A HISTÓRIA DA HUMANIDADE É MUITO DIFERENTE DAQUILO QUE NOS É CONTADO!

Posted by Thoth3126 on 27/07/2019

Um ponto que gostaria de destacar neste boletim informativo é que, no momento, estamos no pico das águas e no pico do calor, o que significa que podemos estar no período de tempo imediatamente anterior à uma próxima era glacial. Isso significa que as crescentes mudanças climáticas percebidas em todo o planeta está apenas no seu inicio, e devemos nos preparar para o pior, pois a mudança de paradigma é inevitável.

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

A história da atual humanidade é muito diferente daquilo que nos é contado! Temos que ter senso crítico com a “academia e seus eruditos”.

Fonte:  http://www.jimstone.is/newsletters/newsletter1.html

Há abundantes evidências presentes no fundo dos leitos dos oceanos que sugerem que este pode ser o caso. O atual paradigma sugeriu que, durante as eras glaciais, o nível dos oceanos diminuiu apenas cerca de 130 metros. No entanto, acredito que haja evidências abundantes de que os níveis das águas oceânicas caíram cerca de 1000 metros ou mais. Eu gostaria de sugerir que talvez civilizações passadas, incluindo a onipresente Atlântida, tenham sido desenvolvidas em terras secas e originalmente acima do nível dos mares e que foram submersas durante esse período de mudanças de eras.

Toda vez que uma hipótese é declarada, ela precisa se basear em pelo menos algumas evidências que indicam que ela pode estar correta. Essa evidência existe. Há quatro importantes evidências para sustentar a hipótese de que as eras do gelo são muito mais severas e aprisionam muito mais gelo do que o atual. E há, no caso da Groenlândia e do Esquadrão Perdido, evidências diretamente desses tempos modernos que sugerem fortemente que, quando se trata das teorias que cercam a era do gelo, algo está seria e completamente errado.

As quatro evidências que indicam fortemente que as eras do gelo diminuem os níveis do oceano em centenas de metros são:

1-Recifes de coral profundamente submersos. Existem recifes de corais mortos que foram descobertos em todo o mundo a profundidades de 2 km. A explicação convencional é que as mudanças maciças no fundo do mar os levaram a essas profundidades. Eu gostaria de sugerir que, em vez disso, quando os níveis do oceano caem durante as eras glaciais, os recifes se formam nos novos níveis do oceano, que podem ser quilômetros inteiros mais baixos do que onde estão agora. Os níveis oceânicos subseqüentemente sobem muito rapidamente durante os períodos de derretimento e de forma contínua demais para os recifes se manterem e serem formados em todos os níveis intermediários.

2-O fato bem conhecido de que a bacia do Mediterrâneo foi recentemente um deserto, e apenas preenchida com água nos últimos tempos. Devido ao fato de que o estreito de Gibraltar é de apenas 900 metros de profundidade, se o oceano caiu 1000 metros, deixaria o mediterrâneo alto e seco, para se transformar em uma camada de sal até a idade do gelo acabar. Uma vez ocorrido o derretimento glacial, o Mediterrâneo seria preenchido com relativa suavidade, ao invés do cenário de “cascata maciça” atualmente aceito.

3-Uma cidade de estilo asteca comprovada foi encontrada submersa a 750 metros de profundidade (mais de 2.000 pés) da ponta ocidental de Cuba. Não há evidências de um recente terremoto que poderia ter diminuído tanto o nível do terreno. Tudo foi feito (pelo establishment científico, os tais acadêmicos eruditos) para desacreditar essa descoberta, mas as varreduras de sonar realmente provam em detalhes espetaculares que ela está lá, e é idêntica aos sites históricos mais famosos do México.

4-O bloco de gelo da Groenlândia tem uma espessura média de 2000 metros e com locais com até 3.000 metros de espessura, atualmente, sem idade do gelo. Gostaria, portanto, de formular a hipótese de que é tolice afirmar que, durante uma era glacial, o gelo, em média, em toda parte na zona de congelamento, não é pelo menos tão espesso. E essa é toda a espessura que seria necessária para diminuir todos os oceanos terrestres em mais de um quilômetro. Além disso, os aviões do esquadrão perdido que foi finalmente encontrado na Groenlândia, foi encontrado primeiramente a uma profundidade de 265 pés (80 metros), o que é muito mais profundo do que os climatologistas jamais afirmaram ser possível quando a teoria da era do gelo foi desenvolvida por um fator de cerca de 10X. Isso prova que eles não sabiam o que estavam falando de maneira alguma quando as teorias que cercam as eras do gelo foram inventadas. E o erro indica fortemente que as eras do gelo são muito mais severas, com gelo muito mais denso e quedas dos níveis oceânicos muito maiores do que se imaginava.

E agora os fatos, que sustentam fortemente minhas afirmações de hipóteses acima:

Recifes em grandes profundidade são encontrados em todo o mundo a cerca de 2 mil metros de profundidade. Aqui está uma citação chave desta fonte:

Recifes submersos são recifes formados durante períodos de menor nível do mar, que atualmente têm pouco ou nenhum acréscimo moderno na sua estrutura ascendente. Esses recifes são encontrados em profundidades de água de 25 a 2.000m, dependendo de sua configuração tectônica, mas mais comumente entre 40 e 120m. nas margens continentais passivas, acredita-se que eles tenham afundado como resultado de condições ambientais adversas associadas à elevação do nível do mar durante a última deglaciação”.

Meu comentário: eu apostaria que um número razoável de recifes encontrados a 2 quilômetros de profundidade foi o “resultado de condições ambientais hostis associadas à elevação do nível do mar durante a última deglaciação” e não simplesmente a mudanças tectônicas da crosta terrestre.

cidade profundamente submersa ao largo da costa de Cuba que foi descoberta recentemente é outro indicador importante de que as teorias atuais estão erradas.

Vamos dar uma olhada nesta cidade submersa. Ela é muito melhor do que qualquer coisa que eu pensava que ela fosse. Quando comparado a outras cidades deste tipo no México, (mesmo a que circunda o Tula Giants, que é muito menor do que essa) as praças são arenas esportivas que têm um centro maior que um campo de futebol, e podem acomodar bem mais de 10 mil pessoas.

Cidade de estilo asteca foi encontrada submersa a 750 metros de profundidade (mais de 2.000 pés) na ponta ocidental de Cuba.

As pirâmides submersas lá existentes, portanto, têm que ser absolutamente enormes. As civilizações do tipo asteca construíram pirâmides a par com as de Gizé (embora não tão altas), e este é provavelmente um exemplo. A maior e a terceira maior pirâmides do mundo estão no México.

Não há explicação para a existência dessa cidade submersa onde ela está localizada com o modelo da história acadêmica atual que nos é enfiada goela abaixo pelos eruditos especialistas e não há evidência alguma de que uma mudança tectônica tenha causado o seu afundamento a 600 metros abaixo do atual nível do Mar do Caribe. No entanto, há algo que a existência desta cidade explica, e essa é a “lenda (para os “eruditos”) da Atlântida“.

Então vamos dar uma olhada no leito marinho do Atlântico em relevo gráfico de elevação. Com certeza, se água suficiente for removida para expor esta cidade asteca submersa ao largo da costa oeste de Cuba, um local privilegiado para a localização da mitológica Atlântida é de repente bem acima do nível do mar. E, como bônus, a cerâmica foi recuperada dessa área, a mais de trezentos metros abaixo da superfície. Explicação convencional: Era um local de despejo, no oceano, a 500 milhas da costa, onde os navios à vela teriam prazer em navegar para descartar o lixo. SIM. Eles velejariam até lá para jogar lixo no mar. Que ótima explicação! Não perca tempo com um submersível em mar profundo à procura de uma bola de cristal perdida. OBRIGADO.

E eis que há dupla confirmação de outra inundação nos últimos tempos que pode explicar tanto a submersão de Atlântida como a da cidade de estilo “asteca” – o súbito enchimento da bacia do Mediterrâneo. Isso já foi explicado acima. Se a cidade asteca esteve em um momento em terra seca, não há nenhuma opção para o Ma Mediterrâneo existir naquele momento. Teria sido um leito seco e salgado. Os eruditos “sabem” sabem que o Mediterrâneo foi recentemente inundado. As estimativas atuais de quando isso aconteceu estão provavelmente erradas, e devem, em vez disso, ser atreladas diretamente ao período em que a Atlântida e a cidade asteca ao largo de Cuba foram submersas.

Tecnicamente, eles não eram astecas por causa do tempo, mas eles eram as mesmas pessoas do México, o modo e o layout de como a cidade é construída prova isso. Mas sua tecnologia e estilo de construção obviamente sobreviveram.
Então, vamos analisar os números e fazer um pouco de matemática para ver quão severa a idade do gelo realmente precisaria ser para causar isso.

Os números se somam? PODE APOSTAR! Eles certamente fazem.

A primeira coisa que precisamos desmentir é o mito de que as geleiras glaciais deslocaram tanta água do mar que compensaram a queda do nível do mar. Este mapa de profundidade do mar mostra a realidade disso – que o oceano ártico é tão raso que não há água significativa a ser deslocada. A maior parte é muito mais rasa do que as profundezas da cidade asteca afundada e onde eu acho que a Atlântida também estava localizada.

Existem alguns lugares no oceano Ártico que se aproximam de uma milha de profundidade, mas apenas em trincheiras, a média é muito superficial. E se a Groenlândia tiver um bloco de gelo que já tem três quilômetros de espessura, qualquer geleira da idade do gelo situada no topo do oceano Ártico vai ser ancorada solidamente ao fundo do oceano e estender-se por quilômetros acima do nível do mar. Assim, você pode, na maioria das vezes, arranhar o oceano Ártico de qualquer conta do nível do mar subindo devido à presença de geleiras.

Agora, adicione ao oceano Ártico todo o Canadá, grande parte dos Estados Unidos, Europa e Rússia, e cubra tudo isso com uma camada de gelo com 3 quilômetros de espessura, o que a Groenlândia tem hoje. Em seguida, adicione a Antártica, com uma quantidade igual de gelo. Quanto diminuiria o nível do mar por causa desses fatores?

Primeiro, dê uma olhada neste mapa da era do gelo, eu darei as estatísticas sobre isso, e então faça as contas.
Durante a última era glacial, entre 30% e 33% do mundo estava coberto de gelo.

Quando não há idade do gelo, a Terra é aproximadamente 71% coberta pelos oceanos. Os mapas deixam claro que a idade do gelo irá desproporcionalmente diminuir o nível do mar em comparação com a quantidade de água que eles retiram do oceano, porque as regiões polar norte e sul muita terra e águas rasas. O gelo na maior parte não estará flutuando na água.

Quão espessas seriam as calotas de gelo, para diminuir os níveis do oceano em mais de mil metros? Isso obviamente será uma estimativa. Os oceanos cobrem aproximadamente 71% da superfície da Terra, e o oceano ártico é tão raso que pode simplesmente ser chamado de terra durante uma era do gelo. Vamos dar um pouco de crédito por existir antes e não subtrair a quantidade total de sua porcentagem no volume total de água. Durante uma era glacial, aproximadamente 67% do mundo é oceano e terra seca, e 33% é gelo, com grande parte desse gelo cobrindo o que antes era terra. Essa é uma estimativa bastante próxima. Do montante do mundo deixado não coberto pelo gelo (porque há desproporcionalmente mais terra coberta de gelo do que de água), provavelmente cerca de 80% é oceânico, em vez de 71%, mesmo depois de omitirmos o oceano ártico da equação. Portanto, pegue o saldo remanescente anterior da terra que não congela (67%) e subtraia 20% de 67% para saber quanto do mundo não congelado ainda é oceânico. Isso deixa 53,6 por cento de área de superfície (água) para compensar a espessura do gelo em 33 por cento da terra.

Para diminuir os níveis do oceano em 1.000 metros com esses números, os lençóis de gelo durante um era glacial só tiveram uma espessura média de 1.624 quilômetros. Se eles tivessem 3,5 quilômetros de espessura, isso explicaria os recifes de coral ocorrendo a 2 quilômetros de profundidade. Ambos os números estão bem dentro dos limites racionais para a espessura das geleiras durante as eras glaciais, considerando que a camada de gelo na Groenlândia já tem zonas de 3 quilômetros de espessura, com uma espessura média geral de 2 quilômetros.

Provavelmente haverá alguns que alegarão que, porque não há evidências de limpeza glacial em algumas regiões, as geleiras não estavam lá. Isso é uma suposição tola, porque se não houver diferenças de elevação nessas áreas para fazer com que uma geleira flua, não haverá nenhuma limpeza, e sobre aquela grande bacia do oceano Ártico que atuaria como um ponto de ancoragem? Dizer que não congelar seria míope para dizer o mínimo. Tudo na zona congelada estava soterrada sob milhas de gelo, obviamente.

Obviamente, toda a região polar estava totalmente congelada, assim como a Groenlândia é hoje. Assim sendo,
não é de todo improvável pensar que, durante uma era do gelo, a média poderia, de fato, ter sido suficiente para reduzir a profundidade do oceano em bem mais de um quilômetro.

Os recifes de coral, agora mortos, encontrados em até 2 quilômetros de profundidade são “explicados como” mudanças tectônicas “,” mas, se assim for, como o Caribe acabou com uma cidade a 750 metros de profundidade, construída em uma época em que era que presume-se que o Mediterrâneo era uma bacia seca? Você não pode culpar essa coincidência na teoria tectônica, eu vou fazer minhas apostas de que as eras glaciais têm um impacto muito maior sobre os oceanos do que se acreditava, os corais indicam isso, a bolsa de gelo da Groenlândia indica isso, uma cidade profundamente submersa na costa de Cuba indica isto, a história da Atlântida indica isto, uma civilização afundada no canal inglês indica isto, as histórias de uma “grande (o dilúvio em 10.986 a.C.) inundação” indicam isto, mas e o que causaria isto?

Uma violenta erupção da coroa solar chamada de “FLARE SOLAR” EM 24 DE AGOSTO DE 2014, não dirigida para atingir a Terra, caso contrário nossa civilização entraria em colapso. Um evento solar local do tipo micro nova que ocorre regular e recorrentemente no nosso sol, que acontece no pico absoluto de calor que o sol produz, chamado de Ciclo Solar Máximo, que dura em média onze anos, em que a atividade da coroa solar é muito grande com emissões de flares solares, depois seguido por uma queda acentuada na atividade solar, chamada de ciclo solar minimum (o ciclo solar atual em que estamos recentemente iniciando). Um evento solar micro nova dura apenas alguns dias. As repercussões no planeta duram milhares de anos.

A Groenlândia pode nos dizer tudo sobre a rapidez com que uma era do gelo pode se mover com a história dos aviões do Esquadrão Perdido –
Durante a 2ª Guerra Mundial, um esquadrão de aeronaves se perdeu em uma tempestade sobre a Groenlândia e foi forçado a pousar no gelo. Apesar de todas as tripulações do avião terem sobrevivido e terem sido levadas de volta para os EUA, as equipes de busca e recuperação foram enviadas para pegar os aviões logo depois e simplesmente não encontraram mais nada, nem um traço de qualquer aeronave. Para onde eles foram foi um completo mistério e tentativas de recuperá-los cessaram. Naquela época (2ª Guerra Mundial), que muito tempo depois da “teoria da era do gelo” já estava muito bem estabelecida pelos “grandes eruditos” para mudar, eles esperavam que a Groenlândia recebesse apenas um pé (30 cm) ou mais de gelo adicional por ano, mas essa estimativa estava DESLIGADA.

Na realidade, a Groenlândia recebe muito mais neve e gelo por ano que enterrou todos os aviões do esquadrão perdido antes que alguém pudesse voltar para pegá-los. O primeiro avião do esquadrão perdido só foi encontrado 50 anos depois, em 1992, e por um radar de penetração no solo, situado a 265 pés (80,5 metros encoberto) sob o gelo. Isto é, sem dúvida, um marcador mínimo para a rapidez com que uma era do gelo pode acontecer – toda a área que será colocada debaixo de centenas de pés será enterrada além do esquecimento em MUITO menos que uma vida inteira. A Groenlândia é um excelente exemplo das condições que acontecerão e da rapidez com que ocorrerá a próxima era glacial.

Nós não sabemos tudo. Quanto a ciência moderna sabe sobre um ciclo de dezenas de milhares de anos a partir de um período de amostragem de apenas 400 anos ou mais? Aproximadamente tanto quanto você sabe sobre um Wal Mart depois de ser colocado com os olhos vendados e permissão para sentir a mercadoria em um único corredor.

https://img.purch.com/h/1400/aHR0cDovL3d3dy5saXZlc2NpZW5jZS5jb20vaW1hZ2VzL2kvMDAwLzEwMS80NTIvb3JpZ2luYWwvbG9zdC1zcXVhZHJvbi0xOTQyLmpwZz8xNTM1MTM0MDk1

O Esquadrão Perdido de aviões incluiu um grupo de dois bombardeiros B-17 e seis caças P-38 que voavam dos EUA para a Grã-Bretanha em julho de 1942, quando atingiram uma tempestade e desceram na remota Groenlândia. Aqui, uma foto do caça P-38 no gelo. Crédito: Exército dos EUA

Vou, portanto, declarar minha própria hipótese, que acho que está muito mais próxima da realidade do que os estados atuais do paradigma defendido pelos “acadêmicos do establishment científico”:

Eu acredito que a terra tem ciclos enormes que destroem civilizações avançadas. Essas mudanças cíclicas e recorrentes acontecem muito rapidamente para que as civilizações se adaptem e superem eventos cataclísmicos do tipo micro novas que mudam a realidade da noite para o dia, pois também tem conexão com alterações no campo eletromagnético e na alteração dos pólos magnéticos norte sul. Os dados do gelo da Groenlândia deixam claro que praticamente da noite para o dia os Estados Unidos podem ser enterrados sob 10 pés de gelo e neve, seguidos por mais 10 pés no ano seguinte e mais 10 pés no próximo, sem nunca derreter. No final do grande congelamento, acontece o inverso – a água retorna às regiões mais produtivas do mundo, onde as civilizações têm maior probabilidade de florescer e são destruídas novamente pelo processo inverso.


{Nota de Thoth: O que é uma ejeção de massa coronal ou CME-Coronal Mass Ejection? A ANATOMIA DE UM FLARE SOLAR GIGANTE

Os choques resultantes ondulam através do sistema solar e podem interromper satélites e derrubar e destruir redes elétricas na Terra. Durante um FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol), enormes bolhas de gás superaquecido – chamado plasma – são ejetadas do sol. Ao longo de várias horas, bilhões de toneladas de material carregado energeticamente são levantadas da superfície do sol e aceleradas a velocidades superiores a um milhão de milhas por hora.

Isso pode acontecer várias vezes ao dia quando o sol está mais ativo. Durante os períodos mais calmos, as CMEs FLARE SOLAR (CME-Coronal Mass Ejection, Ejeção de Massa Coronal do sol) ocorrem apenas uma vez a cerca de cada cinco dias. O próprio plasma solar é uma nuvem carregada energeticamente de prótons e elétrons levados pelo vento solar.  SAIBA MAIS:

Viajando a um milhão de milhas por hora, a ejeção pode atravessar a distância de 93 milhões de milhas para a Terra em apenas alguns dias. Uma aeronave à jato movendo-se tão rápido poderia levá-lo de Los Angeles a Nova York em 18 segundos. Fim de citação}


Alguém queimou a biblioteca de Alexandria por um motivo. Deixe-me fazer um palpite: Eu aposto que a biblioteca foi queimada para que alguém, uma certa tribo, falsifique, manipule e controle a história a seu favor para fazerem o que eles quiserem. Eles apagaram a existência de Atlântida, e fizeram dela uma “teoria da conspiração”, como se estivessem tentando apagar a civilização ocidental agora, com shows frenéticos de gays, a criação de quantos “gêneros” (masculino e feminino é passado) quiserem juntamente com um massivo programa de eugenia para entorpecer gerações inteiras com injeções que dizem ser “vacinas” contra doenças.

Eu apostaria que a biblioteca de Alexandria falava TUDO SOBRE o fim da era do gelo e a subida maciça do nível do mar, e a submersão de grandes civilizações com a mais famosa sendo a Atlântida, mas provavelmente havia muito mais. Aposto que a biblioteca de Alexandria tinha registros de tecnologia que na época foi também queimada, ninguém mais as entendia, mas hoje, as tecnologias seriam entendidas com clareza e alguém não queria nenhuma futura civilização avançada que pudesse entendê-la.

biblioteca de Alexandria provavelmente tinha um mapa do mundo preciso e um registro completo da América, mas, como agora vemos acontecendo on-line, foi substituído por uma (estúpida teoria da) “terra plana”. Você pode pensar que a multidão que defende a teoria da Terra plana é apenas um bando de malucos, mas eu a vejo como a próxima tentativa de fazer com que as pessoas ignorem totalmente tudo – uma segunda queima do conhecimento da história e o que sobrar é completamente subvertido.

E aquele velho folclore sobre “o homem na lua”? Talvez não seja apenas um padrão que vemos – talvez haja mais nessa história – uma razão para as “cidades na lua” estarem lá – e as pessoas já estão sendo enganadas em negar que nossa civilização tenha ido lá. A destruição da “nova Atlântida”, a nossa civilização, já está bem encaminhada.

E se: O Urim e Tumim da Bíblia fosse um GPS. O oráculo mágico fosse um Ipad. E o pássaro mecânico? O que dizer do satélite “Black Knight” que ainda estava funcionando e agora está sendo destruído? Que tal coisas como o Palladin, que poderia ter sido simplesmente experimentos genéticos que estão vendo resistência agora? Como é que toda essa porcaria mágica do passado, que foi escrita como “mágica”, “mito” e “folclore” existe novamente? Nós temos tudo isso.

Tudo o que foi contado no dito mito e folclore está aqui agora, até a capacidade irrestrita de criar formas de vida diferentes pela experimentação genética. E é claro e óbvio com as tentativas explícitas de destruir os Estados Unidos e a Europa, que alguém quer que esses itens retornem ao reino do folclore, assim como o unicórnio, o dragão (que é geneticamente muito possível, basta combinar uma enguia elétrica) com algo que pode cuspir óleo e usar a eletricidade para acendê-lo) e se TUDO ISSO existiu em algum dia de nosso passado remoto?

Eu não acredito mais na atual teoria da era do gelo. Há muito dado contra isso. Esta obviamente desmascarado. E se não podemos ter um conhecimento real disso, o que mais foi feito em termos de manipulação da nossa história com reflexo direto no que consideramos como a “nossa realidade”?


E o quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, e foi-lhe permitido que abrasasse os homens com fogo. E os homens foram abrasados com grandes calores, e blasfemaram o nome de Deus, que tem poder sobre estas pragas; e não se arrependeram para lhe darem glória” Apocalipse 16:8,9


A Matrix (o SISTEMA de CONTROLE MENTAL): “A Matrix é um sistema de controle, NEO. Esse sistema é o nosso inimigo. Mas quando você está dentro dele, olha em volta, e o que você vê? Empresários, professores, advogados, políticos, carpinteiros, sacerdotes, homens e mulheres… As mesmas mentes das pessoas que estamos tentando despertar.

Mas até que nós consigamos despertá-los, essas pessoas ainda serão parte desse sistema de controle e isso as transformam em nossos inimigos. Você precisa entender, a maioria dessas pessoas não está preparada para ser desconectada da Matrix de Controle. E muitos deles estão tão habituados, tão profunda e desesperadamente dependentes do sistema, que eles vão lutar contra você para proteger o próprio sistema de controle que aprisiona suas mentes …”

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.