10 RAZÕES PORQUE OS ANJOS PODEM SER UMA RAÇA ALIENÍGENA IGNORADA PELA CIÊNCIA

29/10/2018 n3m3

66

1anjo-10

Embora possamos ver especificamente a versão cristã desses seres, os anjos são objeto de estudo e admiração em muitas culturas e religiões em todo o mundo. Em sua variante registrada na Bíblia Sagrada, essas criaturas são descritas como seres de extremo poder e força, responsáveis ​​por executar tarefas confiadas por Deus para cumprir Sua vontade divina.

É verdade que, para os céticos, essas histórias são difíceis de acreditar. Mas lembre-se que os livros da Bíblia foram escritos nos tempos antigos, quando o conhecimento sobre os fenômenos universais era muito limitado. Portanto, se procurarmos explicações sólidas e lógicas dos relatos angélicos e compará-los com descobertas científicas e empíricas, a conclusão resultante poderá nos surpreender.

Nesta lista, veremos que, de fato, os anjos poderiam ser formas de vida reais vivendo lá fora, agora mesmo, além de nosso conhecimento atual.

 

10. Eles não são o tipo de formas de vida que os cientistas estão procurando

 

Uma das principais questões colocadas pela humanidade é se existe vida fora do nosso mundo, e agora vivemos em um momento em que esta questão está sendo tomada de forma muito séria.

Até agora, a comunidade científica investiu centenas de milhões de dólares na descoberta de planetas potencialmente habitáveis ​​no espaço, que atualmente são contados em algumas dezenas. No entanto, acontece que, apesar de detectar planetas habitáveis, a busca dos cientistas por formas de vida alienígenas é muito limitada: seu plano é identificar formas de vida baseadas em carbono.

Todas as formas de vida conhecidas pelos seres humanos são baseadas em carbono. A razão para usar esse filtro na pesquisa é óbvia. O problema é que, ao fazer isso, qualquer ser vivo com uma composição diferente provavelmente passará despercebido, e isso inclui as criaturas angélicas plausíveis.

Embora os anjos não sejam forças abstratas, mas na verdade possuam corpos, estudos sobre os textos sagrados mostram que anjos são representados com uma natureza mais próxima da de Deus. Sabemos que Deus é descrito na Bíblia como um espírito, sendo o “espírito” uma espécie de força etérea, presumivelmente energética.

Resumindo, os anjos parecem ser formas de vida compostas de uma substância desconhecida, superior a qualquer tipo de matéria conhecida ou energia. Com tais características, é evidente que os cientistas não seriam capazes de localizar esse tipo de ser, mesmo com suas melhores realizações tecnológicas.

 

9. O Mundo Angélico Está Fora do Universo Visível

A Bíblia afirma que a expansão é composta de três zonas diferentes chamadas “céus”. A primeira é a nossa atmosfera, o segundo céu é o espaço exterior e o terceiro é a morada de Deus. Dadas as características imateriais atribuídas a Deus, entende-se que o último céu se refere a um lugar separado do universo físico.

Também se diz que os anjos estão diante de Deus, portanto, logicamente, essas criaturas também vivem na mesma morada divina ou “Céu”. Se interpretarmos essas histórias, a morada dos anjos poderia ser um reino extra-dimensional, a partir do qual toda a criação material (inclusive a Terra) pode ser vista, mas não o contrário. Como isso pode ser possível?

Há algumas décadas, a ciência formulou a teoria das cordas. Um dos resultados dessa teoria é a possibilidade de que existam múltiplas ‘bolhas cósmicas’: universos paralelos que coabitam dentro de uma expansão maior.  Cada um desses universos pode ter leis físicas diferentes, desafiando nossa compreensão da realidade. Mais recentemente, uma publicação póstuma do célebre físico Stephen Hawking afirmou que poderia haver apenas alguns universos coexistentes.

Talvez, um desses universos seja, na verdade, a morada divina habitada pelos anjos. E pelo fato de sua natureza física desconhecida ser consistente com a descrição dada pela Bíblia sobre este lugar, ele é inacessível para os seres humanos. Por sua vez, a ideia do mundo dos anjos estar fora do nosso universo material apóia o argumento de que os humanos não têm meios de detectar essas criaturas, se existirem.

 

8. Anjos se movem mais rápido que a luz

E continuando na base de que os anjos não são limitados por nossas leis físicas, há outra habilidade espetacular que essas criaturas têm: elas podem se mover a velocidades superluminais.

Na verdade, o fato de serem criaturas imateriais superiores ao nosso mundo físico os liberta de terem um limite de velocidade. Eles são assim diferenciados da matéria em nosso universo, que não pode viajar mais rápido do que a luz no vácuo.

Por exemplo, há uma ocasião contida no nono capítulo do livro de Daniel. O profeta Daniel estava orando a Deus, quando antes mesmo de terminar, um anjo viajou de sua morada fora deste universo para onde o profeta estava. Em comparação, a luz leva mais de um segundo para viajar da Lua à Terra, mas este anjo percorreu distâncias incalculáveis ​​(de um universo para outro; você faça as contas) em um piscar de olhos.

Foi especulado há décadas que talvez haja um tipo de matéria capaz de superar a velocidade da luz. Partículas teóricas chamadas táquions poderiam se mover mais rápido que a luz no vácuo, o que torna difícil para os cientistas detectá-las. Se essas partículas deixam a luz para trás – semelhante a um avião quebrando a barreira do som – é impossível perceber em tempo real os meios atualmente disponíveis. O mesmo se aplica às criaturas angélicas; talvez elas estejam se movendo de um lugar para outro agora, e não podemos nem percebê-las.

 

7. Interagem com a raça humana somente quando necessário

O capítulo 19 de Gênesis descreve a famosa história em que dois anjos destroem as cidades de Sodoma e Gomorra, com uma chuva de fogo e enxofre. Curiosamente, cientistas da Universidade de Bristol (Inglaterra) decifraram um antigo mapa estelar assírio, que aponta para a queda de um suposto meteoro sobre os Alpes em 3123 aC. Usando simulações de computador, os cientistas também notaram que a queima de detritos do impacto poderia ter chovido sobre o Oriente Médio. Esta é a área onde se acredita que Sodoma e Gomorra existiram.

Por outro lado, Isaías 37: 36, 37 registra uma ocasião em que um anjo destruiu o exército assírio do rei Senaqueribe, após a qual este cessou de sitiar a cidade de Jerusalém.  Sobre esta situação, o historiador judeu Flavius ​​Josephus mencionou durante o primeiro século: “Deus enviou uma enfermidade pestilenta sobre o seu exército: e na primeira noite do cerco uma centena de oitenta e cinco mil [. . . foram destruídos.” Por sua vez, o famoso Prisma de Senaqueribe, escrito no século VII aC, registra as vitórias do rei sobre as cidades inimigas, exceto contra Jerusalém.

Essas e outras descobertas arqueológicas mostram que os relatos bíblicos dos anjos na Terra têm um componente muito real em suas histórias. Essas coisas deixam em aberto a possibilidade de que esses seres tenham realmente interagido com nossa raça. Além disso, em ambas as histórias, os anjos agiram como último recurso em situações que exigiam uma solução urgente. Claramente, os anjos manifestam-se apenas em ocasiões específicas da história humana, quando a situação os exige, após o que desaparecem novamente.

 

6. O modo invisível dos anjos

O capítulo 22 de Números conta a história de um homem chamado Balaão, que, por ordem de um rei estrangeiro, ia amaldiçoar o exército de Israel. Então, quando ele foi ao encontro do rei, um anjo entrou em seu caminho e não o deixou continuar sua viagem. Sem ver o anjo, Balaão culpou o animal que ele estava montando e o bateu. De repente, o anjo tornou-se visível na frente do homem, e então Balaão compreendeu a gravidade do assunto.

Parece que as criaturas angélicas preferem observar as ações humanas em segredo, escondidas à vista graças a uma capacidade física superior que lhes permite entrar ou sair do espectro visível. Isso não é tão improvável, já que os cientistas descobriram que existem várias maneiras de realmente alcançar a invisibilidade.

Um objeto pode ser invisível, por exemplo, cobrindo-o com camadas de materiais (especificamente chamados de ‘metamateriais’) capazes de dobrar a luz, ou fazendo ressonar em certas frequências com o uso de ondas eletromagnéticas. Portanto, se a invisibilidade é plausível para os humanos, é evidente que a raça angélica mencionada também poderia desenvolver uma habilidade desse tipo.

 

5 Eles já existem desde muito antes de nós

Tanto o ponto anterior quanto o seguinte estão relacionados a uma formulação científica conhecida como a hipótese do zoológico. Esta hipótese sugere que, talvez, uma raça alienígena avançada evite deliberadamente o contato com humanos, enquanto secretamente nos observa evoluir com o tempo.

Em Jó 38: 4-7, Deus explica ao Seu servo humano que, quando a Terra foi formada, os anjos, descritos como “estrelas da manhã”, comemoram com alegria tal evento. Esta declaração mostra que os anjos são criaturas diferentes dos humanos, únicos em si mesmos e em existência muito antes do surgimento dos primeiros seres humanos na Terra.

Esta também parece ser outra razão pela qual os anjos não se manifestam diante da raça humana. Tudo aponta para o fato de que os anjos nos viram durante toda a nossa história e, portanto, conhecem muito bem o comportamento humano. De certa forma, já somos previsíveis para eles, para que eles saibam bem como permanecer escondidos de nossa visão.

 

4. Eles compreendem uma espécie própria

Os textos sagrados mencionam pelo menos quatro tipos diferentes de anjos, cada um com características físicas específicas e um propósito específico. Primeiro, temos os serafins, os anjos mais próximos da presença de Deus. Eles têm seis asas, e seu nome (hebraico: serafins, ‘aqueles que queimam’) implica que os serafins podem ter uma aparência incandescente, como o fogo.

Então há os querubins, anjos protetores da morada divina. A envergadura de suas asas é equivalente à altura dos próprios anjos, e também é dito que eles são bonitos na aparência.

Mensageiros angélicos representam o resto de sua população e realizam todo tipo de tarefas através do cosmo – desde enviar mensagens divinas a proteger ou destruir pessoas.

Acima de todos os tipos descritos de anjos, existe o arcanjo. Esse tipo de criatura é explicitamente mencionado apenas duas vezes ao longo da Bíblia e no singular. Por isso e pela etimologia de seu nome (‘anjo-chefe’), entendemos que há apenas um arcanjo de cada vez, cuja presença lhe dá o direito de governar todos os outros anjos.

Com base nessa classificação, podemos ver que os anjos são divididos em grupos de acordo com sua aparência e posição. Assim como há humanos com variações em sua genética e sexo, parece que os anjos também têm diferenças notáveis ​​entre si. Este é um aspecto que os descreve mais como uma espécie real, em vez de um grupo isolado de criaturas.

 

3. A população angélica poderia ser enorme

Seguindo a linha do item anterior, outra evidência para os anjos sendo uma verdadeira espécie é o número de sua população. Muitas espécies são limitadas em seu crescimento por coisas como o meio ambiente ou a genética. E, no entanto, já vimos que os anjos não parecem ter problemas com isso. Na Bíblia, os anjos são mencionados menos de 300 vezes, mas quantos deles estão lá, na verdade? Bem, a própria Bíblia também dá a resposta.

No quinto capítulo de Apocalipse, o último livro da Bíblia, o apóstolo João tem uma visão do reino celestial no qual as criaturas angélicas vivem. Até onde João pode ver, o número de tais criaturas chega a “milhares de milhares”. Certas versões da Bíblia que traduzem os textos originais de maneira literal usam o termo “miríades de miríades”. Esta frase é originária do grego e é traduzida literalmente como “dez mil vezes dez mil”.

Isso prova que a chamada “região invisível” é habitada por pelo menos centenas de milhões de seres angélicos individuais. Assim, a partir do material bíblico, pode-se interpretar que os anjos não existem em pequenas quantidades, como se o propósito deles fosse limitado. Pelo contrário, eles parecem ser uma espécie individual ou algum outro tipo de população, com liberdade de desenvolvimento e livre arbítrio.

 

2. Sua forma de comunicação é superior à nossa?

Repetidamente em toda a Bíblia, é mostrado como os anjos tiveram conversas com os humanos em línguas terrenas. Mas é de se esperar que, como seres extraterrestres, os anjos tenham sua própria forma de comunicação diferente das línguas da Terra. A Bíblia oferece evidência de que este é o caso? Sim, e também aponta que o seu modo de comunicar está muito além do nosso alcance.

Em Isaías 55: 9, Deus disse que Seus “modos e pensamentos” são superiores aos dos humanos, o que obviamente inclui a Sua linguagem. E em sua primeira carta aos coríntios, o apóstolo Paulo – que afirmava ter tido contato direto com os anjos – fez uma distinção entre as “línguas dos homens” e as “línguas dos anjos”. Isso denota que os anjos têm uma linguagem que não pertence à natureza humana.

Então, tendo estabelecido que os anjos têm sua própria língua, como seria ela? Bem, uma resposta pode ser as visões registradas em várias partes do Novo Testamento, quando pessoas plenamente lúcidas contemplavam imagens impossíveis de serem recriadas na realidade. Tais eventos soam similares aos efeitos de um processo conhecido como estimulação magnética transcraniana (TMS), que pode ser utilizada para deliberadamente introduzir imagens na mente humana através do uso de radiação eletromagnética.

Assim, as criaturas angélicas não só se comunicam entre si com uma linguagem diferente, mas essa linguagem está além da capacidade de aprendizado dos seres humanos.

 

1. Anjos podem proteger nosso universo em segredo

Nos últimos anos, cientistas descobriram que algum tipo de força misteriosa chamada “energia escura” está acelerando a expansão do universo. No entanto, pesquisas ainda mais recentes mostram que essa energia escura diminui ou aumenta, dependendo do momento, desafiando até mesmo as leis físicas bem conhecidas. Parece que essa força “brinca” com a estrutura universal em certo sentido, e a comunidade científica ainda não sabe exatamente o que é essa manifestação energética.

No texto bíblico de Jó 38:31, Deus pergunta ao Seu servo, “Você será capaz de unir as estrelas brilhantes das Plêiades?” Pelo contexto, o Criador afirma que Ele é aquele que mantém a ordem do universo à vontade, com a possibilidade de modificá-la como necessário.

As sagradas escrituras também afirmam que os anjos são capazes de controlar elementos naturais a seu critério. Então, os anjos poderiam ser a chamada energia escura que confunde os cientistas e controla a expansão cósmica? Não está claro, mas se for assim, isso explica por que a força desconhecida que molda o universo flutua quase deliberadamente. Talvez os anjos estejam lá fora, mantendo a ordem do universo material, e nem sequer nos damos conta disso.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.