença de minas remanescentes da guerra civil no Camboja. Mais notável ainda, o mapeamento foi feito em apenas duas semanas.

Ainda em 1860, Angkor Wat era conhecida apenas por monges e moradores da região. E eles não tinham a menor ideia de que esse grande templo havia sido cercado, um dia, por uma cidade com quase um milhão de habitantes.

O segredo da equipe australiana chama-se Lidar, uma tecnologia que está revolucionando a arqueologia, especialmente nos trópicos. Embutido em um helicóptero que sobrevoou toda a selva do Camboja, o sistema Lidar emitiu um milhão de raios laser a cada quatro segundos, registrando minúsculas variações na topografia do solo.

Os arqueólogos encontraram traços da cidade entalhados no chão da floresta, com templos, ruas e elaborados aquedutos distribuídos pela região.

“Você tem essa espécie de revelação quando coloca os dados na tela pela primeira vez e lá está, essa cidade antiga, com absoluta clareza, bem na sua frente”, disse Evans.  As novas descobertas transformaram profundamente nossa compreensão de Angkor, a maior cidade medieval do mundo.

No seu apogeu, no final do século 12, Angkor era uma metrópole que cobria 1.000 km quadrados. (Para se ter uma ideia, Londres só alcançou esse tamanho 700 anos depois.)

Angkor foi a capital do poderoso império Khmer que, sob o comando de reis guerreiros, dominou aquela região durante séculos. Seu território cobria o que hoje entendemos como Camboja, Vietnã, Laos, Tailândia e Mianmar. Mas suas origens ainda eram mistério.

Inscrições indicavam que o império havia sido fundado no início do século 9 por um grande rei, Jayavarman Segundo, e que a primeira capital, Mahendraparvata, ficava em montanhas a nordeste do ponto onde Angkor seria, mais tarde, construída.

Mas ninguém sabia ao certo – até a chegada da equipe australiana.

Uma análise da área com o auxílio da nova tecnologia revelou tênues vestígios de templos desconhecidos e uma elaborada rede de avenidas, diques e lagos artificiais – uma “Atlântida” na selva.

Mais impressionante ainda foram evidências de obras de engenharia hidráulica de grande escala identificadas pelos sensores – uma marca registrada do império Khmer.

No final do século 9, quando a capital foi transferida para um ponto mais ao sul, onde fica Angkor, engenheiros Khmer já eram capazes de armazenar e distribuir grandes quantidades de preciosa água recolhida durante a estação das monções por meio de uma rede complexa de canais e reservatórios.

A capacidade de armazenar água permitia estabilidade nos suprimentos de alimentos e enriqueceu a elite Khmer.

Durante os três séculos seguintes, essa riqueza financiou a maior concentração de templos da Terra. Um destes, o Preah Khan, construído em 1191, continha 60 toneladas de ouro. Hoje, essa material valeria US$ 3,3 bilhões.

Declínio

Mas apesar de toda essa riqueza, Angkor não foi capaz de derrotar um inimigo inclemente: o clima. No momento em que o programa de construção de templos atingia seu pico, a rede hidráulica, vital para a sustentação da cidade, começou a sofrer por falta de manutenção. No final da Idade Média houve variações dramáticas de clima no sudeste asiático.

Amostras de troncos de árvores registram flutuações repentinas entre secas extremas e chuvas torrenciais. E o mapa produzido pelo sistema Lidar revela os danos catastróficos que as inundações provocaram.

Sem esse mecanismo vital de sustentação, Angkor caiu em declínio e jamais se recuperou. No século 15, os reis Khmer abandonaram a cidade e se mudaram para a costa. Lá, construíram uma nova cidade, Phnom Penh, atual capital do Camboja.

Quando Mouhot chegou, encontrou apenas os grandes templos de pedra, muitos, em ruínas. Praticamente todo o resto – de casas populares a palácios reais, feitos de madeira – havia apodrecido. A metrópole que um dia existira em torno dos templos tinha sido devorada pela floresta.


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br