A ALQUIMIA COMO SOLUÇÃO PARA O ASSUNTO UFO-ALIENS

Posted by Thoth3126 on 27/10/2017

A UFOlogia é uma disciplina senil. Por isso, não estou me referindo à sua idade, ou como, depois de mais de 70 anos, não pareceu estar mais perto de resolver o enigma (UFOS e Aliens) que gerou a sua existência. O que quero dizer é que a UFOlogia como campo de pesquisa tem a terrível tendência da visão estreita e de esquecer as valiosas lições do nosso passado mais longínquo e oculto. 

É verdade, sem mentira, certo e muito verdadeiro, o que está embaixo é como o que está em cima e o que está em cima é como o que está embaixo” – “Verum sine mendacio, certum et verissimum: Quod est inferius est sicut quod est superius, et quod est superius est sicut quod est inferius”. (Hermes Trismegisto {Thoth})

Tradução, edição e imagens:  Thoth3126@protonmail.ch

Encontros (Close Encounters) próximos do tipo alquímico

Por Red Pill Junkie, Fonte: http://mysteriousuniverse.org/


Não há nada de novo debaixo dos céus, exceto o que foi esquecido”.  –  Mademoiselle Rose Bertin, costureira de Marie Antoinette na frança.


Alguns dos nossos críticos sobre OVNIs por exemplo, reclamaram que não estávamos realmente dizendo nada particularmente original em comparação com os pensadores e idéias do final dos anos 60 e início dos anos 70; nossa defesa era que na verdade não estivéssemos tentando ser novidade tanto quanto comentar o que foi apontado pelos verdadeiros rebeldes que nos precederam, os alquimistas, a quem não foi prestada atenção pelas gerações mais recentes … em detrimento do estudo de objetos voadores não identificados e da (s) inteligência (s) alienígenas no controle deles.

Tomemos, por exemplo, o tópico controverso dos Contactados: a maioria das pessoas acredita que foi na década de 1950 quando cidadãos comuns como George Adamski ou Truman Bethurum começaram a se relacionar com extraterrestres provenientes de Vênus, Júpiter – ou planetas exoticamente mais conhecidos como Clarion – e a principal preocupação de nossos Irmãos Espaciais era a proliferação das armas nucleares em nosso mundo e a ameaça que representavam para a sobrevivência da Humanidade … ou mesmo para a estabilidade de todo o Cosmos. Os psicólogos tentaram explicar o fenômeno sociológico dos contactados como resultado das ansiedades da Guerra Fria, e uma necessidade religiosa do surgimento de salvadores em alta para o consumo da Era Espacial.

Mas esses psicólogos – e até a maioria dos UFOlogistas – ficariam surpresos ao saber que os avisos contra um Armagedon nuclear podem ser rastreados mesmo antes do início da Guerra Fria e da Era da Conquista do Espaço – antes mesmo de a fissão do átomo ter sido alcançada experimentalmente pela primeira vez pelo químico alemão Otto Hahn em 1938! E essas advertências não vieram de Venusianos de cabelos compridos a bordo de pires prateados, mas de um indivíduo secreto que afirmou estar na posse de um poderoso legado de conhecimento, reunido a partir dos restos dispersos de uma civilização perdida.

Esses avisos vieram de um Alquimista”.

A história que estou prestes a contar pode ser encontrada em um livro que considero a leitura indispensável por qualquer pessoa interessada nesses tópicos: Le Matin des Magiciens(Morning of the Magicians- O Despertar dos Magicos) de Louis Pauwels e Jacques Bergier. Infelizmente, esta joia é mal conhecida entre a maioria dos círculos de estudantes do fenômeno OVNI-UFO-Aliens de língua inglesa por três razões principais: foi publicado em 1960 (ataque um); Seu tópico principal não é sobre UFOs, mas a filosofia hermética e a sabedoria e o conhecimento oculto e secreto (ataque dois) e foi escrito por dois franceses (ataque três! Você está fora !! ).

Louis Pauwels (1920-1997) foi um escritor e jornalista com um interesse da vida pelo misticismo oriental e a filosofia de Gurdjieff. Em 1954, ele conheceu Jacques Bergier (1912-1978), cuja vida é provavelmente mais merecedora de um filme que qualquer  remake dos anos 80: nascido na Ucrânia e de descendência judaica, ele era um escritor e um engenheiro químico que se tornou um lutador da resistência e espião durante a ocupação alemã nazista da França, foi posteriormente capturado e enviado ao campo de concentração de Mauthausen. Após a Libertação, ele desempenhou um papel fundamental na descoberta do programa nuclear nazista, e até onde eles entraram no desenvolvimento do armamento atômico. 

Bergier foi creditado e reconhecido por seus amigos por ter uma inteligência prodigiosa e conhecimento enciclopédico. Quando ele tinha 6 anos, viu uma ilustração antiga de xilogravura  de dois alquimistas antigos trabalhando no laboratório, o que despertou seu interesse pela sabedoria esquecida da Alquimia. Para ele, as descobertas modernas sobre a radioatividade e a composição do átomo tinham a promessa de destravar o verdadeiro segredo por trás da transmutação dos elementos e criar uma ponte entre o passado e o futuro, entre o conhecimento e a ignorância.

Mas seus contemporâneos não só consideraram a Alquimia como um absurdo supersticioso (da maneira que ainda fazemos até hoje), mas mesmo a energia nuclear ainda era considerada um assunto “marginal” na física teórica, sem aplicações possíveis na vida real (como o foram a eletricidade e o magnetismo no século XVIII). Em 1933, Bergier é regozijado por um professor de seu – um dos melhores químicos de toda a França – por desperdiçar seu tempo em interesses tão “infantis” como a física nuclear, e o admoesta a prosseguir uma carreira “sensível” na indústria do refinamento de açúcar em vez de na alquimia.

Felizmente para nós Bergier não era apenas inteligente; Ele também era teimoso, abençoemos seu coração. Ele ignora o conselho e continua seus estudos “imprudentes” em física de ponta e antiga Alquimia. De 1934 a 1940, tornou-se um colaborador do eminente físico e químico André Helbronner, que foi um dos primeiros cientistas a tentar desvendar o segredo por trás da energia atômica, antes de ser assassinado pelos nazistas em 1944.

Foi a pedido de Helbronner que Bergier teve um estranho encontro com um indivíduo misterioso em junho de 1937, dois anos antes de a Alemanha invadir a Polônia e a Segunda Guerra Mundial começar. A reunião ocorreu em um laboratório de testes vazio de propriedade da “Gas Society” de Paris. O homem estranho começou a conversa dizendo que sabia que Bergier ajudava Helbronner na busca do segredo atômico e mencionou seu sucesso recente em desencadear a radioatividade no polônio.

Você está muito perto do sucesso, assim como muitos outros sábios contemporâneos”, disse o estranho (lembre-se do experimento de Hahn em 38), mas o trabalho que você e seus colegas estão fazendo é terrivelmente perigoso. E não é só você quem está em perigo, mas toda a Humanidade “.

O homem explicou a Bergier que a libertação da energia nuclear era mais fácil do que o que se acreditava na época, e a radioatividade superficial resultante poderia envenenar toda a atmosfera planetária apenas em questão de anos. Ele também advertiu que os explosivos atômicos poderiam ser fabricados usando apenas alguns gramas de metal e eles teriam o poder de vaporizar cidades inteiras. “Nós, Alquimistas, soubemos sobre isso desde há muito tempo”.  Antes que Bergier pudesse protestar ou fazer qualquer pergunta, o homem continuou:

Eu sei o que você vai dizer – que os alquimistas não conheciam a estrutura do núcleo atômico, não tinham eletricidade nem métodos de detecção. Portanto, eles nunca poderiam liberar a energia nuclear.  Não vou tentar lhe provar o que estou prestes a lhe dizer agora, mas peço-lhe que repita isso para monsieur  Helbronner: só é preciso certas montagens geométricas, sem necessidade de eletricidade ou meio de vácuo. E agora vou limitar-me a recitar algumas linhas … “

O homem tirou de uma mesa um livro escrito por Frédéric Soddy: L’interpretation du Radium (Interpretação do Radium), encontrou uma passagem e leu:

Eu acredito que existisse nas civilizações passadas que conheciam a energia do átomo e foram totalmente destruídas pelo mau uso da liberação desse poder”.

O homem fechou o livro e continuou sua exposição, pedindo a um deslumbrante Bergier que entrevisse a possibilidade de técnicas parciais de conhecimento antigo que possam sobreviver ao longo dos tempos. Esse conhecimento tinha sido mantido nas mãos seguras de homens que temperavam sua curiosidade experimental com preocupações morais e religiosas; enquanto a nossa física “moderna” em sua opinião era uma ” Ciência sem Consciência “, tendo nascido durante o século XVIII para a diversão de “senhores e homens ricos libertinos” – ali, sem dúvida, o Alquimista se referia à pusilânime Sociedade Real de Londres, fundada em 1660 sob o auspício do rei Carlos II, que viveu uma expansão considerável no final do século XVIII.

O homem estranho continuava explicando a Bergier que ele tentara avisar outros pesquisadores como ele sobre os perigos de seu trabalho … absolutamente inútil.

Bergier finalmente conseguiu fazer uma pergunta: “Se você mesmo é um Alquimista, monsieur , não posso acreditar que você empregue seu tempo na tentativa de fazer ouro, como Dunikowski ou o Doutor Miethe.” – Dunikowski era um engenheiro polonês que havia anunciado em Paris que ele havia descoberto um novo tipo de radiação capaz de transmutar quartzo em ouro, mas foi flagrado como um fraudador; Dr. Adolf Miethe (não deve ser confundido com Richard Miethe, um nome frequentemente mencionado no assunto pantanoso dos discos voadores nazistas) do Departamento de Fotoquímica do Ensino Médio Técnico de Berlim afirmou ter encontrado pequenos depósitos de ouro dentro das lâmpadas de vapor de mercúrio usadas em seu laboratório como fonte de luz ultravioleta. Em 1924, ele afirmou ter mudado de mercúrio em ouro em uma lâmpada de vapor de mercúrio de alta tensão. Infelizmente, ele produziu cerca de apenas US$ 1 de ouro … a um custo de US$ 60.000 devido à quantidade de energia incrivel empregada no processo .

Bergier continuou: “Por cerca de um ano, tentei me documentar sobre o assunto da Alquimia, e só me encontrei com charlatães ou interpretações que eu acho ridículas. Você poderia, senhor, me dizer no que as suas próprias investigações consistem?

O Alquimista respondeu: “Você está me pedindo para resumir em 4 minutos os 4.000 anos de filosofia oculta e secreta e os esforços da minha vida inteira!  Você também está me pedindo para traduzir em conceitos de linguagem clara que não admitem nenhuma explicação simples. Posso, no entanto, dizer-lhe isso: Certamente, você está ciente de que, na “Ciência oficial” em andamento, o papel do observador é sempre importante. A relatividade e o princípio da incerteza mostram o quanto o observador intervém nos fenômenos naturais por ele mesmo criados. Lembremos que a interpretação de Copenhague da mecânica quântica foi proposta no final da década de 1920.

O segredo da Alquimia”, o homem revelou a Bergier, “isto é: existe uma maneira de manipular a matéria e a energia de tal modo que produz o que os cientistas contemporâneos chamariam de um campo de forçaEste campo atua sobre o observador e coloca-o numa posição privilegiada no Universo. A partir deste ponto de vista, ele tem acesso às Realidades, que o espaço e o tempo, a matéria e a energia tendem a nos esconder (sob “os Véus de ÍSIS). Isto é o que chamamos de A GRANDE OBRA  (Magnum Opus)“.

Mas, o que dizer da Pedra Filosofal?”, Perguntou Bergier. “E a fabricação de ouro?”

Isso não é mais do que aplicações, casos particulares”, respondeu o Alquimista. “O que é essencial não é a transmutação de metais, mas a transmutação do próprio experimentador. É um antigo segredo que muitos poucos homens encontrarão ao longo dos séculos”.

No que eles se transformam, então?”, Questionou Bergier.

Talvez, um dia, eu descubra”, foram as palavras finais do homem misterioso. Bergier nunca mais viu o Alquimista. Quanto à sua verdadeira identidade, continua a ser um mistério e desconhecida em seu dia. 

O próprio Bergier estava convencido de que o homem não era outro senão o mítico Fulcanelli, o pseudônimo de um indivíduo anônimo que era o autor de dois livros que são altamente considerados como os melhores em toda a bibliografia alquímica: “Le Mystère des Cathédrales”  (The Mystery das Catedrais) e ” Les Demeures Philosophales”  (Moradias dos Filósofos).  Fulcanelli tinha um protegido, Eugène Canseliet, que era o único responsável por seu mestre para publicar seus livros na década de 1920. Pauwels e Bergier estavam convencidos de que Fulcanelli havia sobrevivido à guerra, mas se escondeu, para nunca mais revelar nada sobre o conhecimento oculto.

Diz-se que a última vez que Canseliet encontrou Fulcanelli foi na Espanha durante a década de 1950, e ele passou por uma transformação incrível. Em vez de ser um homem velho, como o seu aluno lembrava-se dele, o Alquimista milagrosamente rejuvenesceu e adquiriu uma aparência  andrógina” , prova de que ele conseguiu completar a Grande Obra (em si PRÓPRIO), e a recompensa era uma metamorfosis física e espiritual. A lagarta tinha sido transformada em uma borboleta.  O que fazer desta maravilhosa e ainda improvável história? Só temos a palavra de Bergier de que o encontro entre ele e o homem (possivelmente Fulcanelli) ocorreu. A fonte da história é um livro que foi publicado em 1960, 15 anos após a realidade da energia nuclear ter sido provada da maneira mais horrenda possível, com a destruição de Hiroshima e Nagasaki.

O que eu pessoalmente acho fascinante sobre este aviso prévio da Segunda Guerra Mundial sobre os perigos das armas nucleares, não é apenas que precedeu TODAS as advertências semelhantes dadas pelos chamados “Irmãos Espaciais” aos Contactados nas décadas de 1950 e 60 – e não é de todo “interessante como esses” seres superiores “são freqüentemente descritos como tendo características andróginas? – mas também, se realmente aconteceu, como admitiu Bergier, todas as coisas declaradas pelo alquimista eram essencialmente verdadeiras: em 1986, a nuvem radioativa Produzida pela central nuclear de Chernobyl literalmente cobriu a totalidade da Europa.

A bomba de Hiroshima continha apenas 141 libras (63,95 quilos) de urânio enriquecido – não “alguns gramas”, como o Alquimista afirmou … embora talvez haja métodos para amplificar ainda mais o poder destrutivo do material fissível que (felizmente) ainda não descobrimos. E depois que os Aliados derrotaram os nazistas, eles descobriram a bateria de Uranium rudimentar de Heisenberg, que consistiam em substâncias extremamente puras colocadas juntas em uma disposição geométrica específica – os alemães não a colocaram no vácuo, assim como o Alquimista havia “predito”. 

Mas acho que o que mais me fascinou sobre a Alquimia, desde que eu li o livro Manhã dos Magos  no início da minha adolescência, é a idéia de um conhecimento muito antigo e mantido oculto que é paralelo ao nosso entendimento atual sobre a natureza da energia e da matéria, e talvez até a ultrapasse. E, no entanto, ao contrário dos nossos tempos modernos, os homens que possuíram esse conhecimento sabiam que tinham que mantê-lo longe dos reis e dos governantes, para que não fosse corrompido – ou pior, costumava desencadear um poder capaz de destruir toda a nossa civilização … como poderia ter acontecido antes.

Werner von Braun disse que “a ciência não tem uma dimensão moral. É como uma faca muito afiada. Se você a entregar a um cirurgião ou a um assassino, cada um usará o instrumento de maneiras diferentes”. Talvez seja assim; ou talvez essas sejam palavras destinadas a aceitar a consciência de um homem que não teve escrúpulos em matar inocentes em sua busca egoísta para conseguir seus sonhos para conquistar as estrelas. “O foguete funcionou perfeitamente, exceto por pousar no planeta errado”, teria dito von Braun em relação à sua bomba de foguete V-2 lançada maciçamente contra Londres. “Se não o fizermos primeiro, outras pessoas o farão” teriam sido as palavras usadas para justificar tudo, desde a criação de armas bacteriológicas até bombardeios de assaltos automatizados. O uso da  Ciência sem a Consciência, na verdade …

No livro O Despertar dos Mágicos, os autores tentaram interessar seus pares nos tesouros escondidos enterrados sob os manuscritos empoeirados e os códices escritos pelos antigos Alquimistas, que conseguiram sobreviver em nossa era – milhares de volumes, e, no entanto, uma miséria em relação a todos os pergaminhos transformados em cinzas em Alexandria. Eles argumentaram que os químicos, os engenheiros e até os físicos nucleares devem se aliar a historiadores e simbologistas para quebrar os códigos desses tratados e ver se eles continham técnicas e processos que poderiam ser de qualquer uso em nossas indústrias e laboratórios modernos. 

Um recado de tolos, alguns podem pensar, e ainda Pauwels e Bergier afirmam que depois que a guerra na Europa terminou, havia muitos agentes norte americanos tentando colocar suas mãos em qualquer livro alquímico que pudessem encontrar, seguindo os passos do que os nazistas fizeram desde o seu começo.. Bergier também narrou como quando ele estava colaborando com o governo francês no estudo das capacidades nucleares dos alemães – algo em que ninguém prestou atenção na Europa … antes de Hiroshima e Nagasaki, foi convidado a se encontrar com um comandante americano anônimo, cujo interesse real não era o programa nuclear nazista, mas o de encontrar o paradeiro de Fulcanelli. 

Dado que os estudos recentes do Dr. Jacques Vallee com o material coletado dos OVNIs-UFOs parecem apontar para um reengenharia de metais aparentemente comuns que são quase sugestivos de uma transmutação alquímica autêntica – do jeito que eu especulei recentemente no Daily Grail – talvez não seja irracional para se supor que a arte da Alquimia seja uma das principais peças que faltam no quebra-cabeças OVNI-UFO-Aliens e que alguém nos altos níveis de poder esteja em busca do segredo antigo dos alquimistas.

E, no entanto, se eles estão nesta procura, então eu suspeito que nunca a encontrarão. Porque se a Alquimia é a verdadeira Ciência com Consciência, como Rabelais – e nosso Alquimista anônimo – declarou ser, o objetivo final desta arte antiga vai muito além da conquista de tecnologia, riqueza e poder material. E a Grande Obra só pode ser cumprida por homens de ambições temperadas nos cadinhos de fundição de metais de seus laboratórios, através de muitos anos e anos (e vidas sucessivas) de trabalho duro indomável. Até que se encontrem transformados de humanos comuns em … algo MUITO mais do que humano. … Talvez a Pedra Filosofal seja a verdadeira Pílula Vermelha para sair da MATRIX….


Existem três coisas que não podem ser escondidas por muito tempo: a  Lua, o Sol e a VERDADE” – Sidhartha Gautama (Budha)

 

Tudo o que somos é o resultado do que pensamos. Se um homem-mulher fala ou age com um pensamento maligno, a dor o acompanhará como uma sombra. Se um homem-mulher fala ou age com um pensamento puro, a felicidade o segue, como uma luz que nunca o deixa”. – Budha  (Sidharta Gautama)

Permitida a reprodução desde que mantida a formatação original e mencione as fontes.

www.thoth3126.com.br

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s