INDÍGENAS DAS AMÉRICAS ADMITEM SUA ORIGEM NÃO TERRESTRE

Posted by Thoth3126 on 30/08/2018

pele-vermelha

Indígenas de todo o mundo têm mantido pacífica e longeva relação com Extraterrestres, mas poucos são os líderes tribais que admitem isso. O silêncio, explicam, é em respeito aos seus “amigos cósmicos”.   

A cidade de Wagner, em Dakota do Sul, Estados Unidos, é palco de um acontecimento de importância histórica.  Por 15 anos seguidos a reserva Yankton dos índios Sioux tem sediado um dos mais concorridos eventos na área ufológica dos EUA...

Edição e imagens: Thoth3126@protonmail.ch

Indígenas das Américas Admitem Sua Origem NÃO TERRESTRE

Trata-se de um grande encontro entre os líderes de tribos indígenas norte-americanas e de todo o mundo, chamado Star Knowledge, a conferência sobre o conhecimento das estrelas. O evento é organizado por uma comitiva de índios chefiada pelo líder místico Standing Elk [Alce em Pé], da tribo Lakota. Standing Elk teve a ideia do encontro após uma visão em que lhe foi revelado que o conhecimento espiritual dos índios nativos dos EUA tinha grande relação com o que chama de “Nações das Estrelas”, os seres extraterrestres.

 

O chefe Lakota crê ainda que tal conhecimento deva ser compartilhado com outros povos da Terra e por isso convoca, a cada ano, indígenas de todo o planeta para trocarem informações e experiências.

A conferência é sempre organizada em obediência às profecias dos sábios das tribos Lakota e Hopi, mas até hoje não recebeu nenhum enviado das tribos brasileiras. Nos últimos eventos estiveram presentes indígenas místicos e espirituais da facção denominada Plains [Habitantes das Planícies], que compreende as tribos dos Lakota, Oglala, Dakota, Black Foot e Nakota, assim como os representantes orientais das nações Iroquoi, Oneida, Seneca e Choctaw, e os líderes dos grupos que habitam a faixa meridional dos Estados Unidos, Hopi, Yaqui e Mayan.

Dentre os chefes das tribos que compareceram anualmente ao encontro é importante destacar a presença do místico Maori, da Nova Zelândia, e da líder espiritual do povo Sammi, do Lapão. Standing Elk [Alce em Pé], líder místico da tribo Lakota Também participam ativamente do evento pesquisadores, antropólogos e ufólogos norte-americanos e europeus.

Entre eles está o ex-sargento da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN) Robert O. Dean, o contatado e escritor Whitley Strieber, o psicólogo Richard Boylan, os professores universitários Leo Sprinkle e Courtney Brown, o contatado e estigmatizado Giorgio Bongiovanni, o investigador alemão Michael Hesemann, o ex-funcionário da CIA Derrel Sims, a contatada Marylin Carlson e o investigador Randolph Winters, entre vários outros curiosos e interessados na temática. O psiquiatra da Universidade de Harvard doutor John Mack, recentemente falecido, era figura constante nos eventos indígenas. 

O objetivo das conferências é divulgar de maneira mais clara e ampla as tradições e os conhecimentos indígenas dos nativos norte-americanos – os peles-vermelhas –, que até o início dessa série de eventos somente eram mencionadas dentro do próprio grupo.

Todos os participantes deste acontecimento, ao longo dos 15 anos em que vem sendo realizado, têm plena consciência de que os desastrosos acontecimentos que ocorrem hoje em várias partes do mundo já haviam sido anunciados aos nativos através de antigas profecias de suas tribos.

Se já era conhecimento deles as mudanças pelas quais a Terra irá passar, decidiu-se através destes eventos difundir as profecias indígenas para o restante da população planetária. De acordo com o que foi discutido no último evento, por exemplo, a origem de vários grupos nativos dos EUA é considerada pelos próprios como de procedência extraterrestre, pois suas culturas são fortemente influenciadas pelos ensinamentos transmitidos pelo que chamam de “Povos das Estrelas”, quando em “visitas” aos peles-vermelhas. 

A mais importante das profecias é seguramente a que se refere à iminente manifestação sobre a Terra das civilizações alienígenas, o que os indígenas acreditam que deverá acontecer muito brevemente. O idealizador do evento e guardião do chamado “altar da nação da estrela de seis pontos”, Standing Elk, revelou em sua apresentação que “os homens remediadores” – uma espécie de líderes místicos de cada tribo –, têm a capacidade de comunicar-se com entidades espirituais da Mãe-Terra, como a águia, o alce, o coiote e principalmente com seres provenientes das Nações das Estrelas.

Este poder de transmissão constituiria, segundo ele, uma séria ameaça para as instituições religiosas, econômicas, políticas e governamentais do planeta, pois civilizações do Universo estariam entrando em contato com os peles-vermelhas através de métodos espirituais – o que é abominado pelo governo dos EUA.

 

Segundo Standing, as Nações das Estrelas, como se sabe há milênios, não adotam qualquer sistema monetário em seus planetas, porque sua estrutura social é baseada em práticas mentais, espirituais e universais. Ele vê com apreensão o risco de colapso nos métodos financeiros mundiais, especialmente dentro dos Estados Unidos, e das instituições religiosas.

Este é o motivo principal que induziu os donos do poder a considerar ilegal o credo das tribos Lakota e Dakota, banindo suas tradições culturais seculares. A censura valeu até o momento em que o ex-presidente Jimmy Carter promulgou, em agosto de 1978, uma lei que reconhecia a capacidade de os nativos terem suas próprias formas de religiosidade – conhecida como Ato para a Liberdade de Religião.

Nos anos que precederam a promulgação da lei, o governo dos Estados Unidos punia os líderes espirituais com severidade, chegando a condená-los a mais de trinta anos de detenção caso fossem vistos ou se realizassem atos de prece às Nações das Estrelas durante as cerimônias tradicionais celebradas em sua língua original.

Para cristianizar os pagãos, os EUA cortavam as rações de comida necessárias à sobrevivência dos peles-vermelhas. Usavam este meio para constranger os nativos a aprender o modo do viver de um cristão”, explicou Standing. Com isso, impediam que se alastrasse sua cultura tradicional, que os levou a crer que eram descendentes de seres não-terrestres.

De acordo com o líder da nação Lakota, as pessoas que se esforçavam para preservar seus ritos místicos e sua cultura eram privadas do fornecimento de comida por vários meses. “E quem realmente executava essas barbaridades, inclusive com crianças” – conforme declarou em cerimônia durante um dos últimos eventos da série – “eram chefes religiosos e não propriamente as autoridades do governo norte-americano”.

Por estes motivos e pela tentativa do homem branco em explorar o conhecimento dos homens das estrelas apenas por interesses de caráter econômico, os líderes espirituais das tribos indígenas decidiram manter a mais total discrição em relação aos seus conhecimentos cósmicos, informando aos seus descendentes somente o que fosse necessário para a construção de seu espírito. Isso vem acontecendo gradativamente, há muitos anos.

A Degradação ambiental atual, segundo Standing Elk: chegou-se a um nível de degradação ambiental suficiente para induzir os povos das estrelas a instruírem os homens remediadores a defenderem a mensagem que representa a chave da salvação da humanidade. Ele citou como exemplo de confirmação desta realidade que, quando criança, foi testemunha de avistamento de UFOs variadas vezes, “mas sempre com um propósito,” declarou. Num desses casos, viu quatro esferas luminosas de cor verde sobrevoarem por alguns instantes a área próxima ao Rio Missouri e, de dentro delas, saírem seres alienígenas.

Em uma outra ocasião, teve a extraordinária oportunidade de ver bem de perto uma destas entidades. O ET vestia-se de branco, tinha cerca de 2,10 m de altura e o seu aspecto recordava um homem de origem caucasiana (um ariano branco). O líder espiritual dos Lakota relatou também que uma vez visitou o interior de um disco voador. A aeronave era cheia de luz e continha aparatos similares aos computadores atuais. Como esse, os lakotas têm tido inúmeras experiências de contatos com seres extraterrestres. 

Povos das Plêiades:

  Standing Elk cita em suas palestras vários depoimentos por ele obtidos através de outros líderes espirituais. De acordo com sua pesquisa, existiriam e existem no universo inúmeras raças alienígenas. As lendas dos índios da nação Sioux falam de civilizações provenientes das Plêiades e dos sistemas estelares de Sírius e Órion.

Um homem mediador da tribo dos Sioux relatou a Standing Elk um encontro que teve com um ser pertencente à raça por nós definida como Greys, os cinzas. O fato teria ocorrido durante um rito de purificação e iniciação que se desenvolve no interior de uma tenda indígena, onde são exaltados os quatro elementos da natureza – terra, ar, água e fogo. Outro detalhe interessante mencionado pelo líder dos Lakotas diz respeito aos símbolos encontrados nos destroços do UFO acidentado em Roswell.

Segundo ele, cada um daqueles criptogramas tinha dois significados, referindo-se um às lendas universais e, o outro, às espirituais. “Vários de nossos irmãos nativos estiveram próximos do local (Roswell) da queda das espaçonaves e se sensibilizaram com os mortos”, disse.

A exposição dos pensamentos de Standing Elk é seguida pela do conselheiro espiritual da nação Oglala, Floyd Hand já plenamente aculturado, que fala dos seres denominados de avatares. Tais figuras, semelhantes aos mestres Jesus, Buddha e Maomé, seriam entidades de proveniência extraterrestre que assumiriam vários formatos. A lenda da Mulher Búfalo Branco, por exemplo, é um deles. Ela sempre se manifestou aos peles-vermelhas em diversos momentos históricos, dando-lhes ciência de fatos a acontecer no futuro, a maioria dos quais foram confirmados depois.

A lenda do Búfalo Branco fala de um ser feminino, uma mulher  que apareceu em épocas antigas e que instruiu o povo nativo através de um meio de conhecimento do tipo universal. Sua presença entre os peles-vermelhas veio a influenciar de maneira notável seus modelos de vida social. Hand explica que os indígenas da Terra provêm de sete diferentes raças extraterrestres.

Segundo ele, o povo das estrelas retornará à Terra brevemente e tal acontecimento será precedido por algumas mudanças. A primeira delas está estreitamente ligada aos fenômenos naturais, como as inundações, terremotos e incêndios florestais.  

Os índios Xikrin, uma das muitas facções da nação Kayapó, do Alto Xingu, no Brasil, eles acreditam ser descendentes de seres espaciais e ainda realizam rituais em homenagem a eles. “Nos próximos anos, grande parte do território mundial sofrerá uma seca extremamente intensa e se registrará um considerável aumento de mortes devido à falta de alimentos”, declarou Hand. 

Os fenômenos El Niño e La Niña são confirmações indiretas de tal profecia e voltarão a se repetir no futuro, cada vez com mais intensidade. A morte de milhares de africanos, todos os dias, pelas doenças e pela fome há tantos anos, também se mostra como uma verificação da terrível previsão. Hand disse que os nativos peles-vermelhas chamam os Estados Unidos de “Ilha das Tartarugas”, pois este animal é considerado sagrado pela maior parte das antigas culturas centro-americanas.

Os índios HOPI, por exemplo, celebram até hoje um ritual denominado Festa da Dança das Tartarugas, durante o qual são entoados cantos em honra de dois Katchinas, seres celestiais provenientes das estrelas à Terra montados em uma enorme tartaruga, segundo os nativos. Também em outros países encontramos nações indígenas que crêem que a Terra tem o formato de uma grande tartaruga.

De maneira geral, todos os líderes espirituais que participam anualmente do Star Knowledge enfatizam a importância em se acreditar nos UFOs. Harry Charger, ancião Lakota, concentra seus ensinamentos aos presentes explicando a tradição do seu povo. Charger falou de numerosas visitas que extraterrestres teriam feito aos índios durante os rituais de iniciação – chamados de Sweat Lodge.

Ele declara abertamente que as Nações das Estrelas estão preocupadas com a situação desastrosa pela qual atravessa o planeta Terra, devido às operações destrutivas do homem branco. O ancião afirma também que os irmãos estelares visitam sua tribo indígena há tempos, e que ele se habituou desde pequeno com a ideia de que o homem não era o único habitante do universo. Charger narra ainda uma lenda que tem como protagonista uma jovem e belíssima mulher, que aparecera a dois exploradores Lakota e transmitiu a eles seus preciosos ensinamentos espirituais.

Um dos homens, entretanto, tentou seduzir a misteriosa mulher e acabou morrendo. O outro, pelo contrário, prestou respeitosa atenção e divulgou ao seu povo as inestimáveis pérolas de conhecimento recebidas. Charger faz questão de deixar no ar uma pergunta: “Qual será a reação de cada um de nós quando o povo das estrelas retornar à Terra?”

Mas não foram somente os chefes místicos das tribos que se pronunciam no competido evento. O nativo Lakota Steve Red Buffalo, um estudioso que não participa do grupo espiritual de seu povo ativamente, defende que os Lakota provêm da Constelação das Plêiades. Fala também do Chanupa, o sagrado cachimbo que simboliza a união entre a Terra e o céu. “A Terra é representada pela cavidade do cachimbo e o céu é o canal oco do mesmo, através do qual a fumaça é aspirada para depois ser expirada na direção do espaço”, comparou Red Buffalo.

Com essa linha de abordagem, no último evento da Star Knowledge, o líder espiritual dos Dakota, Wambdi Wicasa [Homem Cervo], despertou o interesse de todos fornecendo uma interpretação totalmente nova para os círculos ingleses nas plantações (Crop Circles), em especial a um encontrado a 120 km de Londres, em junho de 1995.

Segundo ele, a formação tratava-se de um pictograma composto por cinco círculos concêntricos que representam a vida. A circunferência externa correspondia às Nações das Estrelas, enquanto que as mais internas representavam os quatro povos da Terra. Segundo a cultura dos indígenas norte-americanos, cada raça do planeta representa um dos quatro elementos da natureza. A branca simboliza o fogo e a negra, a água.

Os povos amarelos são representados pelo ar e os vermelhos, pela terra. Wicasa acredita que as quatro raças primordiais terrestres, esquecendo-se quais foram seus papéis e quais elementos representavam, cometeram graves erros e geraram a desastrosa situação de degradação ambiental em que estamos vivendo.  

O espírito que me encontrou disse que toda a humanidade deveria ter recebido a mesma cultura que os povos indígenas. Como isto não aconteceu, os homens das estrelas estarão coagidos a intervir para restabelecer o equilíbrio físico e espiritual do planeta. Nosso tempo está desde já alcançando seu término. Logo não mais existirão automóveis, televisores ou qualquer outro bem industrial. A Terra está prestes a entrar na quinta era. Mas antes de unir-se à dimensão espiritual, deverá viver novas e diversas épocas”, garante Wicasa.

Descendentes de extraterrestres a tribo dos Choctaw também se pronuncia com energia nas edições do Star Knowledge e da última vez o fez através de seu representante Preston Scott, que também defende que os nativos do planeta sejam descendentes de povos extraterrestres. Scott conta a história de um jovem índio que recebeu energia de um raio de luz, fazendo a indicação de que se tratava de uma nave.

Para o povo Heyoka, aliado secular dos índios Choctaw, tal acontecimento é visto como uma espécie de batismo espiritual – que, para o homem branco, é a chamada abdução. Scott narra abertamente um encontro que teve com três seres extraplanetários quando escalava uma montanha próxima à sua aldeia. As criaturas lhe instruíram a ir para a terra dos Lakota, onde receberia lições espirituais para transmitir ao seu povo.

Graças a estes ensinamentos, os Choctaw superaram o momento de crise pelo qual estavam atravessando e reencontraram o caminho correto”, afirma. Os Lakota são os que mais se pronunciam durante o evento anual, talvez por terem elos mais fortes com os povos das estrelas. Outro homem remediador da tribo, Holly Bull [Touro Sagrado], relatou ter visto um UFO sobrevoar o Bear Butte, um pico vulcânico das Montanhas Negras, considerado sagrado pelos Sioux.

Bull fala amplamente dos altares que existem “na terra das Nações das Estrelas”, segundo sua expressão, descrevendo-os como lugares repletos de objetos de inestimável valor espiritual, pertencentes aos líderes místicos de cada tribo. Ele também, como outros, teve o extraordinário privilégio de encontrar um ser proveniente do céu, que se declarou profundamente preocupado com a Mãe-Terra, gravemente ferida devido à ambição humana. Para representar a tremenda importância e magnitude de nosso planeta, Holly Bull cita as palavras pronunciadas em 1854 pelo líder Seattle, da tribo Swamish: 

Esta Terra é preciosa para Deus e tratá-la mal é desprezar seu Criador. Contaminais vosso leito e uma noite sufocareis nos vossos dejetos. A Terra não pertence ao homem, mas o homem pertence à Terra. Todas as coisas estão ligadas. Qualquer coisa que se sucede à Terra, acontece aos filhos da Terra. O homem não teceu a trama da vida, ele é apenas um fio. Qualquer coisa que faça à trama, faz a si mesmo. O fim da vida é o início da sobrevivência”.

 

No entanto, para Bull, a humanidade, aprisionada em sua própria e presunçosa ignorância, não segue estas palavras. No término do último congresso realizado em Wagner, durante a cerimônia da Dança do Sol, Standing Elk explicou que o povo das estrelas está aqui para encorajar o crescimento espiritual do ser humano. Disse que, num futuro próximo, deverá acontecer uma aproximação de raças em direção à Terra. “Este período será de grandes provas e virá seguido por mil anos de paz”, fala o sábio guerreiro.

Ainda de acordo com ele, existiriam entidades e forças que não desejam a tranqüilidade e que a verdade seja revelada, o que faria finalmente do homem um ser livre. Mas os peles-vermelhas estão convictos de que as profecias já estão acontecendo, graças a um relacionamento milenar entre eles e seres extraterrestres. Standing Elk não hesita em declamar o que chama de a derradeira mensagem:

Depois que a última árvore tenha sido derrubada. Depois que o último rio tenha sido envenenado. Depois que o último peixe tenha sido capturado. Então, o homem branco descobrirá que o dinheiro não pode ser comido”.

Autor: Sonia Cordella Fonte: Revista UFO Especial 31


NÃO ANDE ATRÁS DE MIM, TALVEZ EU NÃO SAIBA LIDERÁ-LO.

POR FAVOR, NEM ANDE EM MINHA FRENTE, TALVEZ EU NÃO SAIBA SEGUI-LO.

ANDE AO MEU LADO PARA QUE JUNTOS POSSAMOS CRESCER E GALGAR OS DEGRAUS DA ELEVAÇÃO DA CONSCIÊNCIA.”  –   Provérbio Sioux


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

 

PlASTAJHOJ EN LA RIVEROJ KAJ MAROJ

2018-08-28 la franca ministro pri naturmedio, Nicolas Hulot, retirighis

Sven Giegold (frakcio de Verduloj kaj Regionalistoj en la EP) komentis:
Respekton – li sukcesis iomete, sed pri kelkaj gravaj temoj li ne ricevis la subtenon de la liberala prezidento Macron. Nek pri klimato, nek pri reduktado de pesticidoj. Teni la grundon (humuson) en bona kvalito kaj enkondukti ekologiajn temojn en la ekonomion evidente ne interesighas la prezidenton.

Karaj geamikoj, denove hodiau,jen aktualaj problemoj pri la maroj – kiuj ne taugas kiel rubejo.

Amike, manfred

2018-08-25 Sablo-elfosado detruas la marbordojn

antau kelkaj jaroj neniu pensis ke manko da sablo povus ighi tutmonda problemo.

Tiam la detruo de la mangrov-arbaroj minacis la tropikajn mar-bordojn, ekz-e pro la akvokulturo de salikokoj.

La ekspluatado de sablo por kreado de artefaritaj insuloj kaj betonaj konstruajhoj postulas chiam pli da sablo.

audebla en la germana: sabato je 11:05 (mez-europa tempo):

https://www.deutschlandfunk.de/gesichter-europas.921.de.html

2018-08-24 Plastajhoj en la riveroj kaj maroj

Granda kvanto da plastaj rubaĵoj flosas en la bela golfeto Alon en Vjetnamio …..

Bonvolemuloj kolektas botelojn ,plastajn aù metalajn , sakojn plenajn je rubaĵoj ks .

La registaro esploras kion fari : limigi la nombron da turistoj ? ( sed necesas por la ekonomio)

(dankon al Renee Triolle)

Simile ankau en Rio de Janeiro estas la sama problemo.
Tio estus organizebla “surloke”:
– informi homojn (civitanojn)
– organizi rubo-kolektadon de la shipoj (turismo)

Sed alia problemo estas la grandegaj kvazau-insuloj da plastajoj en la grandaj kirlaj regionoj de la tutmonda maro. Tie videblas grandaj pecoj kiuj kelfoje chirkauumas la korpojn de maraj bestoj, sed okule ne videblas la mikroplastajhoj kiuj naghas en dikaj nubformaj tavoloj, kaj poste re-venas per la fishoj al niaj tabloj.

La plastajhoj ankau povas adsorbi kemiajhojn.

Tute alia granda problemo estas la restajhoj de medikamentoj kiuj ricevas homoj kaj brut-bestoj. Ili ofte havas hormon-similan efikon, ekz-e shanghas la sekson kaj konduton de fishoj.

Tio necesas tutmonda antau-zorgo (preventemo).

Jen pluraj prezentadoj: verduloj.org/akvo.htm

 

FONTO:   manfred@westermayer.de

NASA CONCLUIU QUE CIVILIZAÇÃO ATUAL RUMA PARA COLAPSO IRREVERSÍVEL E INEVITÁVEL…

COLAPSO CIVILIZATORIO
Posted by Thoth3126 on 23/08/2018

Estudo patrocinado pela NASA: Civilização industrial ruma para ‘’colapso irreversível e inevitável”?
Um novo estudo parcialmente patrocinado pelo Goddard Space Flight Center, da NASA, destacou a perspectiva de que a atual civilização industrial global pode entrar em colapso nas próximas décadas devido à exploração insustentável de recursos naturais do planeta e a distribuição de riqueza cada vez mais desigual.
“O processo de ascensão-e-colapso civilizatório é realmente um ciclo recorrente encontrado ao longo da história da civilização humana.”
Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch
Os cientistas naturais e sociais desenvolveram novo modelo de como uma  “tempestade perfeita” de crises em setores vitais poderiam destruir o sistema global e a civilização atual.
Por Nafeez Ahmed = Fonte: http://www.theguardian.com
Notando que os avisos de ‘colapso’ são muitas vezes vistos como marginais ou polêmicos, o estudo tenta dar sentido a dados históricos convincentes que mostram que “o processo de ascensão-e-colapso civilizatório é realmente um ciclo recorrente encontrado ao longo da história da civilização humana.” Os casos graves de interrupção de uma civilização devido ao colapso “precipitado – muitas vezes com a crise durando séculos – tem sido bastante comum.”
O projeto de pesquisa independente é baseado em um novo modelo de disciplina cruzada “Human And Nature DYnamical’ (HANDY)”, liderado pelo matemático aplicado Safa Motesharrei dos EUA National Science Foundation apoiado pelo National Socio-Environmental Synthesis Center, em associação com uma equipe de cientistas naturais e sociais.

O modelo HANDY foi criado usando uma bolsa menor da NASA, mas o estudo com base  no programa da NASA foi conduzido de forma independente. O estudo com base no modelo HANDY foi aceito para publicação na revista de Economia Ecológica Elsevier journal, Ecological Economics.
Ele acha que, segundo o registro histórico, civilizações complexas e mesmo avançadas, são suscetíveis a entrar em colapso, levantando sérias questões sobre a sustentabilidade da atual civilização moderna:
“A queda do Império Romano, e os igualmente avançados (se não mais) impérios Han(China), Mauryan(Índia) e o império Gupta(Índia), assim como tantos impérios mesopotâmicos, são testemunhos do fato de que civilizações criativas, avançadas, sofisticadas, dinâmicas e complexas podem ser tanto frágil como impermanentes. “
Ao investigar a dinâmica da relação humana com a natureza desses casos passados de colapso de grandes civilizações, o projeto identifica os fatores inter-relacionados mais relevantes que explicam o declínio civilizacional, e que podem ajudar a determinar o risco de colapso de nossa civilização hoje, a saber: População, Clima, Água, Agricultura e geração de Energia .
Esses fatores podem levar ao colapso de uma civilização quando eles convergem para gerar duas características sociais cruciais: “o colapso da exploração dos recursos naturais devido à tensão colocada sobre a capacidade de carga ecológica (produção)”; e “a estratificação econômica da sociedade em Elites [os ricos], a classe média e as  massas (ou “pobres”). Estes fenômenos sociais têm desempenhado “um papel central no caráter ou no processo do colapso de uma civilização”, em todos os casos sobre “os últimos cinco mil anos”, sem exceção.Atualmente, altos níveis de estratificação econômica estão ligados diretamente ao consumo excessivo de recursos, pelas “elites” e a classe média, baseado em grande parte nos países industrializados responsáveis por ambos os fatores:
“… O superávit acumulado não está distribuído uniformemente por toda a sociedade, mas ele é controlado por uma elite. A massa da população, no que tange a produção da riqueza, só é atribuída (e distribuída) uma pequena parte dela pelas elites, geralmente em um nível mínimo para a subsistência humana”.
O estudo desafia aqueles que argumentam que a tecnologia vai resolver esses desafios, aumentando a eficiência do “sistema”: “A mudança tecnológica pode aumentar a eficiência da utilização de recursos, mas também tende a elevar o consumo per capita dos mesmos recursos e a escala de extração de recursos naturais em matérias primas, de modo que, o aumento do consumo, muitas vezes acaba com a vantagem do aumento da eficiência no uso dos recursos.”
O aumento da produtividade na agricultura e na indústria ao longo dos últimos dois séculos mais do que aumentou a exploração de recursos (em vez da diminuição),  apesar dos ganhos de eficiência (pelo uso de tecnologia) dramáticas durante o mesmo período.

Modelando uma série de diferentes cenários, Motesharrei e seus colegas concluíram que em condições “que reflete de perto a realidade do mundo de hoje … nós achamos que o colapso de nossa civilização é difícil de ser evitado.” No primeiro destes cenários, a atual civilização:
“…. Parece estar em um caminho sustentável por muito tempo, mas mesmo usando uma taxa de esgotamento ideal a começar com um número muito pequeno de Elites, elas, eventualmente, consumem recursos demais, resultando em um período de fome entre os pobres que, eventualmente, provoca o colapso da sociedade. É importante notar que este tipo de colapso é devido a uma escassez induzida por desigualdade que provoca uma perda de trabalhadores, em vez de um colapso da natureza “.
Outro cenário enfoca o papel da exploração contínua e massiva de recursos naturais, concluindo que “com uma taxa de esgotamento maior, o declínio dos mais pobres ocorre mais rápido, enquanto as Elites ainda estão prosperando, mas eventualmente a massa vai entrar em colapso completo, seguido pelas elites.”
Em ambos os cenários, os monopólios de riqueza da Elite significa que eles estão protegidos contra a maioria dos “efeitos prejudiciais do colapso ambiental até muito mais tarde do que os comuns mortais”, o que lhes permite continuar na forma “business as usual” (sem nenhuma mudança), apesar da catástrofe iminente. “O mesmo mecanismo, eles argumentam, poderia explicar como “colapsos históricos foram contemplados a ocorrerem por elites que pareceram estar ignorando a trajetória catastrófica (mais evidente no caso do Império Romano).” Aplicando esta lição para a nossa situação contemporânea, o estudo adverte que:
“Enquanto alguns membros da sociedade podem dar o alarme de que o sistema chamado de “civilização” está se movendo em direção a um colapso espetacular, estrondoso e iminente e, portanto, defender mudanças estruturais para a sociedade, a fim de evitar seu colapso, as elites e os seus apoiantes, que são contrários a fazer essas (ou qualquer) alterações, poderia apontar para a trajetória sustentável utilizada a longo prazo ‘até agora’ (“business as usual”) em apoio de não se fazer nada.”

No entanto, os cientistas apontam que os piores cenários não são de forma alguma inevitáveis, e sugerem que políticas e mudanças estruturais apropriadas poderiam evitar o colapso, para abrir o caminho rumo a uma civilização mais estável (n.t. Mas os piores cenários já tiveram seus gatilhos acionados e iniciaram processos que são irreversíveis, como as mudanças climáticas que vão ter um IMPACTO PROFUNDO em nossa atual civilização)
As duas soluções são fundamentais para reduzir a desigualdade econômica, de modo a garantir uma distribuição mais justa dos recursos, e para reduzir drasticamente o consumo dos mesmos recursos, baseando-se em materiais renováveis de consumo menos intensivos e reduzir o crescimento (n.t. aqui esta uma impossibilidade de mudança para o ser humano atual, o sexo responsável) da população:
“O colapso poderia ser evitado se o tamanho da população alcançar o equilíbrio com o consumo dos recursos naturais necessários, se a taxa per capita de esgotamento da natureza fosse reduzida a um nível sustentável, e se os recursos fossem distribuídos de forma razoavelmente mais justa.”
O modelo “Human And Nature DYnamical’ (HANDY)” financiado pela NASA oferece um chamado para o “despertar” de alta credibilidade para os governos, empresas e os negócios – e os consumidores – para que se reconheça que o modelo ‘business as usual’ não pode ser mais sustentado, e que as mudanças estruturais e políticas no atual sistema são necessárias imediatamente.

Embora o estudo seja baseado em grande parte teoricamente – uma ‘’experiência de pensamento “- existe uma série de outros estudos mais empiricamente focados – feitos pela KPMG e pelo U.K. Science Government Office (Escritório de Ciência do Governo do Reino Unido), por exemplo – que têm alertado que a convergência de crises envolvendo as áreas de produção de alimentos, água potável e energia poderia criar uma “tempestade perfeita” dentro de cerca de 15 anos. Mas estes previsões “business as usual” ainda poderiam ser muito conservadoras.
Dr Nafeez Ahmed é diretor executivo do Instituto de Pesquisa de Política e Desenvolvimento e autor do Guia do Usuário para a crise da civilização: E como salvá-la entre outros livros. Siga-o no Twitter nafeezahmed. Este artigo foi alterado em 26 de março de 2014 para refletir a natureza do estudo e relacionamento da NASA mais claramente.

“DESPERTA, TU QUE DORMES, e levanta-te dentre os MORTOS (INCONSCIENTES), e CRISTO te esclarecerá. Portanto, vede prudentemente como andais, não como NÉSCIOS, mas como SÁBIOS”  Efésios 5:14,15

Permitida a reprodução, desde que mantido no formato original e mencione as fontes.

http://www.thoth3126.com.br

ONDA DE CALOR NO ÁRTICO QUEBRA CAMADA DE GELO MARINHO MAIS “ANTIGA E ESPESSA” DA REGIÃO

DEGELO NO ARTICO
Posted by Thoth3126 on 21/08/2018
A onda de calor deste verão no Hemisfério Norte provocou um fenômeno que está sendo considerado “assustador” por cientistas climáticos.
As camadas de gelo marinho mais antigas e espessas do Ártico, no norte da Groenlândia, começaram a derreter e quebrar, numa região que normalmente é congelada durante todo o ano. É a primeira vez que isso acontece e o evento pode forçar a revisão de teorias sobre a resiliência do gelo do Ártico ao aquecimento global.
Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch
Onda de calor quebra camada de gelo marinho mais ‘antiga e espessa’ do Ártico
Fonte: https://oglobo.globo.com/
NUUK — Quase todo o gelo ao norte da Groenlândia está quebrado e fragmentado e, portanto, completamente solto— alertou Roth Mottram, do Instituto de Meteorologia Dinamarquês, ao “Guardian”. — Esta área era chamada frequentemente como a “última área de gelo”, pois se sugeria que a última camada de gelo marinho perene do Ártico ocorreria ali. Os eventos da semana passada sugerem que, na verdade, a última área de gelo esteja mais a oeste.
Normalmente, as águas da costa norte da Groenlândia passam o ano inteiro congeladas, até mesmo no verão, mas temperaturas anormais em duas ocasiões recentes, em fevereiro e no início deste mês, deixaram a região vulnerável a ventos, que empurraram o gelo para longe da costa pela primeira vez desde que os registros por satélite foram iniciados, na década de 1970.
As camadas da região também são espessas e compactas por causa da corrente de Deriva Transpolar, que empurra o gelo da Sibéria até a costa da Groenlândia, onde ele se acumula.
Rachadura de 30 metros rasga rochas perto do supervulcão de Yellowstone
Alemanha caminha para ter o verão mais seco e quente de sua história
2017 foi um dos três anos mais quentes da história
— O gelo não tem para onde ir, então ele se acumula. Em média, tem mais de quatro metros de espessura e chega a se empilhar em montanhas com mais de 20 metros. Normalmente, este gelo espesso e compactado não é fácil de se movimentar — explicou Walt Meier, pesquisador do Centro Nacional de Dados sobre Gelo e Neve dos EUA. — Entretanto, este não foi o caso no último inverno, entre fevereiro e março, e agora. O gelo está sendo empurrado da costa pelos ventos.
Segundo os especialistas, o fenômeno não é explicado pela força dos ventos, mas pela tendência de aquecimento do círculo polar ártico nas últimas décadas. As temperaturas bem acima da média histórica estão tornando o gelo mais fino e quebradiço, facilitando a ação do ventos.
Nos dois episódios, foram registradas temperaturas muito acima do normal na região. Em fevereiro, a estação climática de Kap Morris Jesup, que para a época do ano registra temperaturas abaixo de -20 graus Celsius, teve cerca de 10 dias com temperaturas acima de 0 grau Celsius. Na semana passada, foi registrada a alta recorde de 17 graus Celsius na mesma estação.
— O afinamento está alcançando até a parte mais fria do Ártico, com o gelo mais espesso — comentou Meier. — Então, é uma indicação bem dramática da transformação do gelo marinho e do clima no Ártico.
Onda de calor no Ártico fez temperaturas passarem dos 30°C, Suécia e Grécia com grandes incêndios
Incêndio na Grécia: ‘Centenas de pessoas fugiram para o mar’. Dezenas morreram queimadas
Anomalia Eletromagnética sobre o Brasil cresce e se intensifica
Thomas Lavergne, cientista do Instituto Meteorológico da Noruega, classificou o evento como “assustador” em tuíte que mostrava uma foto de satélite com o azul da água em meio ao branco do gelo, expondo centenas de quilômetros da costa da Groenlândia. A tendência é que os icebergs se movem para águas mais quentes ao Sul, onde derreterão.

“Eu não posso dizer quanto tempo este caminho de águas abertas permanecerá, mas mesmo que feche em alguns dias, o estrago já está feito: o gelo grosso e antigo já terá sido empurrado para longe da costa para uma área onde derreterá mais facilmente”, apontou Lavergne.
As últimas leituras do Serviço Norueguês do Gelo indicam que a cobertura de gelo em Svalbard nesta semana está 40% abaixo da média histórica para esta época do ano. Caso a tendência se mantenha, a previsão é que o Oceano Ártico passará a não ter mais gelo durante o verão em algum ponto entre 2030 e 2050.

“Haverá muitas mudanças dramáticas no clima do planeta, muitas mudanças nas condições meteorológicas  na medida em que o TEMPO DA GRANDE COLHEITA se aproxima RAPIDAMENTE ao longo dos próximos anos. Você vai ver a velocidade do vento em tempestades ultrapassando 300 milhas (480 quilômetros) por hora, às vezes.

Deverão acontecer fortes tsunamis e devastação generalizada NAS REGIÕES COSTEIRAS, e emissão de energia solar (CME-Ejeção de Massa Coronal do Sol)  que fará  importante fusão e derretimento das calotas de gelo nos polos, e subseqüente aumento drástico no nível do mar, deixando muitas áreas metropolitanas submersas em todo o planeta“. Saiba mais AQUI

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.
http://www.thoth3126.com.br

A DECADÊNCIA DA “CIVILIZAÇÃO EUROPÉIA” E SUA DÍVIDA PARA COM OS POVOS INDÍGENAS

Posted by Thoth3126 on 21/08/2018

INDIGENAS EXPLORADOS
Um discurso feito pelo cacique Guaicaipuro Cuautémoc, de ascendência indígena, sobre o pagamento da dívida externa do seu país, o México, embasbacou os principais chefes de Estado da Comunidade Europeia. 

A Conferência dos Chefes de Estado da União Europeia, Mercosul e Caribe, em Madrid, viveu um momento revelador e surpreendente: os Chefes de Estado europeus ouviram perplexos e calados um discurso irônico, cáustico e historicamente muitíssimo exato.

Thoth3126@protomail.ch

Reproduzido da Renacer Indianista No 7, e da conversão em Resurgence n º 184. Consulte o site da Resurgence em: http://newint.org/  e  http://www.gn.apc.org/

Guaicaipuro Cuautémoc , um indígena do México, que visitou a Europa em 1992 para a comemoração dos 500 anos do “descobrimento” da América por Cristovão Colombo em 1492…

· A Conferência dos Chefes de Estado da União Europeia, Mercosul e Caribe, em Madrid, viveu um momento revelador e surpreendente: os Chefes de Estado europeus ouviram perplexos e calados um discurso irônico, cáustico e historicamente muitíssimo exato e correto.

· Eis o discurso:

· “Aqui estou eu, descendente dos que povoaram a América há 40 mil anos, para encontrar os que a “descobriram” há 500… O irmão europeu da alfândega pediu-me um papel escrito, um visto, para poder descobrir os que me descobriram. O irmão financeiro europeu pede ao meu país o pagamento, com juros, de uma dívida contraída por Judas, a quem nunca autorizei que me vendesse. Outro irmão europeu explica-me que toda a dívida se paga com juros, mesmo que para isso sejam vendidos seres humanos e países inteiros, sem lhes pedir consentimento. Eu também posso reclamar pagamento e juros.

Consta no “Arquivo da Companhia das Índias Ocidentais” que, somente entre os anos de 1503 a 1660, chegaram a São Lucas de Barrameda 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata provenientes das Américas.

· Teria aquilo sido um saque? Não acredito, porque seria pensar que os irmãos cristãos faltaram ao sétimo mandamento!

· Teria sido espoliação? Guarda-me Tanatzin de me convencer que os europeus, como Caim, matam e negam o sangue do irmão.

· Teria sido genocídio? Isso seria dar crédito aos caluniadores, como Bartolomeu de Las Casas ou Arturo Uslar Pietri, que afirmam que a arrancada do capitalismo e a atual civilização europeia se devem à inundação dos metais preciosos tirados das Américas.

· Não, esses 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata foram o primeiro de tantos empréstimos amigáveis da América destinados ao desenvolvimento da Europa. O contrário disso seria presumir a existência de crimes de guerra, o que daria direito a exigir não apenas a devolução, mas uma indenização por perdas e danos.

· Prefiro pensar na hipótese menos ofensiva.

· Tão fabulosa exportação de capitais não foi mais do que o início de um plano “MARSHALL MONTEZUMA”, para garantir a reconstrução da Europa arruinada por suas deploráveis guerras contra os muçulmanos, criadores da álgebra e de outras conquistas da civilização.

· Para celebrar o quinto centenário desse empréstimo, podemos perguntar: Os irmãos europeus fizeram uso racional responsável ou pelo menos produtivo desses fundos?

· Não. No aspecto estratégico, dilapidaram-nos nas batalhas de Lepanto, em navios invencíveis, em terceiros reichs e várias outras formas de extermínio mútuo.

· No aspecto financeiro, foram incapazes – depois de uma moratória de 500 anos – tanto de amortizar capital e juros, como de se tornarem independentes das rendas líquidas, das matérias-primas e da energia barata que lhes exporta e provê todo o Terceiro Mundo.

· Este quadro corrobora a afirmação de Milton Friedman, segundo a qual uma economia subsidiada jamais pode funcionar, o que nos obriga a reclamar-lhes, para seu próprio bem, o pagamento do capital e dos juros que, tão generosamente, temos demorado todos estes séculos para cobrar. Ao dizer isto, esclarecemos que não nos rebaixaremos a cobrar de nossos irmãos europeus, as mesmas vis e sanguinárias taxas de 20% e até 30% de juros ao ano que os irmãos europeus cobram dos povos do Terceiro Mundo.

· Limitar-nos-emos a exigir a devolução dos metais preciosos, acrescida de um módico juro de 10%, acumulado apenas durante os últimos 300 anos, concedendo-lhes 200 anos de bónus. Feitas as contas a partir desta base e aplicando a fórmula europeia de juros compostos, concluimos, e disso informamos os nossos descobridores, que nos devem não os 185 mil quilos de ouro e 16 milhões de quilos de prata, mas aqueles valores elevados à potência de 300, número para cuja expressão total será necessário expandir o planeta Terra. 

· Muito peso em ouro e prata… quanto pesariam se calculados em sangue?

· Admitir que a Europa, em meio milênio  não conseguiu gerar riquezas suficientes para estes módicos juros, seria admitir o seu absoluto fracasso financeiro e a demência e irracionalidade dos conceitos capitalistas.

· Tais questões metafísicas, desde já, não nos inquietam a nós, índios da América. Porém, exigimos a assinatura de uma carta de intenções que enquadre os povos devedores do Velho Continente na obrigação do pagamento da dívida, sob pena de privatização ou conversão da Europa, de forma tal, que seja possível um processo de entrega de terras, como primeira prestação da dívida histórica…”

Quando terminou seu discurso diante dos chefes de Estado da Comunidade Européia, o Cacique Guaicaípuro Guatemoc não sabia que estava expondo uma tese de Direito Internacional para determinar a Verdadeira Dívida Externa.

Um exemplo da relação dos espanhóis com os indígenas que corrobora o discurso anterior vem da história da maior mina de prata das Américas jamais superada, o Cerro Rico, em Potosi. Foi aos pés desse enorme cone de pedra que, em 1545, o pastor de lhamas Diego Huallpa viu aflorar, à luz da fogueira, uma pequena quantidade de terra prateada. Não demorou para que os espanhóis, na condição de colonizadores, começassem a ordenar diversas escavações. 

A extensão das reservas argentíferas (pura prata) que eles encontraram pode ser medida pela quantidade de prata que extraíram. Segundo documentos da Casa da Moeda de Potosi, entre 1545 e 1825 – ano em que a Bolívia conquistou sua independência-, tirou-se da montanha aproximadamente 35 mil toneladas do nobre metal da prata.

Potosi tornou-se, ainda no século 16, uma das urbes mais ricas e cobiçadas da colônia de Espanha; em 1640, época em que metade da prata comercializada no mundo saía do Cerro Rico (Potosi), sua população de 160 mil almas rivalizava com a de capitais como Paris e Madri. Paróquias, havia 14. Conventos, cinco. Prostitutas, mais de 120. E, reza a lenda, até as ruas da cidade estavam banhadas com argento. A Coroa Espanhola e seus credores exultavam. Mas a opulência – e a perspectiva de uma riqueza sem fim -, trouxe também a degradação da vida dos indígenas. 

Coube ao vice-rei Francisco de Toledo instaurar em Potosi, em 1575, o sistema de “mitas”, que obrigava boa parte dos nativos locais a labutar dentro das minas, em situação análoga à da escravidão. A eles juntaram-se punhados de negros, trazidos de Angola e Cabo Verde.

E o trabalho, como se pode imaginar, era árduo: equipados com picaretas, velas de sebo e quase nenhum acessório de segurança, homens adultos, adolescentes e crianças se embrenhavam nos túneis do Cerro Rico para, durante horas a fio, remover e transportar o minério de prata rumo à cidade; dali ele seguiria para o porto de Arica, no Pacífico – de onde seria, finalmente, exportado para a Europa.

Desmoronamentos e doenças pulmonares causadas pela poeira de sílica – composto venenoso que flutuava no ar viciado das minas – abriam ao destino dessas pessoas duas vias: a de uma morte súbita, ou a de um definhamento longo e doloroso. E ninguém podia se rebelar: a recusa ao trabalho mineiro era punida com a pena capital.

Em seu livro “As Veias Abertas da América Latina”, o historiador uruguaio Eduardo Galeano calcula que, entre os séculos 16 e 19, cerca de oito milhões de pessoas tenham morrido em decorrência do trabalho no Cerro Rico, em Potosi. A prata praticamente acabou. Mas, longe de assustar a cultura mineira, a exploração da combalida montanha ainda segue viva – e letal.

Embora tenha sido, entre os séculos 16 e 18, uma das principais fontes de riqueza da Coroa Espanhola na América, Potosi é hoje a capital do Estado mais miserável da Bolívia – que, por sua vez, é o país mais pobre da América do Sul. Com a prata exaurida, carente de indústrias e situado a quatro mil metros acima do nível do mar, a única coisa que o lugar ostenta atualmente são dados estatísticos alarmantes.

Agora resta que algum Governo Latino-Americano tenha a dignidade e coragem suficiente para impor seus direitos perante os Tribunais Internacionais.  Os europeus teriam que pagar por toda a espoliação que aplicaram (e que ainda esta em curso) aos povos que aqui habitavam, com juros civilizados.


Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

 

COMO LIDAR COM AS DRAMÁTICAS MUDANÇAS NESSE PLANETA

burbujadeproteccion

Saudações, Eu Sou Juliano.
Nós somos os Arcturianos!
Muitos de vocês perguntaram se poderíamos nos concentrar em como lidar com as mudanças dramáticas que estão ocorrendo em todo o planeta. Todo mundo está sendo impactado, e também está resultando em um sentimento de dúvida e, em alguns casos, um sentimento de desespero.
Um dos membros disse que o fato de que tudo está tão polarizado, e há tantos problemas surgindo, certamente significa que a Ascensão está mais próxima. Concordo que esta é uma perspectiva interessante e positiva sobre como aceitar e lidar com as mudanças dramáticas que estão ocorrendo.
Algumas das previsões anteriores de aquecimento global e temperaturas mais altas colocaram esse tipo de mudança globalmente a uma ou duas décadas no futuro. Ninguém estava realmente prevendo que as mudanças globais viriam tão cedo.
Ninguém previu que haveria tantos incêndios neste ano e tantas quebras de recordes de calor em muitas partes da Europa, Estados Unidos e também na África. Existem tantas mudanças na Terra agora. Todas as informações relacionadas às mudanças da Terra podem não estar corretamente descritas.
Seria interessante se alguém pudesse abrir um “Centro de Mudança da Terra” e, neste centro, as pessoas receberiam relatórios de mudanças da Terra de todo o mundo. Por exemplo, essas pessoas relatariam e registrariam temperaturas recordes quebradas para este período do ano em todo o mundo.
Ou eles registrariam que tivemos mais chuvas nos últimos três ou quatro dias em um lugar do que já foram registradas, ou que houve mais erupções vulcânicas do que nunca. Este seria um centro que estatisticamente classificaria globalmente as mudanças. Mesmo se houvesse tal centro, esse centro ficaria sobrecarregado com as mudanças dramáticas.
Eu também prevejo que tais mudanças dramáticas vão aumentar. Não haverá uma pausa. Não haverá um planalto onde tudo parece estável de repente, mas sim, esse tipo de mudança contínua de temperaturas, tempestades e ajustes geológicos aumentará.
O que pode até ser mais assustador é que as idéias e percepções da “sexta extinção em massa” vão se tornar mais aparentes. Haverá reações mais dramáticas nos oceanos e também nas correntes oceânicas e nas correntes de ar. Haverá muitas flutuações nos fluxos de ar e oceanos.
Eu olho para essas questões e penso muito sobre o sistema de retroalimentação, e penso na força e sensibilidade das Sementes Estelares. Como um grupo de Sementes Estelares, você tem uma tremenda sensibilidade e tremendas energias espirituais e poderes espirituais. Você tem uma vasta história de descoberta planetária e experiências planetárias.
Em alguns casos, há aqueles de vocês que estiveram em outros planetas que passaram por essa crise. Não pense em si mesmo como uma vítima dessa forte mudança. Você não é impotente em sua vida aqui, neste planeta. O planeta Terra é vulnerável e frágil, mas também sei que vocês, as Sementes Estelares, têm poderes extraordinários. O poder mais importante, e eu diria que a perspectiva mais importante para lidar com essas mudanças na Terra, reside na sua conexão com a Quinta Dimensão.
O que distingue as Sementes Estelares do resto da população?
A resposta para essa pergunta é que as Sementes Estelares compreendem e estão estabelecendo e melhorando sua conexão com a Quinta Dimensão. Essa forte conexão com a Quinta Dimensão é realmente revolucionária em muitos aspectos.
É revolucionário em termos de experiências religiosas e místicas que foram descritas pelos mestres ao longo da história do planeta. É revolucionário na história deste planeta. Nunca houve um movimento de pessoas espiritualmente evoluídas que estejam se unindo e estabelecendo corredores, cristais etéreos, cidades de luz planetárias e reservas oceânicas de luz.
A rede global tem um efeito imediato e profundo na consciência coletiva e na inconsciência coletiva do planeta. Esse é apenas o começo da descrição do poder que evoluiu no processo de Quinta Dimensão de conectar os reinos superiores à Terceira Dimensão.
Cada um de vocês está fazendo o melhor que pode, e eu quero que você entenda que esta energia de Quinta Dimensão e esses corredores de Quinta Dimensão e recebimentos de Quinta Dimensão também estão estabelecendo um campo de energia protetora ao seu redor.
O trabalho de Quinta Dimensão não é apenas para proteger a Terra ou áreas individuais, mas também é configurado para protegê-lo. Quero dizer que você tem proteção da maneira mais básica em termos de qualquer tipo de catástrofe que possa estar próxima, ou qualquer tipo de desordem ou reviravolta causada por diferentes eventos da Terra. Qualquer uma dessas coisas tem o potencial de ser perturbadora e prejudicial para você pessoalmente.
Por outro lado, trabalhar como uma Semente Estelar com os Arcturianos e conectar-se com suas conexões globais intensifica o campo de energia de proteção em torno de cada um de vocês.
Fico impressionado, por exemplo, pelas fotos desses dramáticos incêndios que estão ocorrendo no norte da Califórnia. Algumas ruas têm devastação total, e outras ruas têm casas que sobreviveram, e nem parece que houve qualquer tipo de incêndio catastrófico.
Saiba que usar e chamar seus guias e professores de Quinta Dimensão e invocar as energias Arcturianas de Quinta Dimensão protegerá você.
A energia de Quinta Dimensão tem múltiplos poderes, que incluem a filtragem e repulsão de ataques de energia negativa e dinâmica que pode vir de ganchos energéticos pessoais e planetários de vibrações mais baixas. Você tem que ser especialmente cuidadoso neste momento por causa do ambiente político tóxico que está ocorrendo em muitas partes do planeta. Você tem que proteger seu campo de energia.
Um dos nossos exercícios de proteção de Quinta Dimensão mais dinâmicos e poderosos é baseado no conceito chinês de energia chamado “resiliência”. É também chamado de “Pung”, que ajuda a criar a capacidade de repelir as energias vibracionais inferiores que entram no seu campo de energia.
Lembre-se, tudo é uma vibração. Toda matéria é também uma vibração de energia. No sistema de retroalimentação da Terra, há uma série de estágios e uma série de níveis sobre os quais direções e comunicações sobre como reagir são enviadas ao Espírito da Terra.
Infelizmente, o que está ocorrendo agora é que a retroalimentação negativa está sendo baixada continuamente. Algumas delas são provenientes de negligência. Algumas delas são provenientes da ignorância. Parte disso vem da falta de conhecimento, e muito disso é realmente atribuído à menor escala evolutiva de muitos dos líderes mundiais e pessoas no poder.
Quando falo das Sementes Estelares, estou falando de você como uma representação mais evoluída da humanidade. Lembre-se, falamos sobre o Homem Ômega, que é o próximo estágio da evolução do Homo Sapiens. O Homem Ômega é representado por você, as Sementes Estelares.
Você tem essa maior sensibilidade e essa maior capacidade de se relacionar com o espírito do planeta, e a maior capacidade de trabalhar e entender o sistema de retroalimentação. O sistema de retroalimentação reage à entrada com base no que é inserido ou baixado nele.
Eu comparei o sistema de retroalimentação da Terra ao subconsciente pessoal. O subconsciente pessoal, em muitos aspectos, é uma tela em branco e pode até ser comparado a um computador. Como você programa o computador determina o que irá se manifestar na sua tela. O computador e o subconsciente não discriminam se a entrada é boa ou ruim. Apenas se configura com base na entrada.
O funcionamento da mente subconsciente e do subconsciente planetário pode até ser comparado ao inconsciente pessoal. Nós usamos a palavra subconsciente e inconsciente quase indistintamente. O subconsciente está tecnicamente bem acima do inconsciente, e a informação do subconsciente pode ser recuperada através de algum pensamento e lembrança conscientes.
Mas o inconsciente realmente não é recuperável durante a consciência desperta. A única maneira que o inconsciente pode ser alcançado é através dos sonhos, da arte e da poesia, e também através do trabalho hipnótico e de transe. Durante esse trabalho, o alcance da consciência é expandido, o que lhe permitiria acessar o inconsciente.
O Espírito da Terra e o subconsciente da Terra estão recebendo orientações aleatoriamente, sem qualquer pensamento elevado, por muitas pessoas que têm um pensamento evolucionário mais baixo..
Por exemplo, pessoas de negócios podem dizer: “Vamos limpar essa floresta; precisamos usar a madeira”. Eles não estão pensando em como a Terra responderá a alguém removendo totalmente toda a vida vegetal em uma região de terra. O empresário pode não pensar em pedir permissão da Terra para tirar apenas algumas árvores e deixar o resto para proteger a terra das inundações.
Existe um grande programa sistemático de destruição das florestas na Terra. É uma observação triste, mas há uma força na sociedade que está movendo o planeta em direção à negatividade e destruição da biosfera. Eu ouvi algumas pessoas se referirem a essa força como “Satanás”. Mas nós, os Arcturianos, não acreditamos em Satanás como uma pessoa real.
Nós vemos que há forças mais escuras que estão em operação por todo este planeta – forças que não têm consciência mais elevada. A força mais obscura por razões desconhecidas (e quando digo desconhecido, quero dizer que não são lógicas) está se movendo e empurrando este planeta para mais destruição, mais caos, e há quase um acolhimento da resposta caótica.
Eu sei que há algumas pessoas que estão equivocadas e pensam que induzir o caos em todo o mundo levará a uma mudança mais positiva. Eu vi esse argumento usado em outros planetas, assim como na Terra.
Sim, deve haver limpeza; sim, deve haver um clareamento e, por isso, precisamos facilitar. Precisamos ajudar a promover a remoção de forças mais escuras, removendo a negatividade que permitirá a entrada na Terra de mais energia superior. Essa é uma atitude equivocada, uma crença equivocada de que o caos sempre traz harmonia.
Posso apontar, mesmo da história planetária, que o caos pode levar a mais caos. Um bom exemplo é a revolução russa, que foi inicialmente baseada nos princípios elevados da fraternidade universal e da igualdade. Mas esta revolução acabou nas mãos de um dos piores ditadores da história do homem moderno, Joseph Stalin.
A revolução russa começou como uma revolução poderosa que estava focada em limpar a velha monarquia. Esta revolução não resultou em uma melhor utopia para o povo russo. Existem outros exemplos históricos em que o caos inicial levou a piores consequências.
Mesmo que seja uma crença equivocada de que fomentar o caos levará a um equilíbrio harmônico mais positivo neste planeta, ainda existem forças que acreditam nisso muito fortemente e estão trabalhando para criar o caos. Isso é chamado de força mais sombria.
Não podemos esconder ou fingir que as forças mais sombrias não existem no planeta. Você está testemunhando-os diretamente. Também vocês estão vendo os resultados desta falta de relação com o Espírito da Terra conhecido como Gaia.
Você, como Sementes Estelares, não são vítimas, e vocês, como Sementes Estelares, têm grandes habilidades espirituais. Deixe-me voltar novamente à ideia de proteção e à ideia do que chamo de aura resiliente, o campo de energia resiliente preenchido por Pung.
Visualize agora sua aura. Sua aura é linda. Eu vejo cada um dos seus campos de energia, e estou sempre impressionado com a luz complexa e os lindos campos de energia espiritual ao seu redor, das Sementes Estelares. Você se destaca em relação a tantas outras pessoas. Você está realmente brilhando quando eu o comparo aos da consciência inferior. Eu quero que você se sinta seguro, especialmente hoje neste exercício.
Visualize sua aura como um ovo cósmico.
Visualize uma linha ao redor da sua aura que unifique seu campo de energia.
Vamos nos concentrar agora sua energia dentro deste ovo cósmico.
(Tons “OOOOOOOOOHHHHHHHHH, OOOOOOHHHHHH”.)
No topo do seu Ovo Cósmico está o Chacra da Coroa, sua estrada para a Quinta Dimensão, sua abertura que permite que a luz de Quinta Dimensão entre em seu campo de energia. Esta luz de Quinta Dimensão é uma luz de proteção multidimensional. Permita que essa luz mais elevada entre em seu campo de energia.
E quando entra em seu campo de energia, você se expande; você se enche como um balão com luz mais elevada, com oxigênio, com ar especialmente fortificado. Eu estou em pé acima de cada um de vocês, baixando, direcionando esta luz de Quinta Dimensão para a sua aura, e ficaremos em silêncio agora ao receber estas energias. (Silêncio)
Você está processando e recebendo lindamente esta luz mais elevada. Lembre-se que isso é energia multifacetada, por isso está fornecendo várias funções diferentes. Sua aura agora é como um balão e está se enchendo dessa luz.
A energia Pung na sua aura é a resiliência, o recuo, o afastamento da negatividade, mas também está ajudando você a se expandir para que você tenha espaço dentro do seu campo de energia. É como se você tivesse camadas de proteção, e então você tem o seu espaço.
Você poderia até pensar nisso como um traje espacial especial, e você poderia estar na Lua, e a Lua está recebendo pequenos meteoritos que podem penetrar através de seu traje espacial. Esta energia Pung ao seu redor é uma energia protetora e pode repelir até mesmo a pequena energia dos meteoritos na Lua tentando penetrar ou perfurar seu traje espacial.
Há muita negatividade em todo o mundo, inclusive no mundo político, no mundo econômico e nos padrões climáticos. Agora você pode repelir, você pode afastar os efeitos da energia negativa pela expansão dinâmica e elaborada de sua aura, do seu Ovo Cósmico com este recebimento de Quinta Dimensão.
(Tons “Ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta”).
Você tem este maravilhoso campo de força protetora em torno de você, e eu disse que esta energia também é multi-funcional. Deixe que esta energia de alta potência, de Quinta Dimensão, que está preenchendo sua aura agora permeie, passe pelo seu corpo físico, porque você está recebendo um fluxo descendente contínuo desta luz de Quinta Dimensão que está vindo através do seu Chakra da Coroa.
No primeiro nível, ela está expandindo sua aura, mas agora, no segundo nível, quero que você a direcione para as áreas do seu corpo físico que precisam de cura.
Há muita energia ao seu redor. Essa é uma energia quântica e multidimensional. Não se preocupe com problemas de saúde que o médico disse que não podem ser curados. Ou o médico pode ter dito que isso é um bloqueio, ou não há como corrigir um problema. Não pense assim porque esse é o paradigma da Terceira Dimensão. Na Quinta Dimensão, todas as coisas são possíveis e milagres acontecem.
Na contagem de três, deixe esta energia multidimensional agora girar e permear seu corpo físico e deixá-lo ir em todas as áreas que são necessárias para uma cura total. Nós entraremos em silêncio.
(Silêncio)
Agora, continua a haver muito mais desta luz e energias superiores. Envie agora uma gigantesca bolha de vidro ao redor de sua casa. Veja-a formar em sua mente e permitir que essa energia multidimensional e multifuncional preencha sua casa, seu ambiente, a energia em torno de sua terra para que você esteja protegido de todas as maneiras.
Deixe esse processo começar agora também, e nós entraremos novamente no silêncio enquanto você faz isso. Há muita desta luz multidimensional mais elevada, e há o suficiente para encher a bolha em torno de sua casa. Há energia protetora suficiente para construir o campo da aura ao redor de sua casa. Há o suficiente para permitir que a energia permeie o seu corpo físico, como eu disse que é multi-funcional, multi-camadas.
(Tons “Aaaaayyyy.”)
Sinta a linha ao redor da sua aura e comece a sentir e sentir o brilho de seu campo de energia e o campo de energia ao redor de sua casa agora.
(Tons “Shimmmeeerrr, shimmmeerrrr, shimmmeeerrr”)
Eu já disse muitas coisas sobre o Cintilar, e sei que é um método eficaz. Eu sei que você pode usá-lo em seus desejos de bilocar e em seus desejos para a projeção de pensamento. Lembre-se de que o Cintilar também é uma maneira de se proteger e proteger sua casa ou até mesmo as Cidades de Luz Planetárias da negatividade, porque o Cintilar é o aumento da carga vibracional.
O Cintilar cria uma frequência mais alta que repele a negatividade, mas também está criando uma carga eletromagnética mais elevada que está entrando em sua aura e em seu campo de energia.
Tudo é eletromagnético; até os pensamentos são eletromagnéticos. O coração é eletromagnético; todos os seus órgãos têm uma certa frequência. Todos eles respondem a cargas mais equilibradas e harmoniosas que são criadas pelo Cintilar.
(Cante “Shimmmmeeerrrr, shimmmeerrrrr, shimmeerrr, shimmer, shimmer, shimmer, shimmer, shimmer, ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta ta.”)
Sinta a carga eletromagnética do Cintilar através de sua aura em seu corpo físico.
(Cante “Shimmmmeeerrrr, shimmmeerrrrr, shimmeerrr, shimmer, shimmer, shimmer, shimmer, shimmer”).
Este é um reequilíbrio harmônico, uma carga energética. Pense em você como uma bateria e você sabe que as baterias podem ficar fracas porque a carga está baixa por vários motivos. Agora, com este Cintilar, ele está recarregando sua bateria também, o corpo energético interno que o mantém na Terra..
(Tons “Shimmmmeeerrrr, shimmmeerrrrr, shimmeerrr”)
Essa afirmação está passando por todo o seu corpo. Ela também está passando por seu campo de energia, e está passando por toda a energia ao redor de sua casa. Você está iluminado como uma Semente Estelar. Parte da definição de Semente Estelar é que você está emitindo luz; você está emanando luz, eletromagnética, multidimensional, equilibrando, curando a luz.
Bênçãos
Eu agora te entrego ao Chefe Águia Branca.
Eu sou o Juliano.
Bom Dia!
Heya ho, heya ho!
Saudações.
Todas as minhas palavras são sagradas.
Eu Sou o Chefe da Águia Branca.
As Sementes Estelares têm uma relação especial com a Mãe Terra. Você veio de outros sistemas planetários, mas se lembra da importância de formar essa conexão com o planeta. E lembro-me que Juliano falou sobre o seu planeta natal e lembro como você está ansioso para voltar ao seu planeta.
Mas é importante destacar também que sua alma está profundamente conectada a esta Terra. Há uma impressão em sua alma que significa que você tem um vínculo com este planeta. Talvez a Terra não seja o seu planeta natal, e talvez haja um planeta mais evoluído para você voltar depois desta encarnação e depois desta Ascensão.
Existe essa conexão com Gaia que nós, as Sementes Estelares, temos. Eu sei que esta conexão é uma das razões pelas quais você veio aqui, e então eu quero que você honre esta conexão hoje, porque vocês são seres elevados que sabem se conectar espiritualmente a Gaia.
Você não pode pensar que esta é uma habilidade maior, mas acredite, é uma habilidade especial. Juliano disse que sim, as Sementes Estelares têm habilidades especiais, e uma das habilidades especiais que você tem é a capacidade de se conectar espiritualmente e interagir com o Espírito da Mãe Terra.
Infelizmente, não há uma maioria da população que saiba como fazer isso. Um dos grandes ensinamentos é que o uso da Roda de Cura ajudará a aumentar sua conexão espiritual com o planeta. O planeta quer orientação.
É verdade que a humanidade é a joia da coroa da Terra. Essa é outra maneira de dizer que um planeta que é capaz de ter seres conscientes mais elevados realmente evoluiu e, portanto, podemos dizer que a humanidade é a joia da coroa, a realização suprema do planeta..
Aqui nós temos um planeta que tem mais de 4,5 bilhões de anos. Aqui temos um planeta que passou por cinco extinções em massa completas. Aqui temos um planeta que passou por ciclos evolutivos de gelo e várias inundações, chuva de meteoros e erradicação da vida em grande escala.
Este é um planeta sofisticado.. Não é um planeta bebê, e digo isso porque existem planetas bebês – planetas com apenas trezentos ou quatrocentos milhões de anos. Esses outros planetas da galáxia têm formas de vida neles. Mas aqui temos a Terra, um planeta de 4,5 bilhões de anos. Se você olhar para o tempo em uma escala linear, quatro bilhões e meio de anos é muito tempo.
Se você olhar para essa linha do tempo, digamos que a linha é simbolicamente representada pelo comprimento de trinta metros, que cem pés representa quatro bilhões e meio de anos. A humanidade não tem nem uma polegada de comprimento, em comparação com os 100 pés de comprimento, o que equivale ao tempo de quatro bilhões e meio de anos. Isso significa que a humanidade é apenas um espaço muito curto na linha de cem pés. A Terra sobreviverá, mas não sabemos ao certo se a humanidade o fará.
Estamos ligados à Terra com uma energia especial. Muitos de vocês me perguntaram sobre a Ascensão do planeta Terra e a pergunta continuamente vem: “Bem, Chefe Águia Branca, o planeta tem que estar pronto para ascender? Como poderia o planeta inteiro ascender agora, porque há muitas partes que são de energia inferior? ”
Minha resposta, em consulta com Juliano e outros mestres, é: Aqueles pontos mais elevados, aqueles seres mais elevados de luz como você ascenderão, e o próprio planeta não ascenderá na totalidade, mas o planeta ascenderá em seções individuais.
Isso pode parecer estranho para você. Estamos falando de um mundo holográfico e estamos falando de um universo holográfico. A Terra de Quinta Dimensão tem um corpo de luz como você, assim como os seres tridimensionais têm um corpo de luz.
Você não vai levar seu Eu Inferior para a dimensão mais elevada. Você não vai trazer suas preocupações sobre impostos ou suas preocupações sobre dinheiro ou ciúmes com você para a Quinta Dimensão. Seu corpo de luz não os quer, e você não pode se fundir com seu corpo de luz com esses focos. É o mesmo caminho com a Terra.
Já existe um corpo de luz da Terra na Quinta Dimensão. Aquelas partes da luz na Terra inferior, como as Cidades de Luz Planetárias, por exemplo, ascenderão ao corpo de luz de Quinta Dimensão da Terra. E é assim que a ascensão planetária pode ser descrita – as partes mais altas da Terra vão para o corpo de luz de Quinta Dimensão. O corpo de luz da Quinta Dimensão da Terra já existe e receberá o download mais elevado, as integrações superiores na Terra tridimensional.
Deixe-me retornar ao conceito de comunicação com o Espírito da Terra.
O Espírito da Terra é receptivo à Quinta Dimensão e, naturalmente, o Espírito da Terra é multidimensional assim como você é multidimensional.
O Espírito da Terra conhece todas as plantas e animais que já existiram nela, tem os registros de todas as formas de vida, tem registros de todas as interações com extraterrestres que vieram ao planeta e tem interações com todas as energias externas do planeta, na galáxia. O Espírito da Terra é como o Grand Canyon, que tem a capacidade de registrar histórias geológicas, milhões de anos no passado.
As coisas mais importantes para a nossa discussão são que a Terra responde às suas orações e ao seu foco na Quinta Dimensão, e se concentra em enviar-lhe a luz de energia da Quinta Dimensão. O Espírito da Terra precisa ancorar a energia da Quinta Dimensão tanto quanto você.
Eu poderia dizer que, pessoalmente, sem um download de energia de Quinta Dimensão, você teria muito mais dificuldade em lidar com o que está acontecendo no planeta. Mas a Terra também se beneficia da energia e da luz da Quinta Dimensão.
Faça o exercício para o campo de energia da Terra e a aura da Terra. Ajude a abrir o Pólo Norte, que serve como Chacra da Coroa para o planeta. Ajude a baixar a energia superior para o campo energético da Terra. Trabalhe dentro da sua Roda de Cura, porque a Terra te ama falando com ela; a Terra te ama honrando-a no espaço sagrado.
Deixe-me concluir dizendo que um dos grandes dons das Sementes Estelares é a capacidade de criar e trabalhar com espaço sagrado e energia sagrada. Vocês, as Sementes Estelares, têm a capacidade de ampliar e criar mais energia sagrada e pontos sagrados neste planeta. Esta é uma das suas missões, para equilibrar e manter a luz sagrada na Terra. Há mais necessidade de criar espaços sagrados no planeta Terra.
Bênçãos
Eu Sou o Chefe Águia Branca.
Todas as minhas relações. Ho!
Compartilhe com Ética mantendo todos os créditos
Formatação – DE CORAÇÃO A CORAÇÃO
https://www.decoracaoacoracao.blog.br/
https://lecocq.wordpress.com
Tradução Luciano Cristinao de Araujo
Direitos Autorais © 2018 David K. Miller – Todos os direitos reservados
Grupo dos Quarenta | davidmiller@groupofforty.com
http://www.groupofforty.com/foreign/brasil/

DESCOBERTA DE GEOGLIFOS NO ACRE E MATO GROSSO REVELA OCUPAÇÃO DA AMAZÔNIA HÁ MAIS DE 2.500 ANOS

Posted by Thoth3126 on 20/08/2018

GEOGLIFOS
Descobertas de novos geoglifos no Acre reforçam ideia de que Amazônia era densamente habitada por população milenar muito antes da chegada dos europeus. A Sputnik Brasil conversou com a arqueóloga Ivandra Rampanelli, pesquisadora responsável pela mais recente descoberta, sobre o significado dessas revelações. Uma descoberta feita por arqueólogos brasileiros revelou que a área da bacia do Alto Tapajós, na estado do Mato Grosso, pode ter sido habitada por cerca de 1 milhão de pessoas. Eles mapearam aproximadamente 81 sítios arqueológicos que apontam que lá pode ter havido uma alta presença de seres humanos.

Edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Uma descoberta feita por arqueólogos brasileiros revelou que a área da bacia do Alto Tapajós, na estado do Mato Grosso, pode ter sido habitada por cerca de 1 milhão de pessoas. Eles mapearam aproximadamente 81 sítios arqueológicos que apontam que lá pode ter havido uma alta presença de seres humanos.

Fontes: https://br.sputniknews.com/brasil/ – https://br.sputniknews.com/

  • Cerca de 1 milhão de pessoas poderiam ter habitado território considerado até então “despovoado” na parte sudoeste da Amazônia, segundo última descoberta arqueológica.
  • Descobertas de novos geoglifos no Acre reforçam ideia de que Amazônia era densamente habitada por população milenar antes da chegada dos europeus. A Sputnik Brasil conversou com a arqueóloga Ivandra Rampanelli, pesquisadora responsável pela mais recente descoberta, sobre o significado dessas revelações.
  • Uma descoberta feita por arqueólogos brasileiros revelou que a área da bacia do Alto Tapajós, na estado do Mato Grosso, pode ter sido habitada por cerca de 1 milhão de pessoas. Eles mapearam aproximadamente 81 sítios arqueológicos que apontam que lá pode ter havido uma alta presença de seres humanos.

Novas Descobertas no Acre de geoglifos, que são desenhos geométricos de grandes proporções localizadas no solo e que configuram vestígios arqueológicos, confirmam cada vez mais que existiu uma população milenar na Amazônia de cerca de 2.500 anos atrás, antes da chegada dos europeus na região.

A pesquisadora responsável pela mais recente descoberta de geoglifos no Acre, a arqueóloga Ivandra Rampanelli, em entrevista à Sputnik Brasil, explicou que nos últimos anos os pesquisadores já encontraram cerca de 818 geoglifos no Brasil, sendo que 523 deles foram encontrados no estado do Acre.

De acordo com os estudos da pesquisadora, as novas descobertas reforçam a ideia de que havia uma habitação significativa em áreas florestais no período anterior à chegada dos colonizadores.   

Por exemplo, quando eu estudei na escola, e acredito que é como todos estudam, a Amazônia é vista como um lugar não muito habitado antes dos colonizadores, e esses geoglifos estão demonstrando que havia uma grande população que vivia aqui, e que a Amazônia naquela época era muito importante”, afirmou a especialista. 

Segundo a arqueóloga, “essas descobertas, por exemplo, esses sítios arqueológicos até então só eram encontrados em áreas em que não havia floresta, em áreas particulares. A partir do ano passado, a nossa equipe encontrou geoglifos dentro da floresta e dentro da reserva extrativista Chico Mendes”, acrescentou. 

A pesquisadora do Departamento de Patrimônio Histórico e Cultural do Acre também explicou que as primeiras descobertas começaram em 1977, quando pesquisadores locais encontraram 8 sítios arqueológicos, mas por falta de investimentos em equipamentos e recursos o trabalho foi paralisado, e a partir de 2005 o trabalho pôde se expandir no Acre através das escavações com ferramentas específicas. Segundo a arqueóloga, esses geoglifos no Acre eram locais cerimoniais de povos indígenas que habitaram essa região antes da chegada de europeus.

A hipótese hoje “mais aceita” pelos pesquisadores é que seriam centros cerimoniais, lugares de rituais. Porque se você imaginar o esforço físico pra construir aquilo lá, dependendo da quantidade de pessoas, a quantidade de horas pra fazer aquilo, você imagina o que seria importante naquela época”, explica.

Pesquisador detalha como foi a descoberta de civilização antiga na Amazônia

Uma descoberta feita por arqueólogos brasileiros revelou que a área da bacia do Alto Tapajós, na estado do Mato Grosso, pode ter sido habitada por cerca de 1 milhão de pessoas. Eles mapearam aproximadamente 81 sítios arqueológicos que apontam que lá pode ter havido uma alta presença de seres humanos.

O arqueólogo Jonas Gregório de Souza, pesquisador da Universidade de Exeter, na Grã- Bretanha, um dos responsáveis pela descoberta em entrevista à Sputnik Brasil contou que a concepção de que a floresta amazônica era lar de povos muito pequenos não existe há bastante tempo.

Nós temos muitas evidências de que as populações humanas da Amazônia no período anterior à chegada dos europeus eram muito maiores e muito mais complexas do que a gente viu no período histórico. A grande questão é saber onde que essas populações estavam concentradas”, explicou.

Para descobrir o local onde iria fazer sua pesquisa, Jonas Gregório de Souza contou que outros arqueólogos já haviam descoberto muito sítios arqueológicos na região onde hoje é o estado do Acre e na região do Alto Xingu, que fica no nordeste do estado do Mato Grosso.

Como existiam semelhanças entre os sítios arqueológicos encontrados a leste e a oeste, mas existia esse vazio no meio, nós decidimos ir até essa área para testar a hipótese de que talvez também se encontrariam sítios arqueológicos semelhantes. Isso provaria que toda essa região ao sul da Amazônia estava densamente ocupada no período anterior à chegada dos europeus, foi isso que nos motivou a fazer essa pesquisa”, contou.

Entre os vestígios encontrados há cerâmicas, machados de pedra, fortificações e solo fértil. Antes da pesquisa ser feita em campo, ou seja, com os pesquisadores indo pessoalmente até o local, eles colheram diversas imagens de satélites.

Nessas imagens foram localizados os potenciais sítios arqueológicos. Então nós fomos à campo e visitamos uma seleção desses possíveis sítios para confirmar se, de fato, se tratavam de sítios arqueológicos”, disse Jonas.

Segundo o arqueólogo, um dos sítios mais impressionantes que eles encontraram tem aproximadamente 400 metros de diâmetro e a construção é feita em um formato semelhante ao das aldeias indígenas. 

Um dos sítios que nós visitamos era cercado por um fosso que tinha mais ou menos 400 metros de diâmetro, um poço muito profundo, uma mureta de terra e descia uma estrada com dois muros paralelos que a delimitavam. Essa estrada se estendia por quase 1,5 km em direção ao sítio arqueológico. Dentro do sítio arqueológico, nós encontramos o conjunto de plataformas, de montes de terra, que provavelmente eram antigas plataformas de casas, dispostas de uma forma circular que lembra as aldeias indígenas que nós vemos até hoje”, descreveu.

Arqueólogos encontram vestígios de civilização desconhecida na Amazônia 

De acordo com artigo publicado na revista Nature Communications, pode se tratar de uma civilização antiga perdida que viveu na área antes da chegada dos conquistadores europeus.

Estamos muito animados por conseguirmos encontrar tantos vestígios da estadia de pessoas na floresta do sul da região. Escavações nunca foram realizadas aqui antes e nossa pesquisa mostra que devemos reexaminar história da Amazônia por completo. Apenas na parte que conseguimos estudar habitavam dezenas de milhares de pessoas”, declarou José Iriarte, pesquisador da Universidade de Exeter (Reino Unido).

As margens sulinas do Amazonas, como frisam os cientistas, há muito tempo são consideradas reserva natural nunca antes habitada de forma permanente. Arqueólogos presumiram que tribos indígenas preferiam viver nas várzeas e não nas margens dos rios, pois nas margens há pouca comida e recursos.

Recentemente, cientistas encontraram na fronteira entre Brasil e Colômbia alguns canais grandes, hieróglifos enormes e vários outros vestígios que indicam antiga presença de seres humanos em florestas “desertas” da Amazônia. Este achado pôs em dúvida teorias correntes.

Na bacia do Alto Tapajós, longe dos rios principais, em áreas do noroeste do Mato Grosso, os arqueólogos encontraram 81 sítios com vestígios da presença humana entre os anos de 1250 e 1500. As áreas foram observadas por aviões e satélites. Entre os vestígios encontrados há cerâmicas, machados de pedra, fortificações e terra preta que é solo fértil produzido por humanos. Tudo isso, de acordo com cientistas, é uma prova que estas áreas eram antes habitadas.

Iriarte e seus colegas acreditam que no sul da Amazônia havia pelo menos 1.300 povoados indígenas, que viveram centenas de anos na região entre 1250 e 1500. O número total de habitantes poderia exceder um milhão. Escavações futuras, de acordo com arqueólogos, ajudarão a desvendar a história misteriosa.


Permitida a reprodução desde que mantida na formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br