ALQUIMIA ESPIRITUAL – LANÇANDO LUZ NUMA CIÊNCIA SECRETA

Posted by Thoth3126 on 16/03/2019

A alquimia espiritual está intimamente ligada ao conhecimento oculto e secreto e muitos que alcançaram esse nível de sabedoria decidiram depois retirar-se, pois descobriram que não estavam prontos para recebê-lo. O propósito da alquimia espiritual é alcançar um estado antigo que permita o acesso às respostas às seguintes questões: “Quem somos? De onde viemos? E Para onde estamos indo?” 

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Muitos dizem que a Kabala descreve a estrada e o destino, mas a alquimia descreve o processo e as transformações necessárias para encontrar as respostas fundamentais.

Fonte: http://www.ancient-origins.net/

Alquimia física a espiritual

A alquimia medieval tem suas origens no Egito à medida que se espalhou desta área para a Europa.  Desde então, a alquimia tem sido frequentemente descrita como “Ars Laboriosa Convertens Humiditate Ignea Metala In Mercuris”(Arte laboriosa de transformar a umidade do metal ardente no Mércurio), referente à transformação da umidade do fogo em mercúrio. Em outras palavras, é a arte de transformar o chumbo em ouro.

Na alquimia espiritual, isso é visto como transformando a “liderança” de uma pessoa em “ouro” espiritual. Os alquimistas costumavam falar da oculta anatomia humana. A energia que circunda o corpo superando suas fronteiras é conhecida como a “aura” e conexões nervosas em um nível sutil, muitas vezes chamado de “chakras”, são dois exemplos dessa anatomia secreta.

A anatomia oculta é um tipo de anatomia humana que não é visível. Isaac Newton é uma famosa figura histórica que provou ser um alquimista. Quando ele morreu, muitos estavam esperando para entrar em seu estudo para fazer seu trabalho em física e matemática. Eles ficaram surpresos ao descobrir que inúmeras obras versavam sobre alquimia e apenas algumas estavam relacionadas à física e à matemática mundanas.

A alquimia espiritual na tradição hindu

A tradição hindu descreve três principais canais energéticos: o Ida, o Pingala e o Sushumna. Além disso, diz que a mente humana é formada por três partes com conexões entre elas. Essas partes são a mente sensorial, a mente intermediária e a mente interior. A tradição hindu também fala de “idades(eras) da humanidade”. Estas são:

  • Krita Yuga (Era de Ouro) quando as pessoas costumavam ser espirituais e inocentes,
  • Treta Yuga (Idade da Prata) quando o conhecimento começa a perder a luz,
  • Dvapara Yuga (Idade do Bronze) quando as guerras começam e, finalmente,
  • Kali Yuga (Idade do Ferro, o nosso atual ciclo, que esta no FIM) quando os seres humanos precisam de transformação interior devido a distanciar-se da luz e desenvolver hábitos e ações muito negativos.

Há também elementos que tornam os seres humanos mais afastados da luz. No cristianismo, esses elementos são chamados de “os sete pecados capitais”. No Tibete são conhecidos como conglomerados psíquicos. No Egito, eles eram conhecidos como os “Demônios vermelhos de Seth”.

A importância do mercúrio e do enxofre

Seth foi o Deus que tentou destronar Osiris. Depois de ser enganado e sacrificado, Osiris voltou à vida como um símbolo da ressurreição de valores positivos. Na Grécia antiga, acreditava-se que os elementos negativos eram invencíveis animais mitológicos; mas os heróis sempre encontraram maneiras de incomodar e superá-los. Como uma recompensa, eles obteriam símbolos das suas capacidades internas. Para alquimistas, esses elementos eram conhecidos como “mercúrio seco”. Isso significava a luta contra algo negativo que vínha de dentro.

Os alquimistas descrevem vários processos alquímicos da seguinte forma: Calcinatio, Solutio (Dissolução), Elementorum (Separatio), Conjuctio, Putrefactio, Coagulatio, Cibatio, Sublimatio, Fermentatio, Exaltatio, Augumentatio e Proiectio (Projeção). Mercúrio é a matéria primordial na alquimia e, como é de cor prata, está ligado à lua.

Ele simboliza todas as energias internas: mental, emocional, instintiva, movente e sexual. Ao usar essas forças, o alquimista pode alcançar a Pedra Filosofal dentro de seu próprio ser. Além disso, como um deus, Mercúrio (Thoth, Hermes) é o “Mensageiro dos deuses” – a ligação entre o humano e o divino.

O enxofre é visto como o fogo secreto. Combinando fogo e água, obtêm-se a Pedra Filosofal. No hinduísmo, diz-se que a elevação da Kundalini deve ser alcançada. No Egito, o mercúrio é combinado com enxofre na forma da serpente (Terra) e águia (Espírito) da coroa do faraó.

A águia, como símbolo do espírito, mostra que o indivíduo atingiu o nível divino do espírito. Ao combinar mercúrio e enxofre, juntamente com o sal, como a energia neutra que une dois pólos opostos, obtemos o Soma Heliakon, os corpos solares, ou seja, um conjunto de valores que anteriormente não existiam.

Na Kabala, os corpos obtidos são os seguintes: Malkuth (físico), Yesod (vital), Hod (astral), Netzah (mental), Tiphereth (causal), Geburah (consciência), Hesed (atman), Binah (espírito santo) Hokmah (filho) e Kether (pai).

O mercúrio impuro deve ser limpo e purificado de tudo o que é ruim (óxidos). Quando este trabalho é feito, certas etapas específicas são ditas para aparecer. Eles são os seguintes: o corvo preto (um pássaro saturno ligado à morte), a pomba branca, a águia amarela e o faisão vermelho. A criatura resultante é o grifo de quatro cores que vive em uma garrafa de vidro fechada.

Um livro de alquimia chamado “Mutus Liber”, o “Livro Mudo”, contém uma série de desenhos alquímicos que precisam ser interpretados para serem entendidos. Há também casos que descrevem símbolos nos sonhos. Uma vez, Jacó supostamente adormeceu e sonhou com uma escada que levava ao céu onde os anjos cantavam. Lá, surgiu uma situação de escolha, e havia duas opções: os humanos podiam usar o orvalho do céu ou não podiam.

A fórmula “Solve Et Coagula” refere-se a dissolver o mercúrio seco (os sete pecados capitais) e o enxofre venenoso (instintos deformados). É assim que se levanta a escada de Jacob (a Kundalini), dependendo do nível de transformação interna. O termo “Coagula” refere-se à obtenção dos corpos dourados.Tendo desenvolvido o To Soma Heliakon, se diz que é capaz de entrar conscientemente na quarta dimensão – as regiões superiores da existência.

Símbolos velando o conhecimento sagrado do homem profano

Os alquimistas usaram todos os tipos de métodos para esconder seus segredos, como um método conhecido como a técnica Notaricon de escrever para trás. Por causa da Inquisição, os alquimistas tiveram que se proteger, escondendo seus conhecimentos sob um véu de símbolos também.

Em linguagem simbólica, ocultista e hermética, um símbolo pode expressar uma frase ou um conceito completo. É por isso que os alquimistas usaram uma ampla gama de símbolos universais. O primeiro desses símbolos foi a cruz. A cruz existe desde a antiguidade. Há muito tempo, na cidade de Veracruz, os espanhóis acompanhados de sacerdotes jesuítas fanáticos queriam espalhar o catolicismo romano e ensinar o significado da “cruz verdadeira” aos habitantes locais. No entanto, quando eles chegaram, os habitantes locais os levaram para as têmporas e mostraram que eles também tinham sua própria cruz, a cruz de Quetzalcoatl.

A serpente é um símbolo com um duplo significado. Na Bíblia, ele é um símbolo negativo da tentação, mas também como positivo na forma da serpente do Êxodo, que foi usado para curar os israelitas. A serpente representa uma força importante no universo. Duas serpentes entrelaçadas simbolizam uma dualidade que deve ser equilibrada, enquanto a cobra maya com duas cabeças pode rastejar em duas direções opostas, para o bem ou para o mal. Outro símbolo de dualidade é o Yin-Yang, que significa feminino-masculino, as duas polaridades opostas que se completam no processo da criação.

O trigo simboliza a sabedoria, enquanto o vinho representa algo que estava em certo estado – fermentado e transformado. Este é outro símbolo para a transformação alquímica. Outros símbolos incluem o selo de Salomão (originário da Índia, onde é conhecido como o SELO DE VISHNU, que representa o quarto chakra, o Anahata, a sede e morada da ALMA) e o labirinto. O labirinto é um símbolo da mente humana. Aqueles que conseguem sair do labirinto são pensados ​​para ter sucesso sobre seu corpo mental inferior, pois conseguem levar a ordem para suas próprias mentes.

A Pedra Filosofal e o Laboratório de Alquimista

A Piedra Filosofal, o Lapis Philosophorum, é acreditado para ser uma pedra com uma forma de cubo perfeita. Na alquimia espiritual, é o símbolo da força interior que transmite a perfeição. O Magnus Opus, a Grande Obra, representa a jornada desde o estado inicial até a fase final, colocando em prática a sabedoria alquímica. Antes da aparição dos alquimistas medievais, o conceito incorporado pela Pedra Filosofal era conhecido como o Velo de Ouro que levou os Argonautas a enfrentar muitos monstros. 

A Pedra Filosofal é dita ser obtida pela purificação do mercúrio. Ao completar a Grande Obra, o alquimista obtém o Donum Dei, o Dom dos deuses, o que significa a capacidade de compreender os mistérios da vida e da morte. Isso resulta na possibilidade de ir além dos limites do bem e do mal.

Na alquimia espiritual, o laboratório do alquimista é um símbolo para o ser humano. A fórmula VITRIOL (Visita Interiore Terrae Rectificando Invenies Ocultum Lapidum) significa visitar as “terras interiores” e encontrar a pedra escondida por retificação. Para representar essa ideia, os alquimistas apresentaram gravuras que descrevem o alquimista trabalhando no “subsolo”. 

Mas o solo parece muito com um crânio humano e é um símbolo da psique humana. O solo filosófico representa a psicologia humana, onde os ensinamentos alcançam e podem fincar raízes e florescer – ou não. O forno do alquimista expressa o interior do corpo humano e seu fogo interno.

Os alquimistas referem-se a duas forças opostas que residem dentro do indivíduo. O orvalho da manhã é coletado e colocado no forno. Dois frutos iguais resultam desse processo. Depois de mais destilações, aparece uma flor com seis pétalas, assim como o selo de Salomão (Vishnu) tem seis cantos. Na Kabala, o número seis representa a indecisão, portanto, este é um momento de escolha do que fazer com o mercúrio. Uma vez que a escolha é feita, outras cristalizações seguem e o deus Saturno devora uma criança representando os chamados “Sete pecados mortais”.

O próximo símbolo é o equilíbrio (escala), que é algo que o alquimista deve alcançar, então o resultado é vazado de duas placas ao mesmo tempo – expressando equilíbrio e precisão.Tudo isso resulta em obter o estado do homem como um rei da natureza. Aqui é onde os símbolos do rei e da rainha são encontrados, juntamente com o arco-íris como o vínculo sagrado entre o homem e o deus. 

Na mitologia nórdica, é preciso caminhar sobre o arco-íris para entrar na cidade dos deuses. Na alquimia espiritual, o arco-íris representa os sete primeiros corpos do To Soma Heliakon. Isto é, quando o indivíduo se torna andrógino em um nível interior com um equilíbrio interior perfeito.

Traços-chave para um alquimista

Para poder passar por todo esse processo, o alquimista precisa de muitas coisas. Primeiro, ele deve trabalhar muito para obter o equilíbrio em suas emoções para obter a Pedra Filosofal, que é a perfeição. Ele deve trabalhar com dedicação, afinco e amor. Então ele precisa controlar as energias, saber quando falar e quando ficar em silêncio – como é falho falar quando alguém deve ficar em silêncio e, como também é falho ficar em silêncio quando se deve falar (ter discernimento).

O alquimista não deve ser impulsionado pelo orgulho porque seu trabalho exige simplicidade e humildade.  Thomas de Kempis costumava dizer sobre si mesmo: “Eu sempre sou o que eu sou”, pois o valor interno nunca muda. O alquimista também precisa ter fé, como disse  Jacó que “a fé sem ações está morta em si mesma”.

Um bom alquimista também pode superar o fracasso sem se tornar deprimido, pois o sucesso e a falha ocorrerão. Ele também precisa ser trabalhador e perseverante (o emblema de todos os alquimistas), pois é preciso viver a alquimia para compreendê-la e atingir a “meta”.

Ouroboros come sua própria cauda. Símbolo do fim de um ciclo !

Quando tudo isso é considerado, o caminho do alquimista atinge seu destino (consumatum est). Isto é expresso pelos Ouroboros, a serpente que morde sua própria cauda para acabar com o ciclo de encarnações em corpos físicos – um símbolo da realização de si mesmo. 

E há também o símbolo do Imperator, o de um homem que ocupa seu lugar mais uma vez como um rei sobre a natureza. O alquimista realizado é seu próprio mestre, ele não está sujeito a influência, mas é continuamente equilibrado e tem poder sobre todas as coisas.

Por  Valda Roric

Referências:

  • Valda Roric – “Da história ao mistério”
  • Valda Roric – “Maravilhas da História e Mitologia”
  • Valda Roric – “Loki – The Trickster Unleashed”

“Conhece-te a ti mesmo e conheceras todo o universo e os deuses, porque se o que tu procuras não encontrares primeiro dentro de ti mesmo, tu não encontrarás em lugar nenhum”.  –  Frase escrita no pórtico do Templo do Oráculo de Delphos, na antiga Grécia.

“A exposição à verdade muda a tua vida, ponto final – seja essa verdade uma revelação sobre a honestidade e integridade pessoal ou se for uma revelação divina que reestrutura o teu lugar no Universo. Por esse motivo é que a maioria (a massa ignorante do Pão e Circo) das pessoas foge da verdade, em vez de se aproximar dela”. {Caroline Myss}


Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.