KRONVIRUSO: LA DETRUADO DE LA EKOSISTEMOJ FARE DE LA HOMARO FACILIGAS EKAPERON DE EPIDEMIOJ (3/3)

Ni protektu la ekosistemojn: temas pri nia memkonservado
Koncerne la Sarson (Severa Akuta Spira Sindromo), kiu ankaŭ trapasis la barilon de la specioj en unu el la bazaroj de freŝaj varoj, la fekaĵoj de vespertoj ebligis al la viruso vastiĝi ĝis epidemio, kiu trafis 8 000 personojn en 2003.
Ni ne kredas, ke tia fenomeno okazas nur en Ĉinio, kie la registaro malpermesis la vendon de tiuj varoj, verŝajne delokante ilian surmerkatigon al kaŝkomerco.
En Argentino, «multaj personoj konsumas sovaĝajn speciojn (fiŝojn, amfibiojn, reptiliojn, birdojn kaj mamulojn) ne sciante, ĉu tiu kutimo riskas estigi transdonon de parazitoj aŭ aliaj malsanoj, ĉar la higienaj kondiĉoj de konsumado de sovaĝaj specioj plu estas necertaj», asertas Claudio Bertonatti, scienca konsilisto de la fondaĵo Félix de Azara. Novaj infektaj fontoj do povas tiel aperi.
Protektado de la ekosistemoj ne temas nur pri ekologia gurdado, ĝi koncernas nian memkonservadon. Kiam la Tero estas malsana, tiam ankaŭ ni estas malsanaj. «Ni ĉesigu pensi, ke ni homoj estas sendependaj de la sistemo, resumas Carlos Zambrana-Torrelio. Ĉar ni konkludas, malprave, ke ni povas transformi, detruadi kaj modifi la medion laŭ nia plaĉo. Ĉiun ŝanĝon, kiun ni trudas al la planedo havas konsekvencon sur nia sano». Ni ĉiuj estas sur la sama planedo. Nia destino estas komuna, kun aŭ sen masko.
Marina Aizen
En la franca:
https://www.courrierinternational.com/article/coronavirus-la-destruction-des-ecosystemes-par-lhumain-favorise-lemergence-depidemies
En la hispana:
http://revistaanfibia.com/cronica/las-nuevas-pandemias-del-planeta-devastado/
https://www.youtube.com/watch?v=XSOgkHt8Zfk

28/03/2020
Kronviruso: la detruado de la ekosistemoj fare de la homaro faciligas ekaperon de epidemioj (1/3)
http://neniammilitointerni.over-blog.com/2020/03/kronviruso-la-detruado-de-la-ekosistemoj-fare-de-la-homaro-faciligas-ekaperon-de-epidemioj-1/3.html

29/03/2020
Kronviruso: la detruado de la ekosistemoj fare de la homaro faciligas ekaperon de epidemioj (2/3)
http://neniammilitointerni.over-blog.com/2020/03/kronviruso-la-detruado-de-la-ekosistemoj-fare-de-la-homaro-faciligas-ekaperon-de-epidemioj-2/3.html

KRONVIRUSO: LA DETRUADO DE LA EKOSISTEMOJ FARE DE LA HOMARO FACILIGAS EKAPERON DE EPIDEMIOJ (2/3)

29/03/2020
Carlos Zambrana-Torrelio insistas:
«Ĉio komenciĝas per senarbarigo. En Borneo, la fragmentigo de la arbara kovrilo nun provokas pliintensiĝon de malario. Kial? Ĉar en malferma spaco, la akvo akumuliĝas en grandaj truoj, kie reproduktiĝas la moskitoj. Tiuj ĉi transdonas la paraziton de la malario al la homoj, kiuj ekspluatas proksime la oleopalmojn».
Se la zoonozaj malsanoj do ne estas novaj, ili efektive kreskas. David Quammen studas la kialojn de tio en sia verko: “Animal Infections and the Next Human Pandemic”. (la bestaj infektoj kaj la estontaj homaj pandemioj – video en la angla)

«Venĝema scenaro»
Sennombrebla homaro, kiu kunloĝas kun brutaro ekstreme nombraj, aldonita al la detruado de la naturaj vivlokoj kaj tumultigataj ekosistemoj: laŭ li, ĉiuj ingrediencoj estas kunigitaj por «venĝema scenaro» de la naturo.
En raportaĵo de la “National Public Radio”, en Usono, Quammen precizigas, ke la homoj estas je origino de ĉiuj zoonozoj:
«Ni tiel multiĝis kaj tiom perturbas la planedon… Ni dehakas la tropikajn arbarojn. Ni neniigas la arbaran vivon. Kiam ni eniras en arbaron, sufiĉas skui arbon, por ke viruso falu».
La ekosistemoj estas kompleksaj interplektiĝoj, kies evoluajn rilatojn ni komprenas parte, danke al paciencaj sciencaj observadoj. Ilia detruado nome de la progreso aŭ simple de la monavideco enhavas malbonfarajn flankojn, pri kiuj ni finfine suferas en niaj korpoj.

Evoluantaj virusoj
Ekzemple, kiam Jair Bolsonaro orgojliĝas pri la brazila suvereneco sur la cindroj de Amazonio, nur restas al ni prognozi, ke la malsano falu sur tiun arbaron, transformitan en zonon de agrikulturo kaj bredado. Priatestas studaĵo publikigita en 2010 en la scienca revuo Emerging Infectious Diseases: la detruado de 4% el la arbaro altigis ĝis 50% la kazojn de malario.
La sovaĝaj specioj ne estas malsanaj pro la virusoj, kiujn ili vehiklas, ĉar ili evoluadis kun ili dum miloj da jaroj.
«Ĉiu besto estas vehiklo de ĉirkaŭ kvindek malsamaj virusoj. Tio estas parto de la sistema dinamiko. Se homoj ne ekzistus, transdonadoj ne ekzistus», asertas Carlos Zambrana-Torrelio.
Fidel Baschetto, bestkuracisto kaj profesoro ĉe la universitato de Kordobo, en Argentino, konfirmas: «La virusoj, kiuj estas novaj por ni ne estas tiaj en la naturo. Necesas do determini, ĉu oni parolas pri ekaperanta malsano, aŭ ekaperanta por la homoj. Multaj virusoj kun-evoluadis kun kelkaj specioj, kaj tiuj lastaj ne suferas malsanon. La patogena agento scias, ke kiam ĝi penetras en novan organismon, ĝi ne devas malsanigi ĝin aŭ almenaŭ ne devas mortigi ĝin. Ĉar la morto de la ricevinto estigas ankaŭ la morton de la patogena agento. Neniu mikro-organismo havas kiel celon la morton de sia ricevinto. Sed ĝis la fino de la evoluado de tiu mikro-organismo, kiu povas daŭri milojn da jaroj, la kunloĝado produktas la malsanon», aldonas la argentina sciencisto.
Marina Aizen
Daŭrigota…
En la franca:
https://www.courrierinternational.com/article/coronavirus-la-destruction-des-ecosystemes-par-lhumain-favorise-lemergence-depidemies
En la hispana:
http://revistaanfibia.com/cronica/las-nuevas-pandemias-del-planeta-devastado/
https://www.youtube.com/watch?v=SuGLiJUIV5k

Mapo pri senarbarigo – kaŭzoj:
Ruĝa: agrikultura aŭ mina industrio, konstruado, ktp…
Flava: migranta agrikulturo
Verda: forsta ekspluatado
Kaŝtankolora: arbaraj fajroj
https://www.nationalgeographic.fr/environment/une-carte-pour-mieux-comprendre-les-causes-de-la-deforestation-mondiale
28/03/2020
Kronviruso: la detruado de la ekosistemoj fare de la homaro faciligas ekaperon de epidemioj (1/3)
http://neniammilitointerni.over-blog.com/2020/03/kronviruso-la-detruado-de-la-ekosistemoj-fare-de-la-homaro-faciligas-ekaperon-de-epidemioj-1/3.html

Blua: urbanigo

KRONVIRUSO: LA DETRUADO DE LA EKOSISTEMOJ FARE DE LA HOMARO FACILIGAS EKAPERON DE EPIDEMIOJ (1/3)

28/03/2020

De pli ol dek jaroj, la sciencistoj «ĉasistoj de virusoj», alarmas pri la ekapero de novaj malsanoj, ligitaj al la senarbarigo. Malario, Ebola malsano, Covid-19… la homa agreso kontraŭ la ekosistemoj fine endanĝerigas la homan vivon.

La ekapero de tiuj surprizaj novaj patogenaj agentoj, kiel la kronviruso respondeca pri la malsano Covid-19, estas nenio alia ol la rezulto de neniigo de la ekosistemoj, pri kio suferas aparte la tropikaj zonoj, kiuj estas detruitaj por cedi la lokon al intensaj industriaj monokulturoj. La ekapero de tiuj malsanoj ankaŭ rezultas de la manipulado kaj fikomerco de la arbaraj faŭno kaj flaŭro, ofte minacitaj je formorto.     

Jam de jaroj la sciencistoj studas la rilatojn inter eksplodo de virusaj malsanoj kaj senarbarigo.

Kiam sur monto, buldozoj surtretas ĉion sur sia pasado, kie svarmas vivo, la fenomeno ne estas videbla: ĝi aperas nur kiam la individuoj suferas strangajn simptomojn kaj malsanojn ĝis nun nekonataj.

Novaj fontoj de epidemioj 

La konstato estas farita en multaj landoj, de Sud-Orienta Azio ĝis Latin-Ameriko, kun specifoj, malfacilaĵoj kaj dinamikoj propraj al ĉiu. Tamen, ĉie temas finfine pri simila kaŭzo: la ekstraktiva koncepto de la vivanta mondo, kiu kondukas la homaron endanĝerigi sian propran ekzistadon. Kaj kontraŭ tio, seninfektilo por la manoj povas nenion.           

Carlos Zambrana-Torrelio estas bolivia esploristo kaj kun-prezidento de EcoHealth Alliance, organizaĵo specialigita en studado pri la rilatoj inter medio kaj ekaperantaj patologioj, kies sidejo estas en Nov-Jorko. Li vizitas la krizajn zonojn de la planedo kaj laboras pri iliaj rilatoj inter si, kaj kun la ekosistemo.

La zoonozoj, tiuj malsanoj transdoneblaj de besto al homo, ĉiam ekzistis, kaj ĉie en la mondo, tamen sen internacia ampleksiĝo – ili ĝenerale estas detenitaj, aŭ ne trovas la necesajn kondiĉojn por disvastiĝi.

Pasintan junion, nova epidemia fonto estis identigita en Bolivio, kaŭzita de la viruso Ĉapare (el la nomo de provinco de la regiono de Koĉabambo, kore la lando).  

Amputado de la tropikaj arbaroj akuzataj    

Tiu ĉi estis identigita por la unua fojo en 2003 en la regiono Koĉabambo, zono senarbarigita profite al rizkampoj, kie la rikolto ĝenerale okazas permane – la kamparanoj, kiuj vivtenas sin per tio, loĝas do proksime de la plantejoj.

Tamen, dek kvin jarojn poste, viro alvenis ĉe la urĝaj servoj de la regiono La-Pazo (pli ol 300 kilometrojn for). Li prezentis simptomojn, kiujn la kuracistoj ne tuj identigis. Neniu scias, kiel la viruso, kiu trafis lin, vojaĝis de la tropikaj rizkampoj ĝis la andaj montoj.              

Carlos Zambrana-Torrelio laboras en Afriko, aparte en Liberio kaj Sieraleono, kie la epidemio Ebola surprizis ĉiujn pro ties vigleco.     

Ankaŭ tie, la unua kaŭzo de malsano estis la fragmentigo de la tropika arbaro: la senarbarigo fakte instigis plurajn speciojn da vespertoj kolektiĝi, en stretaj grupoj, sur la maloftaj restantaj arboj. Tiu kuniĝo de malsamaj specioj, kiuj en kutima medio ne interagadas, kondutis kiel kreskomedio. (La vespertoj estas suspektataj, ke ili estas unu el la rezervejoj de la viruso Ebola) 

Marina Aizen

Daŭrigota…

En la franca:

https://www.courrierinternational.com/article/coronavirus-la-destruction-des-ecosystemes-par-lhumain-favorise-lemergence-depidemies

En la hispana:

http://revistaanfibia.com/cronica/las-nuevas-pandemias-del-planeta-devastado/

SOBRE O COVID – 19 E SUAS CONSEQUÊNCIAS

A sujeição a um vírus desconhecido, para o qual não há nem cura nem vacina, está transformando o mundo numa enorme caserna blindada.

Em um mundo em que era permitida a livre circulação de pessoas, mercadorias e dinheiro, agora cada país em vez de abraçar uma colaboração ainda mais solidária com os demais, tranca suas próprias fronteiras, iludindo-se de forma cínica e infantil que seja possível deter o vírus com barreiras aduaneiras.

Contudo, hoje, mais do que nunca, os soberanismos parecem tentativas fantasiosas contra a globalização. Hoje, mais do que nunca, a difusão da pandemia e sua rápida volta ao mundo demonstraram que deter a globalização é como se opor à força de gravidade. Nosso planeta já é aquela “aldeia global”, unida por infortúnios e pela vontade de viver, precisando de uma direção unitária, capaz de coordenar a ação sinérgica de todos os povos que desejam se salvar.

Talvez tenhamos aprendido que o caso agora é de vida ou morte e que ninguém pode enfrentar sozinho um vírus tão ardiloso e potente. Por isso, são necessários recursos, inteligências, competências, ações e instituições coletivas. Coordenação e coesão geral. É necessária uma cabine de comando, um governo competente que tenha autoridade, uma equipe formada por um vértice político de grande inteligência e apoiada pelos máximos representantes das ciências médicas, da economia, da sociologia, da psicologia social e da comunicação.

Talvez tenhamos aprendido que os fatos e os dados devem prevalecer sobre as opiniões, a competência reconhecida deva prevalecer sobre o simples bom senso, a prudência e a gradualidade das intervenções devem prevalecer às tomadas de decisões arrogantes e à improvisação imprudente. Por outro lado, é necessário tolerar os erros de quem possui a responsabilidade terrível de tomar decisões, líder que deve ser generosamente amparado para que sejam melhoradas.

Talvez tenhamos aprendido que, perante um vírus desconhecido, assim como diante de um problema complexo, as decisões sobre a pandemia não apenas devam ser tomadas pelas pessoas competentes, mas também serem comunicadas de forma unívoca, com autoridade, prontamente, de forma abrangente e clara. Todo o alarmismo, todo o exagero, toda a subestimação é terrível porque confunde as ideias e nos faz perder um tempo precioso. Carência e excesso de informações são parâmetros nocivos.

Talvez tenhamos aprendido que, nos países civilizados, o bem-estar é uma conquista irrenunciável, no país mais rico e mais poderoso do mundo, os EUA, onde o bem-estar é estupidamente mortificado, os suspeitos de Covid-19 precisam desembolsar o equivalente a 1.200 euros pelo teste. O vírus corona, ao se difundir, causaria uma verdadeira hecatombe entre 90 milhões de estadunidenses que, desprovidos de seguro-saúde, seriam cinicamente rejeitados pelos hospitais e clínicas.

Temos de orar, rezar para agradecer aos médicos e a todos os profissionais que estão nessa guerra, entretanto hoje a nossa vida está segregada entre as paredes domésticas. Todos estamos restritos…

De repente, o descanso compulsório em casa nos obrigou de forma inédita ao isolamento total, a uma convivência forçada que para alguns parece agradável e tranquilizadora, mas que para outros é invasiva e até opressora. Os mais sortudos conseguem transformar o ócio depressivo em ócio criativo, conjugando a leitura, o estudo, o lúdico com a parcela de trabalho que é possível desempenhar em regime domiciliar.

Sabíamos teoricamente que essa modalidade de trabalho à distância permite aos trabalhadores uma preciosa economia de tempo, dinheiro, stress e alienação; e às empresas, evita os micro conflitos, despesas na manutenção do local, nessa reclusão, os jovens têm a maior vantagem, graças à sua facilidade com os computadores, enquanto os velhos têm mais vantagem por serem mais independentes, mais acostumados a estarem em casa, fazendo pequenos trabalhos e jogos sedentários, contentando-se com a televisão.

Em todos se insinua o medo de que, mais cedo ou mais tarde, possa terminar o abastecimento dos mantimentos. O colapso da economia torna-se cada vez mais inevitável, já que tanto a produção como o consumo encontram-se em descompasso, o drama é que agora somos todos mais ou menos economistas, mais indo para onde?, diretamente contra um muro…. Estamos a bordo de um bólido sem piloto, sem marcha a ré e sem freios que irá se chocar contra os limites do planeta… Adaptado dos estudos, textos e livros do sociólogo italiano, Domenico de Masi – 82 anos. Avelar Schmidt

ÊXODO DAS GRANDES CIDADES PROVOCADO PELA PANDEMIA DO CORONAVÍRUS [ALGUNS DESPERTAM]

Posted by Thoth3126 on 26/03/2020

Casa nos arredores do Parque Nacional Joshua Tree, interior da Califórnia

O distanciamento social está transformando rapidamente [ao menos parte da] a sociedade como nós a conhecemos. Moradores das grandes cidades estão fazendo as malas e estão indo para as montanhas e zonas rurais no interior em meio à crise do coronavírus.  “Da noite para o dia, o mundo deu uma guinada acentuada na zona do crepúsculo”, disse Gina Grande  ao Los Angeles Times . “Eu tive que sair de lá. Então, segui direto para o escritório do meu chefe e disse: Isso é estranho, mas posso me comunicar do sul da Califórnia?’” 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Na esperança de escapar do coronavírus, os moradores das cidades grandes estão fugindo para o interior, nos desertos e montanhas da Califórnia

Fontes:  Los Angeles Times  –  Zerohedge

Grande, aterrorizada com o rápido surto de COVID-19 em San Francisco, onde trabalha e vive, deixou a área metropolitana de sua segunda casa nos arredores do Parque Nacional Joshua Tree, uma área desértica localizada no sul da Califórnia.

À medida que a pandemia se espalha pelas maiores cidades da Califórnia, demais grandes cidades dos EUA, com seu epicentro em New York, os moradores das grandes cidades estão fugindo de seus ambientes urbanos para comunidades isoladas no deserto de Mojave ou na acidentada Sierra Nevada. A esperança é que uma área remota possa reduzir o risco de transmissão. 

Mas, para alguns, as medidas de distanciamento social impostas pelo governo não apenas limitaram sua mobilidade ao trabalho e / ou até sua capacidade de sair, os moradores de Los Angeles na semana passada foram impedidos de deixar a cidade para casas de veraneio. Em Mammoth Lakes, uma cidade nas montanhas da Sierra Nevada, na Califórnia, proibiu a vinda de não-residentes porque o risco de infecção na pequena comunidade sobrecarregaria rapidamente o sistema hospitalar local e toda a estrutura da pequena cidade. 

A fuga das grandes cidades para as comunidades rurais durante o surto, desencadeada pelo medo, pode vir a ser a próxima tendência mais quente do setor imobiliário que revive os subúrbios moribundos. As famílias, que foram submetidas ao caos nas compras de pânico nas lojas Costco ou a quarentena forçada em seus minúsculos estúdios de 550 pés (167 metros) quadrados, querem a liberdade das comunidades rurais e a segurança da terra que possa alimentá-las em qualquer crise. 

Uma tendência notável está se desenvolvendo: um renascimento de regiões do interior pode estar no horizonte, pois as grandes cidades moribundas são perigosas demais quando tudo muda repentinamente e alguns despertam do seu pesadelo.

Em Joshua Tree, empresas de aluguel de férias disseram que famílias preocupadas de grandes áreas metropolitanas estão alugando aluguéis de curto prazo por semanas e meses após o surto do vírus.  “Acabamos de confirmar dois aluguéis para estadias de longa duração ao longo de três semanas”, disse Josh Sonntag, que opera várias unidades de aluguel na área. “Nos dois casos, o distanciamento social e a capacidade de trabalhar remotamente foram importantes”.

Bryan Wynwood, proprietário da Joshua Tree Modern Real Estate, disse: “Todas as ligações que recebo estão relacionadas ao coronavírus. Algumas delas são de moradores de cidade grande preocupados em ficar presos no centro de uma metrópole que perde o controle de seus serviços públicos básicos, abastecimento, etc. . “

Sam Steinman, 28, é dono de vários aluguéis de curto prazo em Joshua Tree, disse que notou o desespero nas vozes dos moradores da cidade que estão dispostos a pagar o dobro por suas propriedades para escapar do surto nas grandes cidades.  “Já vi esse tipo de medo e desespero em Israel durante ataques com foguetes”, disse Steinman. “Um amigo perguntou recentemente se eu tinha uma arma que ele poderia emprestar. Eu disse que não.”

Árvore Joshus

A pacata Joshua Tree, uma comunidade do deserto a cerca de 200 milhas [320 km] a leste de Los Angeles, foi inundada por pessoas de fora. (Irfan Khan / Los Angeles Times)

E talvez, apenas talvez, o COVID-19 tenha um impacto duradouro nas escolhas feitas pelos moradores da cidade, que acabaram de perceber que suas vidas inteiras podem desabar em uma crise de saúde pública – no entanto, alguns estão fazendo uma corrida louca áreas onde a vida continua como de costume. 

Uma tendência notável está se desenvolvendo: um renascimento de subúrbios moribundos pode estar no horizonte, pois as grandes cidades são perigosas demais quando tudo muda repentinamente. 

Se você deseja fugir de uma área metropolitana, não apenas por causa de uma crise de vírus, mas também porque os preços das casas nas cidades devem sofrer uma grande correção, aqui estão alguns subúrbios acessíveis da América que você pode achar interessante.


As mudanças climáticas que o planeta esta enfrentando são inevitáveis, causarão grandes mudanças e tem como causa FATORES EXTERNOS, algo que muitos cientistas já descobriram. Saiba mais em:


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

PANDEMIA DO CORONAVÍRUS PODE NOS CAPACITAR A EXIGIR MUDANÇAS EM NOSSO MUNDO

Posted by Thoth3126 on 24/03/2020

Enquanto tento passar meu tempo preso na Itália em quarentena e aceitar a “nova normalidade” em meu país, penso frequentemente em minha avó e no seu certificado de graduação de 1943 que já estava em exibição em sua sala de estar. “Victor Emmanuel, rei da Itália e Albânia, imperador da Etiópia”, o certificado proclamando em caracteres floridos “concede o grau de médico a …”.  O documento de graduação em medicina de minha avó é uma prova da resiliência humana e de nossa capacidade em enfrentar as adversidades e superá-las.  “Desde o final da Segunda Guerra Mundial”, como declarou o presidente do Parlamento Europeu David Sassoli  sem rodeios , “não enfrentávamos uma crise tão dramática”

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A pandemia de coronavírus pode nos capacitar a exigir mudanças

A mobilização para combater o vírus mostra que podemos transformar drasticamente nosso sistema e sociedades para combater uma ameaça.

Por Lorenzo Marsili – Fonte: https://www.aljazeera.com/

O fato de uma jovem ter conseguido se formar no auge da Segunda Guerra Mundial, sob uma chuva de bombas caindo, numa Itália fascista, me lembra que os humanos são capazes de realizar grandes coisas em circunstâncias impossíveis.

Um solitário entregador de máscara protetora é visto andando de bicicleta em Campo de Fiori, enquanto a Itália entra em confronto com o coronavírus, Roma, Itália, março de 2020. [Remo Casilli / Reuters]

Penso também nesse certificado de graduação hoje porque é de uma época em que não era “o negócio habitual” na Europa uma mulher jovem se formar em medicina. É de uma época em que uma catástrofe como a segunda guerra mundial veio e mudou tudo. Após o final da Segunda Grande Guerra Mundial, as pessoas que vivem na maioria das democracias ocidentais não enfrentaram outra ameaça grave o suficiente para fazê-las alterar drasticamente a maneira como vivem nas últimas sete décadas. Houve protestos generalizados, crises políticas e alguns desastres naturais, mas, em geral, a vida continuou como de costume para a grande maioria da população. 

Ou seja, até hoje, em 2020. A pandemia do COVID-19 que está assolando o mundo, com a Europa como seu novo epicentro, interrompeu a vida cotidiana no Ocidente de uma maneira que não era vista na história recente.  Obviamente, o nível de devastação não chega nem perto do que nossos avós experimentaram durante as guerras mundiais. No entanto, a vida está parada em muitos países. Lojas, cafés, bares e restaurantes estão fechados. Escolas e universidades estão fechadas. Os aeroportos estão desertos. As ruas das grandes cidades estão vazias. Os distritos comerciais estão vazios. Cafés, bares e restaurantes não abrem. Quase da noite para o dia, as pessoas foram forçadas pelas circunstâncias não previstas a mudarem sua maneira de viver completamente. 

“Desde o final da Segunda Guerra Mundial”, como declarou o presidente do Parlamento Europeu David Sassoli  sem rodeios , “não enfrentávamos uma crise tão dramática”. Até hoje, nós, europeus, assistimos guerras, secas, golpes, revoluções e epidemias à distância e participamos delas apenas remotamente através de apelos, doações e manifestações. Agora, no entanto, a crise está porta de todos, sem exceção e está mudando nossas vidas. Poderia ser uma chance para finalmente tomarmos novas medidas para enfrentar os desafios globais críticos de nosso tempo? 

Nos últimos anos, tem sido repetidamente argumentado que o mundo ocidental não é capaz de mudar seus caminhos e responder com eficiência às ameaças. Enquanto o “dogma neoliberal” dos globalistas  defendia um papel cada vez menor da intervenção pública, as democracias ocidentais pareciam menosprezadas pelo livre mercado e pisoteadas por uma rede de interesses corporativos e os fluxos [cassinos] financeiros. 

Mas a pandemia de coronavírus, e a maneira como a Europa reagiu, aumentaram as esperanças de que uma mudança seja possível. 

O atual governo italiano é a personificação dos problemas enfrentados pelas democracias ocidentais hoje – fracas, caóticas, inepta e muitas vezes inconclusivas. E, no entanto, diante de uma crise existencial, conseguiu impor uma quarentena em todo o país, organizando partes da economia para combater a escassez e reinvestir em serviços públicos. Enquanto isso, o povo italiano, que está tão investido na atual ordem mundial quanto qualquer outra nação ocidental, se uniu e mudou seu modo de vida para ajudar a erradicar o vírus.

Um país profundamente polarizado, liderado por um governo de coalizão fraco, agora está descobrindo reservatórios de poder e resiliência que provavelmente nunca imaginou ter. E o que está acontecendo na Itália não é um caso isolado: a Espanha, por exemplo, acaba de aprovar uma legislação que permite assumir todos os prestadores de serviços de saúde privados do país – outra política que contraria as décadas do fundamentalismo de livre mercado da elite globalista. 

“Vimos que os governos podem agir e as pessoas podem mudar seu comportamento, em um período muito curto”, disse May Boeve, diretor do movimento climático  350.org . E podem fazê-lo contra um modelo econômico que antes parecia impossível de contestar.  Quando as pessoas responderam à ameaça representada pela pandemia, demonstraram que é possível transformar rápida e drasticamente nosso sistema e sociedades.

E se agora levássemos essa consciência além da emergência atual? Essa é uma pergunta urgente, porque há uma grande depressão econômica global no horizonte, talvea a maior de todas da história humana. Potencialmente, pode levar a mais guerras, maior autoritarismo e ainda maior injustiça econômica e social. Ou pode nos capacitar a exigir a necessária transformação de um sistema em crise beirando o colapso.

O argumento para enfrentar a crise climática com urgência semelhante  já está sendo apresentado . De fato, na China, onde se pensa que a poluição causa 1,6 milhão de mortes prematuras por ano, estudos recentes demonstraram que a redução da poluição causada pelo imenso bloqueio de quarentena do COVID-19 pode ter salvado 50.000 vidas. Mudamos a maneira como vivemos, trabalhamos e viajamos para combater essa pandemia. Por que não podemos fazer o mesmo para combater a emergência climática? Por que devemos voltar a um status quo mortal agora que sabemos que está ao nosso alcance transformar a maneira como vivemos e reorganizar nossa economia e sociedade?

Tomemos, por exemplo, nossa dependência de serviços públicos. Após anos de neoliberalismo desenfreado, diante dessa pandemia, percebemos que nossa segurança, bem-estar e prosperidade dependem mais de serviços públicos fortes e bem financiados do que das cooperações multinacionais. Enquanto médicos, enfermeiros e outros bravos trabalhadores de nossos serviços nacionais de saúde trabalham dia e noite para nos salvar, a elite dos donos bilionários de multinacionais escaparam para seus abrigos e bunkers feitos para o apocalipse. A redistribuição da riqueza, a tributação justa, a diminuição dos gastos com armas e o aumento do bem-estar são agora uma questão de segurança nacional.

Estamos vendo o uso do surto global do coronavírus COVID-19 [fabricado em laboratório]  sendo usado em todo o mundo para colapsar mercados e criar instabilidade financeira maciça. 

Ou pegue a questão do trabalho. Como dezenas de milhões de pessoas estão agora migrando para o trabalho remoto em casa, podemos perceber como é desnecessário e ultrapassado nosso conceito atual de trabalho. Em muitos casos, embora obviamente não sejam todos, é possível trabalhar pelo menos em parte sem gastar horas em transportes  poludores.

E, enquanto ficamos em casa, com cuidados com as crianças e produtos de limpeza, estamos redescobrindo a importância absoluta do trabalho de cuidar do outro – uma das contribuições mais subvalorizadas e ignoradas para a sociedade. Esta é uma ocasião para entender que o trabalho de assistência não remunerada e os produtos de limpeza e professores mal pagos são mais valiosos para nossa sociedade do que financiadores de hedge e banqueiros de investimento, perda de tempo com mídia social, e revisar a recompensa econômica que cada um recebe da sociedade. 

A geração de meus avós não apenas se formou sob bombas caindo sobre suas cabeças, mas também passou pela extraordinária transformação que se seguiu à Segunda Guerra Mundial. Eles testemunharam um regime fascista dar lugar a uma democracia próspera; um sistema econômico dramaticamente injusto sendo derrubado e transformado no compromisso social do pós-guerra que construiu o estado de bem-estar social. Eles testemunharam a rejeição oficial do racismo institucional e o surgimento do multiculturalismo.

A crise atual não é tão catastrófica quanto uma guerra mundial. Mas seus efeitos serão amplos e o risco de um colapso econômico e geopolítico total é real. Podemos, no entanto, emergir no final deste túnel escuro com os primeiros vestígios de um novo mundo que estamos criando. A oportunidade está aí para a aproveitarmos, e precisamos começar a trabalhar agora. No mínimo, agora sabemos que temos o poder de fazê-lo.



Estamos vendo o uso do surto global do coronavírus COVID-19 [fabricado em laboratório]  sendo usado em todo o mundo para colapsar mercados e criar instabilidade financeira maciça. George Soros entrou em colapso de todo o sistema financeiro britânico sozinho, com certeza ficou quieto ultimamente, eu me pergunto o que ele tem feito nisso tudo. Aqui na América, acredito que a mídia MSM Pre$$titute e os democratas que eles amam tanto estão trabalhando incansavelmente o tempo todo para armar o COVID-19 para impedir a releição de Trump em novembro. Há anos que estamos avisando que esse dia chegará, já chegou? Fique ligado pois os próximos dias serão eletrizantes.


Você quer mesmo saber como esse coronavírus “surgiu na China” e se espalhou pelo mundo em pouco tempo? Ao pesquisar os arquivos de registros de patentes nos EUA on-line, foi descoberto o registro de uma patente de Coronavírus concedida para o C.D.C. –  Centers for Disease Control and Prevention [se trata do principal instituto nacional de saúde pública dos EUA. O C.D.C. é uma agência federal dos EUA sob o United States Department of Health & Human Services (HHS)] que tem sua sede em Atlanta, Geórgia. Assim emerge um fato indiscutível, o de que o “DONO” DESSE VÍRUS MORTAL E SEU CRIADOR é o PRÓPRIO C.D.C. (Centro de Controle e Prevenção de Doenças)

O coronavírus do surto atual não teve origem na China, mas FOI IMPLANTADO neste país asiático com a clara intenção de causar o maior dano possível aos chineses. A consequência natural, quando  [se já não descobriu] a China perceber que a eclosão do surto pode ter sido um ataque de BIOWEAPON ao seu território e contra seu povo, qual será o tipo de resposta a ser dada pela China aos [ir]responsáveis pela contaminação. Começamos a ano de 2020 com muitos que operam nas sombras desejando aumentar o caos no planeta.

PATENTE de criação de um CORONAVÍRUS fornecida ao CDC (Centers for Disease Control and Prevention)  US7220852B1 – SOBRE A CRIAÇÃO DE CORONAVÍRUS [SARS] ….

Na patente acima, do registro de um CORONAVÍRUS [uma BIOWEAPON], você encontrará 72 páginas de conteúdo para poder julgar esse letal “surto repentino e desconhecido de coronavírus” na ChinaLeia a patente nesse link primeiro, faça o download e compartilhe este artigo amplamente antes que os AGENTES do DEEP STATE a excluam. Mantenha-se sábio, com discernimento e saudável!


“E ouvireis de guerras e de rumores de guerras; olhai, não vos assusteis, porque é mister que isso tudo aconteça, mas ainda não é o fim.  Porquanto se levantará nação contra nação, e reino contra reino, e haverá FOMES, PESTES e TERREMOTOS, em vários lugares. Mas todas estas coisas são [APENAS] o princípio de dores. 

Então vos hão de entregar para serdes atormentados, e matar-vos ão; e sereis odiados de todas as nações por causa do meu nome. Nesse tempo muitos serão escandalizados, e trair-se-ão uns aos outros, e uns aos outros se odiarãoE surgirão muitos FALSOS PROFETAS, e enganarão a muitos. E, por se multiplicar a iniquidade, o amor de muitos esfriará. Mas aquele que perseverar até ao fim, esse será salvo”Mateus 24:6-13


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com